McLaren fazendo escola

A facilidade com que Lewis Hamilton fez as ultrapassagens na Malásia foi a prova final para que os adversários corram para copiar o chamado duto F da McLaren. Trata-se de uma engenhosa entrada de ar cujo fluxo é controlado pelo piloto. Nas curvas, serve simplesmente para refrigeração do cockpit. Nas retas, vira uma poderosa arma.

Ninguém resiste a uma espiadinha

Há um canal dentro do chassi que conduz o fluxo para a asa traseira quando o piloto tapa a entrada de ar com o joelho. Isso faz com que a asa ofereça menos resistência e gera um ganho de até 10km/h na velocidade final. Isso significa vantagem e maior liberdade no acerto do carro, resolvendo a dúvida entre velocidade na reta e estabilidade na curva. A McLaren pode usar a configuração ótima para as curvas, já que o duto garante que o carro será veloz nas retas.

Os motivos são suficientes para que todos apareçam com seus dutos em breve, mas não é simples. Como não podem, por regulamento, modificar o chassi, as equipes estão quebrando a cabeça para adaptar um enorme duto que passa pela chamada barbatana de tubarão, na cobertura do motor, sem mexer em seus projetos.

Publicado em 10.04

2 comentários sobre “McLaren fazendo escola

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s