Os melhores momentos do rádio na F1

10 Raikkonen: “Don’t talk to me in the middle of the corner!”

Talvez esse seja o momento de maior emoção de Kimi Raikkonen no volante de um F1. Primeiro, a transmissão da sessão de livres do GP da Malásia de 2009 mostra o finlandês perdendo o controle de sua Ferrari, depois recupera-se o rádio: “não fale comigo no meio da curva”, diz o campeão de 2007 para o engenheiro Andrea Stella.

9 Alonso: “I don’t want to know”

Essa foi outra para Stella. GP da Austrália de 2010. São as últimas voltas da prova e Alonso está com os pneus no osso. Atrás dele, Hamilton, com borracha nova, vem tirando a diferença. O engenheiro de pista da Ferrari informa que a distância vem caindo… 3s, 2.5s… até que o espanhol se cansa: “Eu não quero saber!”. Depois da prova, acrescentou: “ele chegaria quando teria que chegar, eu não tinha o que fazer.”

8 Montoya: “Oh dear…”

Um desentendimento linguístico impagável, que só poderia ter vindo de Montoya. O engenheiro alerta para que ele tenha cuidado com um veado na pista. Um deer, em inglês. O colombiano não entende e responde “oh! Dear”. Logo o engenheiro diz que ele tem que procurar por uma espécie de “cavalo com chifres” na pista e evitar a colisão. Essa foi durante o GP da Áustria de 2001.

7 Schumacher: “Give Corinna a big kiss for me”

Quem disse que os alemães não têm sentimentos? Schumacher acabara de conquistar seu 1º título com a Ferarri, tirara os italianos de uma fila de 21 anos. Um aliviado Schumi até pede para que dêem um grande beijo em sua esposa por ele.

6 Todt: “Rubens, let Michael pass for the championship”

Nessa época, Ferrari e McLaren não permitiam que suas comunicações via rádio fossem transmitidas, e aqui temos um claro motivo do porquê. Faltando 1 volta para o final do GP da Áustria de 2001, o então chefe da Scuderia, Jean Todt, pede a Barrichello que deixe Schumacher passar pelo campeonato. Era a ordem para uma das cenas mais tristes da história da categoria. Ainda mais porque era a 6ª corrida de 17 e Schumi liderava a tabela por 42 a 38 sobre Coulthard. No final, o alemão ganharia por 123 a 65 do escocês!

5 Webber: “Not bad for a number 2 driver”

Essa já entrou para os momentos clássicos do rádio da F1. No último treino livre do GP da Inglaterra de 2010, a asa dianteira estava mal montada e se solta do carro de Vettel. Só há 2 asas novas. A Red Bull decide, então, tirar a asa do carro de Webber e dá-la ao alemão, que faz a pole, mas tem um pneu furado na 1ª volta da corrida. Webber vence e, ao receber a parabenização do próprio chefe que o prejudicou, manda “nada mal para um segundo piloto.”

4 Barrichello: “Don’t make me laugh”

Guiando uma péssima Honda no GP da Turquia em 2007, Jock Clear, engenheiro de Barrichello, informa que Button, seu companheiro, diz que está tirando 2s por volta, num claro sinal de que o brasileiro deve deixá-lo passar. Rubinho responde: “não me faça rir.”

3 Hamilton: “Fricking terrible idea!”

Dá para entender a frustração de Hamilton no GP da Austrália de 2010. Ele tinha largado em 11º e escalado até o 3º posto quando foi chamado para o box. A equipe esperava que os outros fizessem o mesmo, mas Kubica e as Ferrari não o seguiram e o inglês caíra para 5º. Pior, via seu companheiro próximo da 1ª vitória na equipe. Além de imaginar por que ele tinha que ter parado e Button, não – ficou claro que seus pneus estavam piores que os do campeão de 2009 – começou a caçar as bruxas. Pelo rádio. “Quem decidiu isso? Foi uma péssima ideia”.

2 Montoya: “Räikkönen, what a ******* idiot”

Não foi exatamente o cartão de visitas que seu futuro companheiro de equipe esperava. Montoya, ainda na Williams, vinha em volta rápida até que encontrou a McLaren de Raikkonen mais lenta na chicane da bus stop, em Spa-2002. A reação do colombiano foi imediata: “Que idiota esse Raikkonen.”

1 Rob Smedley: “Felipe baby, stay cool”

Não deve ter sido fácil guiar naquela tempestade da Malásia, em 2009, e dá para entender o desespero de Massa, que não conseguia ver nada e pedia por um visor transparente. Mas o carinho com que seu engenheiro de pista, o inglês Rob Smedley, o tratou fez desse momento o mais clássico das comunicações via rádio na F1. É difícil imaginar outra combinação piloto-engenheiro tendo essa conversa: “Bebê Felipe, fique calmo. Estamos trazendo seu visor.” A história rendeu até uma música, chamada “Felipe Baby”.

4 comentários sobre “Os melhores momentos do rádio na F1

  1. hehe! a confusão de montoya em 2001, não tem preço! ver um sujeito vencedor como shumacher se emocionar é diferenciado. barrichello teve seu momento tolerância zero, hehe!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s