Webber nunca vai esquecer da Coréia

Como gols no futebol, pontos num campeonato de F1 têm o mesmo valor, do início ao final da temporada. Mas uma virada nos instantes finais tem um valor inestimável. E diz muito sobre um piloto.

Há quem insista na inócua discussão de merecimento quando é difícil argumentar contra um piloto que, com o carro 3º colocado no mundial de construtores, chegou à etapa final liderando o campeonato. Na mesma medida, o que dizer de quem teve quebras em duas provas que liderava com facilidade e ainda contou com outras falhas no meio do caminho? Mas, pelo menos até essa última etapa, muitos consideravam que Webber “merecia” ser campeão.

Olhando superficialmente, é compreensível. Afinal, o australiano começou o ano com todos apostando que ele não seria páreo para o talentoso Vettel. A idade avançada – 34 anos –, a possibilidade desta ser sua grande chance e o fato da equipe estar moldada ao redor do alemão fazem com que a simpatia pelo azarão seja quase imediata.

Ainda mais após o GP da Bélgica, quando Webber, depois de colecionar belas apresentações na Espanha, Mônaco, Inglaterra e Hungria, assumiu a ponta do campeonato, com Vettel a mais de uma vitória de distância. O contraste com os erros dos rivais, principalmente do companheiro e de Alonso, salientava ainda mais sua regularidade. Para completar, nas corridas seguintes, seria Hamilton quem cederia à pressão e daria ainda mais razão para quem acreditava no título do australiano.

Mas, na parte final de campeonato, Vettel colocou ordem na casa. Nas últimas 5 provas, classificou-se à frente do companheiro, descontando 49 pontos na tabela. E deixou uma pergunta no ar: como um piloto que teve o melhor carro o ano todo, não sofreu com falhas mecânicas nas corridas e ainda não conseguiu fazer mais pontos que o companheiro pode merecer o mundial?

Sorry Mark, but I'm faster than you

Vettel errou muito? Sim. Perdeu, por baixo, 62 pontos – 2 segundos lugares pela batida na Turquia e pela briga desnecessária na largada da Inglaterra, a vitória na Hungria desperdiçada por um drive through infantil, um 3º na Bélgica que virou colisão com Button e uma raspada no muro que lhe custou a pole e a vitória em Cingapura – porém, ao contrário do companheiro, sofreu com problemas mecânicos. Foram 4, contra nenhum de Webber, que lhe custaram nada menos que 66 pontos – Bahrein, Austrália, Espanha e Coréia.

Nas contas do australiano, são 32 pontos perdidos por falhas – um possível 3º lugar em Valência com a ajuda do Safety Car, caso não tivesse batido com Kovalainen, e o 2º (que seria, na verdade, um 1º) na Coréia. Isso sem contar más classificações (Bahrein, Cingapura, etc.) e largadas (Bélgica, Itália, etc.).

Mesmo errando muito menos e sem as falhas técnicas que assombraram o companheiro, Webber ficou devendo na hora da verdade, o que ficou claro na classificação de Abu Dhabi. “Eu não conseguia tirar a performance minha ou do carro. Foi a 1ª vez que olhei para o pitboard e pensei: ‘não consigo chegar nesse tempo’”. Não poderia haver hora mais errada para isso. E perdeu sua chance de ouro pela 2ª vez. A primeira, aos 40’ do 2º tempo, na batida boba na Coréia. A segunda, aos 45’, ao ser mais de meio segundo mais lento que o companheiro na classificação mais importante da sua vida.

Números de Vettel x Webber

Vettel Webber
Vitórias 5 4
Voltas na liderança 382 317
Poles 10 5
Diferença média na classificação -0.04s +0.04s
Média de posição no grid 2.04 2.5
Pódios 10 10
Média de posição de chegada 3.65 3.97
Voltas mais rápidas 3 3
Voltas completadas em corrida 1066 1043
Abandonos por falhas mecânicas 2 0
Abandonos por acidentes 1 2
Anúncios

6 comentários Adicione o seu

  1. wagner vieira alves disse:

    bem Ju, acho que a diferença está entre o assento e o volante! webber em sua carreira, não alcançou o degrau de excelência dos fora de série! vettel, bem menos experiente, possui o dom! a sorte, não pode ser descartada, mas com um carro deste porte nas mãos, errar é mais difícil! na minha modesta opinião, por possuir um carro tão superior, deu direito a seus pilotos errar e recuperar, o mesmo não podendo ser dito da ferrari, que hoje, inferior, errou grotescamente, não possuindo poder de reação!

    Curtir

  2. Rafael-F1 disse:

    Torci pelo Webber, mas fiquei feliz pela conquista do Vettel… Isso calou as reclamações do Australiano.

    Sorry Mark, but I’m faster than you (x2)
    * O que eu disse há um/dois meses?! > O título está mais para o Vettel.

    E assim como Jack Brabham, acredito que esse ano foi a última chance do Webber. Infelizmente!
    * Em 2011, ele irá pegar um Alemão já lapidado, dificilmente o baterá.

    Gn’R

    Curtir

  3. SennaCeccotto disse:

    Bons Dias Meus F1 Freaks Like Me

    Wagner a diferença não está só entre o volante e o assento..que também está..Ganhar contra piloto favorito de scuderia (estou falando de todas quando falo dA Scuderia ponho maiúscula)é uma arara preta..Único piloto que o conseguiu foi o Nelsão ganhou da Williams e do piloto favorito Nigel Mansell..e infelizmente para ele o Aussie nunca vai ser um Nelson Piquet Tri-Campeão Mundial..

    Um Abraço

    Curtir

    1. faster F1 disse:

      boa ideia para um post também, hein…

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.