GP da Turquia em dados: tempo de perda nos boxes

Piloto Perda total Nº de pits
D’Ambrosio 47.616 2
Sutil 1:03.739 3
Button 1:05.424 3
Buemi 1:05.929 3
Barrichello 1:07.272 3
Kovalainen 1:07.601 3
Kobayashi 1:07.731 3
Trulli 1:08.147 3
Karthikeyan 1:16.789 3
Vettel 1:21.609 4
Maldonado 1:22.188* 4
Di Resta 1:23.995 4
Webber 1:24.401 4
Rosberg 1:24.757 4
Alonso 1:26.121 4
Petrov 1:26.245 4
Heidfeld 1:26.975 4
Alguersuari 1:28.456 4
Schumacher 1:32.065 4
Massa 1:33.500 4
Perez 1:36.245 4
Hamilton 1:39.637 4
Liuzzi 2:29.973 4

*3 trocas de pneus + drive through

Vettel não apenas foi o mais rápido na pista, mas também contou com o melhor trabalho de box. Entre os que pararam quatro vezes, ele foi imbatível. Para quem pensa que são apenas alguns segundos pouco importantes, vale lembrar que a diferença na pista, por exemplo, entre Webber e Alonso foi de 1s2 ao final da prova em favor do australiano – e de 1s7 no box.

Outro problema se ter uma parada ruim é voltar no meio de um bolo de pilotos. Mas menos que num passado recente, já que as equipes não mais esperam abrir um espaço para que seu piloto volte com pista livre, pois é a degradação e a reação às paradas dos rivais que dita as decisões. Portanto, voltar ou não no tráfego hoje trata-se mais de uma questão de sorte.

Um destaque das perdas totais é a Force India, a melhor entre os que pararam 3 vezes – o erro no segundo pit de Button certamente não ajudou o inglês – e a segunda melhor no grupo das 4 paradas.

4 comentários sobre “GP da Turquia em dados: tempo de perda nos boxes

  1. Esses números são reveladores. Impressiona a diferença não apenas do carro em si, mas da qualidade dos mecãnicos. Vettel, o melhor em tudo, parando o mesmo que Liuzzi, foi quase 100% mais rápido! A pista importa, mas fora tbm. A fase de Vettel é tão boa, que além do ótimo carro, me parece que a entrada e a saída do alemão beiram a perfeição. Sintonia fina! Ju, vc disse algo mt, mt importante: “… voltar ou não no tráfego hj trata-se mais de uma questão de sorte.” Nesse caso, cairemos em sua fala, sobre, atualmente, a necessidade crucial de se negociar as ultrapassagens mt rapidamente, como Hamilton faz, por exemplo. Vimos na Turquia, Massa “comboiando” Hamilton, o que não é bom. Para não se ter a falta de sorte de voltar no meio do pelotão, faz-se necessário atacar fortemente, com o intúito de se abrir a maior diferença possível, já que os Pirelli não aceitam postergação.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s