Nada mal para um 2º piloto – parte 2

E mais uma vez vimos uma corrida decidida da maneira que ninguém quer ver, mas da qual ninguém consegue escapar. Pensando no campeonato, a Ferrari não tinha muita escolha, já que todos seus esforços de desenvolvimento estão focados na única possibilidade que a equipe tem de ganhar alguma coisa esse ano: o campeonato de pilotos com Alonso. Eles não podiam nem ter arriscado uma briga que tirasse ambos da pista, nem ver o espanhol fazer 7 pontos a menos. Podiam, sim, ter invertido as posições de maneira menos amadora, na linha do “economizar combustível” da McLaren na Turquia.

A FIA não puniu a Ferrari com perda de posições porque sabe que isso abre um procedente perigoso. Com certeza coisas desse tipo vão acontecer de novo. Como diferenciar um “seu companheiro está mais rápido que você” de um “economize combustível” quando ambos querem dizer a mesma coisa e todo mundo sabe? E por que punir agora e não fazer nada na última prova, por exemplo? Acho que os times têm o direito de tomar esse tipo de decisão. Essa regra só funciona na cabeça dos ingênuos.

Felipe respirou fundo antes de sair do carro

No mais, mais do mesmo. Besteira de Vettel na largada, momento em que, da pole, só se pode perder corridas e é o que ele tem feito. Um Webber apagado, como em todo final de semana. Um Hamilton eficiente, que ganhou 2 posições em relação à largada e um Button inteligente na estratégia – da corrida e do campeonato – e cuidadoso com os pneus.

O ritmo da McLaren na corrida foi desapontante. Hamilton chegou quase 27s atrás de Alonso, o que mostra que os problemas dos ingleses com o novo difusor não se resumem à classificação.

Na próxima prova, na Hungria, a relação de forças deve se manter a mesma. A Ferrari, que já tinha ritmo de corrida há 3 provas, agora, com o mesmo sistema de gases da Red Bull, também chegou na classificação. Em pouco tempo, a McLaren vai encostar. É ou não é o melhor campeonato de todos os tempos?

Um comentário sobre “Nada mal para um 2º piloto – parte 2

  1. no 1º momento, por torcer por alonso, achei a atitude “normal”, mas nada como um dia após o outro. realmente, por saber que os jogos nunca vão deixar de existir, mas há muitas formas de se jogar, talvez uma escapadinha, uma atravessada. o problema de massa, foi ter andado todo o ano, salvo raras excessões, como nesta corrida, atrás de alonso. sem falso moralismo, equipe e pilotos perdem.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s