F1 na TV inglesa: Valorizando as pratas da casa

Mais um take das melhores entrevistas desse ano na BBC, agora mostrando como a emissora valoriza seus “craques”.

Um trecho dessa matéria até foi bastante divulgado no Brasil, com Hamilton e Button cantando Wonderwall. Foi ao ar antes do GP da Inglaterra, juntando a equipe da BBC, alguns radialistas e comediantes, num cenário bem britânico.

Ainda no GP da Inglaterra, presente e passado do automobilismo britânico são reunidos: Hamilton, Button e Murray Walker, narrador de F1 desde os anos 70, hoje aposentado (ainda faz alguns comentários na BBC). O dono do chavão “a não ser que esteja muito enganado”, foi capitão do exército britânico durante a 2ª Guerra Mundial e está envolvido no esporte desde o final do conflito.

Murray se junta a outra lenda do automobilismo britânico, Stirling Moss, para discutir sobre a temporada de 2010.

Terminando em clima mais leve, Jake Humphrey aproveita o lançamento do F1 2010 para divertir-se ao lado de Lewis e seu irmão, Nicholas. Vencer a qualquer custo parece mesmo ser a marca dos campeões…

11 comentários sobre “F1 na TV inglesa: Valorizando as pratas da casa

  1. Ju, realmente, é a excelência do profissionalismo! chegar à este nível acho difícil! a abordagem da estatal BBC, como vimos, preza pela qualidade, é fato! logicamente os caras não deixam de dar suporte de marketing aos seus pilotos,pois sabem que a boa imagem atrai espectadores! as coisas de alguma forma, ficam facilitadas pelo envolvimento da inglaterra no esporte, vide a quantidade de equipes que possuiu e possui, quanto a quantidade de pilotos, diga-se de passagem, muito bem explorados até hoje! uma dúvida: – por quê chamar fittipaldi em matérias, apenas para o gp brasil? o cara é uma lenda, um dicionário vivo! e o piquet? pode ter suas rusgas com a globo, mas, sua importância para o esporte é incomensurável!!! os caras poderiam ser mais “explorados”! só vale depois de morto? acho que as homenagens devem ser feitas com os caras vivos, depois, do que adianta? algo que me chamou muito a atenção, foi o “espiríto competitivo”, inerente aos fora de série!!! os caras não gostam de perder nem em brincadeira! como não se lembrar do saudoso senna, pu@#$%&*to quando perdia em brincadeiras de férias! realmente, vencer está na corrente sanguínea!

    Curtir

    1. F1 no Brasil é um gueto, um pequeno nicho, um “underground”.

      Na Inglaterra e outros países da Europa há uma verdadeira cultura em torno do assunto automobilismo. E no Brasil, apesar dos muitos títulos e êxitos isso quase não existe.

      Curtir

      1. concordo com você meu amigo Dé! pelo brasil ter conseguido tantos títulos, com tão poucos participantes, comparando-se com a inglaterra, por exemplo, era para ser muito mais valorizado! quando a gente vê o emerson ou o piquet na tela da tv? é raro!!! taí um nicho muito pouco explorado! onde estão os “caras” (globo) para saber sobre os segredos da f1? e olha que estes dois feras, conhecem muito! disanima!!!

        Curtir

    2. Como já disse num post anterior, eu converso frequentemente com diretores da Globo, alguns meus amigos, e segundo o que me dizem não há interesse em fazer investimento numa cobertura melhor porque não há audiência.

      É claro que mesmo sem muita grana dava pra melhorar, mas esse não é o objetivo da emissora, pelo menos até aparecer um piloto vencedor.

      Business, just business.

      Curtir

  2. A cobertura da BBC é realmente fantástica. Fora o programa pós GP, os comentário ainda na TV após a corrida são sempre imparciais. Além da transmissão pela TV, acontece após todos os GPs do ano, o Red Button, que vai ao ar ao vivo, mas pela internet, e só para usuários que estiverem no Reino Unido (sinto MUITA falta desses programas, já que a transmissão oficial da rede é fácil de baixar, já o red button… Até hoje não descobri um torrent pra isso), geralmente com os pilotos, chefes de equipe, os vencedores, ou os que tenha sido protagonista do momento “polêmico” ou “brilhante” da prova. Acho sensacional o time que possuem, incluindo a Lee, que entende MUITO do riscado, e que com perguntas sempre pertinentes construiu uma certa relação com os pilotos, que a dispõe prioridade. Compara-la com a Mariana Becker ou qualquer que seja o repórter na cobertura do GP, seria muita covardia.
    É importante que se diga, que profissionalismo não faz mal a ninguém, e que a imparcialidade do John e do Martin ao narrar a corrida devia servir de exemplo ao time Global, mas a BBC faz a cobertura com tamanha magnitude, pq vende. Não vende a poucos como faz a globo, nos organizamos nessa blogsfera pra falar sobre o esporte, mas o numero de FÃS da categoria no Brasil, aqueles que acompanham religiosamente todos os GPs é muito pequeno, muito mesmo. Na Grã Bretanha esse número é indecentemente grande. Quase totalidade. A cobertura é proporcional ao que os espectadores gostam de acompanhar, e existe na Inglaterra e países irmãos uma paixão absurda pelo esporte, sempre nos noticiários, e em lugar de destaque. Claro, a BBC é “desumana” com seus companheiros de broadcasting, já que o próprio Brundle diz preferir BBC a iTV, e cita que na BBC “até o homem do tempo comenta sobre as previsões para o local do grande prêmio”. E é verdade. O que eles têm pelo esporte é quase doentio. Mas é bonito. Pra cacilda.

    Curtir

    1. Ingryd, mas você não acha que no caso brasileiro, que está neste marasmo, o ideal, não seria oferecer um pouco (apenas) mais de explicação sobre os bastidores, pequenos quadros, para talvez, trazer um público maior, pois, o que parece é que as pessoas não veem por não entender do assunto! justamente, pela abordagem muito superficial! o quê você acha?

      Curtir

      1. Sim, você tem certa razão. O que acontece, no fim do dia, é um ciclo vicioso. Talvez o brasileiro não se interesse tanto pois não há cobertura especializada, e não existe cobertura especializada pois não há número suficiente de pessoas ou fãs interessados. Como disse o Dé Palmeira, no Brasil os que gostam da F1 são poucos, mesmo com os vários títulos, são poucos. Há no momento, uma nova onda de interesse pelo esporte, é verdade, mas é tão superficial como a cobertura oficial brasileira. E não acredito que seja apenas por isso, quem gosta corre atrás, como fazemos. É desinteresse, e não há “culpa”, gosta-se mais de futebol aqui, como se gosta mais de basquete na américa do norte, e de F1 na Inglaterra. Preferências. A Globo peca sim, em ser extremamente parcial, o que de fato irrita, mas a falta de audiência não é apenas culpa disso. Não essa a unica explicação para a audiência paupérrima no último GP do Brasil. Muitos brasileiros não entendem de futebol, poucos sabem no fim o que é impedimento, raros acompanham todos os jogos de um campeonato, ainda assim, a cobertura é imensa.

        Curtir

      2. O ponto que queria chegar é este: com pequenos ajustes (usando a estrutura atual e as imagens que eles já compram da transmissão) é possível fazer um conteúdo melhor, que certamente vai provocar um aumento do interesse. Para quem assiste o Globo Esporte de SP: qual o ganho que a simples mudança de roupagem, tornando o programa mais leve e descompromissado, sob a batuta do Leifert, deu ao programa, que andava num marasmo total? A impressão é que falta vontade, não audiência.
        Ingryd, falarei sobre o Forum, que você mencionou, no final de semana que vem. Consigo baixar facilmente no formulamonkey.com. Dá uma olhada lá.

        Curtir

  3. Obrigada pela dica, Julianne!! Baixarei todos os red button dessa temporada se conseguir. Foi, junto com a F1Racing, uma das coisas que me fizeram mais falta. A F1 eu resolvi, mas sou um tanto quanto analfabeta para assuntos de web e informatica no fim das contas, e se não é um amigo pra me mandar os torrents dos programas, eu só teria achado um ou dois. hehehe
    Mas eu entendo o seu ponto. Não há interesse da Globo em melhorar a qualidade de sua cobertura, é fato. Diria que antes de evoluirem na roupagem, deviam certamente repensar a forma de trasmitir o conteudo, procurando o fazer de forma imparcial. No fim do dia, o que mais me irrita na cobertura do Galvão e cia, não é nem tanto o conteúdo esparso, mas o ufanismo e parcialidade que beiram o absurdo.
    Obrigada pela dica, mais uma vez!

    Curtir

      1. A revista um amigo me manda algumas edições por correio. Não todas, mas consigo pelo menos um pouco de conteúdo. A F1Racing eu nunca nem tentei achar na web, me disseram que era impossivel, eu acreditei e deixei pra lá. hahaha
        Mas se por acaso vier a saber de algo, eu deixo pra vc por aqui!
        bjo

        Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s