Curiosidades de Abu Dhabi e a volta do equilíbrio na F1

Sebastian Vettel se tornou o campeão do mundo mais jovem da história da F1, reforçando uma tendência de queda na idade dos que chegam ao título. Ele é o 3º em 5 anos a bater uma marca que durou 33 anos nas mãos de Emerson Fittipaldi – em 2005, Alonso venceu com 25 anos; em 2008, Hamilton estava perto de completar 24 e hoje, o alemão tem 23.

Mas a conquista é marcada por uma estatística ainda mais interessante: Vettel jamais havia chegado à liderança do campeonato antes da última etapa da última prova e se tornou o 2º alemão campeão do mundo. O país levou o título pela 8ª vez em 17 temporadas, média pouco acima de uma conquista a cada 2 anos. É, também, apenas o 3º piloto da história a vencer chegando na última corrida da temporada em 3º na tabela – sendo os outros Guiseppe Farina em 1950 e Kimi Raikkonen, em 2007.

E pensar que a Alemanha era um país sem tradição na F1 há menos de 2 décadas

Chegado a números e estatísticas, Vettel largou da pole pela 15ª vez na carreira – 10ª no ano –, equiparando-se a Felipe Massa. No entanto, tem 62 largadas na F1, contra 133 do brasileiro. A vitória que lhe deu o título foi a 10ª na categoria, mesmo número de James Hunt, Ronnie Peterson, Jody Scheckter e Gerhard Berger.

A melhor volta, no entanto, ficou com Lewis Hamilton, curiosamente apenas pela 8ª vez na carreira – sendo 5 só neste ano, mesmo número de Alonso, que levou o troféu da DHL como piloto mais rápido do ano por ter mais segundas voltas mais rápidas que o inglês. O resultado ajudou a McLaren a se firmar como a única equipe que pontuou em todas as etapas e a manter o 2º lugar no campeonato de construtores, à frente de uma Ferrari que foi superior em performance na metade final de 2010.

O pódio de Abu Dhabi contou com os 3 últimos campeões do mundo. No Canadá neste ano tivemos Hamilton, Button e Alonso nas 3 primeiras colocações, mas para encontrar os vencedores de maneira consecutiva, temos que voltar ao GP da Austrália 88, que teve Prost (86), Senna (88) e Piquet (87) estourando champagne.

O GP da Austrália de 1988 deve pódio de campeões e uma cena rara

Depois do domínio sem precedentes de Schumacher que culminou com o heptacampeonato, nos últimos 5 anos, temos tido campeões diferentes. O recorde de “caras novas”, no entanto, vai para o período de 1976 a 1982, quando tivemos coroados James Hunt, Niki Lauda, Mario Andretti, Jody Scheckter, Alan Jones, Nelson Piquet e Keke Rosberg.

Outro sinal de equilíbrio é que, pela 3ª vez seguida, o atual campeão do mundo chegou à última prova sem chances de repetir o feito. Antes disso, temos que voltar a 2000, com Hakkinen, e 1998, com Villeneuve, para encontrar situações semelhantes.

A temporada terminou, mesmo com mais pontos sendo dados que em qualquer época da F1, com apenas 16 de diferença entre o 1º e o 4º colocados. A menor distância do ano havia acontecido após o GP do Canadá, quando Hamilton, Button, Webber e Alonso estavam divididos por 15 pontos. Curiosamente, Vettel era apenas o 5º naquele momento e o vice-campeão da Ferrari, o 4º.

Continuando a “maldição” do líder do campeonato, desde o GP da Turquia do ano passado, o melhor colocado na tabela não vence a prova. Outro dado interessante é que, pelo 3º ano seguido, o atual campeão do mundo só venceu 2 vezes na temporada em que defendia o título: foi assim com Raikkonen em 2008, Hamilton em 2009 e Button em 2010.

7 comentários sobre “Curiosidades de Abu Dhabi e a volta do equilíbrio na F1

  1. bem Ju, temos atualmente uma safra muito boa de pilotos! por sorte de shumacher, em seus tempos auréos, os concorrentes eram menores em quantidade e qualidade! após a era shumacher, penso que em 2009 e 2010, os carros vencedores fizeram uma enorme diferença, sem é claro desmerecer button e vettel! penso que seria interessante, apenas por uma questão esportiva, a FIA tentar estabelecer normas técnicas que viessem a facilitar as ultrapassagens! não sei se seria relacionado aos circuitos, ou mesmo mudanças aerodinânicas que podessem propiciar o vácuo, sem causar tanta turbulência! o fim do reabastecimento, para mim, tornou as corridas mais técnicas, ponto para FIA! quanto aos pneus e aos motores, penso o seguinte: – a obrigatoriedade de trocar pneus, influe negativamente, pois, o bom piloto consegue poupar e atacar apenas no fim!; – apesar das preocupações ecológicas, penso que pela disputa, um motor por corrida, tornaria a briga mais acirrada, sem preocupação de quebras, caberia fazer motores menos poluentes e econômicos! isso colocaria fogo no campeonato!

    Curtir

    1. É muito complexo. Acho que o Schumacher conseguiu formar na Ferrari uma plataforma muito sólida de sucesso, num regulamento estável. As regras mudaram muito em 2005, e, depois, em 2009, e isso mexeu com a distribuição das forças.
      É um fator, mas considero essa geração de pilotos especial. Acho que vamos olhar para 2010 daqui a 20 anos e dizer: ‘bons eram os tempos de Hamilton, Alonso, Vettel…’
      Sobre as regras, eles tentaram reduzir o drag draticamente em 2009, mas liberaram o difusor duplo e o resto é história. O problema de mexer nas regras é que os engenheiros já sabem qual o caminho para fazer o carro ir mais rápido, então eles encontrarão uma brecha.
      Pelo que aconteceu no Canadá e na Austrália nesse ano, o que pode fazer diferença são pneus não tão duráveis, mas daí vai da marca querer administrar sua imagem com todo mundo reclamando de pneu que esfarela. Vamos ver qual a postura da Pirelli.
      E os circuitos, também. Os olhos do mundo atraídos para a última etapa do ano, com a chance de ganhar espectadores, e o que se vê é o líder do mundial preso atrás de um piloto estreante de uma equipe média. Por que alguém vai querer se animar a ver uma procissão como aquela? E olha que esse foi o ano com mais ultrapassagens em muito tempo. Trarei as estatísticas.

      Curtir

  2. Foto sensacional de Schumacher e Vettel, ainda mais comparando com essa foto do passado:

    Média de um título para Vettel a cada 3 anos não é nada longe da realidade, não vejo Vettel saindo da F1 com menos de 4 títulos! Vai chegar perto de Schumacher nas estatísticas e deixar grandes pilotos do passado para trás, agora não vai ter a desculpinha que ele disputou com pilotos medíocres ou começou com equipe de ponta(como Lewis), talvez o idiota do Galvão consiga convencer os brasileiros que Vettel é mala, mas e o Senna não era? Não acredito que Vettel vá agredir fiscais de pista, pilotos e jornalista, muito menos, pegar mecânico de sua equipe pelo pescoço. Se for reparar, Vettel cometeu apenas uma “pixotada” de total responsabilidade sua(GP da BEL), na TUR leva 50% de culpa, os outros erros foram em menor escala e ele conseguiu ficar nos pontos o que foi importante para o campeonato(Webber se envolveu em acidente na AUS/TUR/EUR/CIN/KOR, mas na AUS,TUR e CIN deu sorte de continuar na prova), poucos levaram em conta que o jovem alemão teve azar em 2010, liderava fácil no BAH,AUS,KOR, mas teve problemas mecânicos! Fora o pneu furado na primeira volta na ING em um toque de corrida com Hamilton, na HUN também liderava quando foi atrapalhado pela equipe, foi orientado a manter distância do safet-car para ajudar Webber, acabou sendo punido e chegou em terceiro, o vencedor foi Webber. A tendência é que os pequenos erros de Vettel sumam com o tempo, sem a pressão de conquistar o título a tendência é cada vez melhorar mais! Sua força mental foi decisiva nas últimas 6 corridas, coisa que Lewis não teve em 2007 e 2010, ainda superou fácil Webber nessas provas, sobra talento e mostrou força mental na hora “H”. Campeão de fato e direito sem ajuda de jogo de equipe, jogando carro no adversário(89/90/94) ou sendo favorecido pelo regulamento(como aconteceu com Senna em 88, essas coisas o Galvão nunca se lembra). Quero ver o que vão inventar no futuro para minimizar os títulos desse(outro)alemão…que ele cometeu erros no ínico de carreira? Isso é até normal, ou não? Olhem a sexta temporada do Senna em 89(já campeão) com boa experiência e verá um campeão fazendo um monte de besteiras o ano todo. Em 2010 Vettel com apenas 3 temporadas completas bateu o melhor da atualidade, Alonso bicampeão, também bateu Button campeão em 09 e Lewis campeão em 08, ainda colocou no “bolso” um companheiro de equipe que deu muito trabalho o ano todo. Vettel deixou os invejosos com o COTOVELO ROXO, CHUPA GALVÃO!!!

    Curtir

    1. Boa análise Mac. Depois do Alonso o Seba é disparado o melhor piloto. A história do Eng. de pista dele não lhe dizer que estava sendo Campeão do Mundo foi crucial..ajudado na Supremacia da Red-Bull. Preferia que o Webber ganhasse porque acho que era a última oportunidade de um bom piloto e cara legal ser Campeão. Ao contrário do Schuma gosto desse tedesco..Depois do Ayrton não tenho nenhum piloto pelo qual torça “quase” de olhos fechados..prefiro que ganhe o Alonso mas aquela classe e super-rapidez pura do Beco ninguém mais vai ter..

      Abraço

      Curtir

  3. A única coisa que me deixou indgnado em 2010 foi a atitude do Rubinho no GP Brasil 2008! Eu explico, tinha até faixa de torcedor pedindo: “BATE NELE RUBINHO, que nós te perdoamos!!!” e nada aconteceu. Na última corrida em ABU nem foi preciso os alemães pedir que o Schumacher bateu, com isso acabou mudando o rumo da corrida com a entrada do safet-car, acabou ajudando Vettel na conquista do título! Estou indgnado…

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s