Bernie, o vendedor de carros

Esse é mais um trecho do especial Bernie Ecclestone, feito a 4 mãos com o Café com F1

Bernie nem sempre foi rico. Como vimos no post de ontem, até já calejou a mão em plantação. Mas sempre foi esperto. Sempre esteve à frente de seu tempo. Depois que a 2ª guerra acabou, ainda no final da adolescência, teve que se virar para fazer dinheiro. Não havia empregos formais, então lá foi o jovem Charles Bernard Ecclestone tentar a vida como vendedor de carros usados.

A vida em Londres no pós-guerra não permitia que ele trabalhasse numa loja, engravatado, nada disso. Participava de uma espécie de bolsa de valores, noite adentro. O sistema de compra e venda era especulação pura: alguém aparecia com um modelo e ele era leiloado.

Ecclestone, no entanto, não estava lá pelos carros, mas, sim, pelo dinheiro. Vendia um carro “em ótimo estado” que não existia e o comprava de volta, no final da noite, sempre por um preço bem mais em conta.

Os negócios são os mesmos do pós-guerra, só mudaram os parceiros

Nada mal para um garoto que deixou a escola aos 16 anos, prometendo a seu pai que voltaria para estudar química. “Comecei a vender coisas, então eu decidi que não queria estudar, queria ter meu próprio negócio. Não queria depender de ninguém. Queria cuidar do meu próprio destino.”

Depois dos carros, passou a vender partes de motos. Com o lucro, montou sua empresa, que se tornou uma das maiores do ramo de motos na Inglaterra. Foi o início da criação de um império, que fez de Ecclestone um dos homens mais ricos do país. Nada planejado, segundo ele. “Nunca tive intenção alguma de planejar nada. As coisas acontecem e eu tento fazer o máximo com o que está disponível. Provavelmente, este é um dom natural – um que muitas pessoas têm”, garante.

Amanhã veremos como a F1 entrou nessa história. Muita coisa mudou em sua vida dessa época de vendedor de carros até agora. Porém, a premissa segue a mesma: “Minha família não gasta muito dinheiro com coisas tolar. Vivemos numa ótima casa, mas não jogamos dinheiro fora. As meninas foram criadas para esperar até a liquidação, então podem voltar para casa orgulhosas de terem feito um bom negócio”.

6 comentários sobre “Bernie, o vendedor de carros

  1. é uma história de vida, a princípio, bela! concordo quando ele fala sobre a capacidade de fazer dinheiro! realmente há pessoas que possuem esta “facilidade”. não dá para saber as circunstâncias, as chances criadas, mas começar do nada, tem seus méritos. fico imaginando(rsrsrsrs), se as peças de moto, não seriam iportadas de alguma quadrilha de roubo aqui do brasil!!!(hehe) o auto controle e a visão fazem parte do mundo destes homens. Ju, você saberia dizer se ele dá tchau com a mão aberta?

    Curtir

    1. não sei de onde eram as peças, mas acho que eram requentadas, no mínimo…
      certamente ele mantém uma das mãos fechadas pra se certificar.
      tem uma história maluca que, quando ele já era dirigente, ia recolhendo o dinheiro da bilheteria com um saco de dinheiro. Os tempos poderiam ser outros, mas ele continua o mesmo.

      Curtir

      1. essa história da bilheteria tá parecendo capítulo das revistas do tio patinhas!!!!! hehehehe!!! uma coisa não podemos negar, há que se ter muita coragem para abandonar tudo aos 16, e fixar um objetivo tão distante! atualmente ele tem tido seus deslizes, mas em tempos remotos e difíceis, teve a atitude de um líder nato!

        Curtir

  2. você já viu o “hematoma publicitário” do tio bernie hoje? ao menos não podemos dizer que ele ganha dinheiro “apenas” em cima dos outros! rsrsrs…

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s