Porque Massa olha ao redor e fica onde está?

A dupla Alonso/Massa deve ficar por pelo menos 3 anos junta

A renovação do contrato de Fernando Alonso com a Ferrari até o final de 2016 está longe de revolucionar a situação de Felipe Massa na equipe. Afinal, as declarações de amor entre o espanhol e equipe já apontavam para esta direção há algum tempo.

Mas o anúncio é mais um daqueles indicativos do lugar que o brasileiro ocupa dentro do time. Enquanto seus contratos são negociados no máximo de dois em dois anos, mesmo que sejam renovados há seis – ao final de seu acordo atual, chegará aos mesmos sete anos de Ferrari que Alonso completará em 2016 – seu companheiro, em um ano de casa, ganha tranquilidade para mais cinco temporadas.

A diferença de tratamento fora das pistas é clara. Tão clara, convenhamos, quanto as discrepâncias no rendimento de ambos nestes 23 GPs de parceria: 16 a sete em posições de corrida, (cinco a 0 nas vitórias e 11 a cinco nos pódios) e 19 a quatro nas classificações (diferença média de 0s333).

É óbvio que o grande entrave no sucesso de Massa é a concorrência. O Alonso que hoje está perto dos 30 não é só um grande piloto. Não é o mesmo que, aos 26 e com dois títulos nas costas, jogou tudo para o alto quando não se sentiu valorizado na McLaren. Mesmo tachado de mau perdedor, assumiu junto da equipe o erro que lhe tirou o campeonato em 2010.

É lógico que o amor de Alonso tem a ver com o fato da Ferrari ser um dos dois grandes vencedores da categoria – com o agravante da outra porta, a McLaren, estar lacrada para ele. Não dá para prever o que acontecerá com a lua de mel se a Scuderia entrar em outra fase como os 21 anos sem títulos de pilotos de 1979 a 2000. E esse é o segundo problema de Massa.

Se o objetivo do brasileiro é ser campeão, para que insistir num time que, há três anos, limitou-se a correr atrás – com competência em 2010, é verdade – da concorrência?

É aí que o longo contrato de Alonso e a permanência de Massa se cruzam. A Ferrari pode não ser a mesma que dominou a categoria de 2000 a 2004 e fez bons carros em 2007 e 2008, mas ainda tem recursos para, por exemplo, alugar por um mês o equipamento da ex-Toyota para recalibrar seu túnel de vento. Fora isso, há McLaren – que ganhou um título de pilotos nos últimos 11 anos – e Red Bull. Em ambas as equipes há um entrave do tamanho de Alonso, só muda o piloto.

A Renault também não é uma opção para vencer já em 2012. Massa tem 30 anos, não pode ignorar o tempo, como Barrichello percebeu ao sair da Ferrari em troca da felicidade. Dá para entender porque Felipe até olhe ao redor, mas fique onde está.

Coluna publicada no Jornal Correio Popular

5 comentários sobre “Porque Massa olha ao redor e fica onde está?

  1. É, Massa não tem opções interessantes hoje, mas sua imagem vai sofrer uns arranhões se continuar a bater cabeça pro espanhol.

    Pode ser que ele esteja se lixando, mas se além disso ele desistiu de lutar por vitórias e, quem sabe, a disputa por um título…

    Ainda corre o risco de ser mandado embora sem “aviso prévio”, assim como Kimi.

    Curtir

  2. Ju,

    Antes de tudo, parabéns pela nova casa. O TotalRace tem muito a ganhar com sua presença por aqui!

    Sobre o longo contrato do Alonso, nada mais é do que uma tentativa de reviver os tempos vencedores de Schumacher. Mas pelo menos até o momento, não deu para perceber se está sendo construído uma equipe vencedora em torno de Alonso.

    Parece haver uma limitação grave no corpo técnico desde a saída de Rory Birne e mesmo a direção apoiada em Domenicalli, parece não ter a mesma força exercida pela dupla Todt e Ross Brawn na época de Schumacher.

    Então um contrato longo pode ser uma faca de dois gumes para Alonso, pois os carros vencedores estão na garagem da RBR e Newey não parece nada disposto a sair de lá. E o pior, não se vê no mercado nenhum projetista capaz de rivalizar com o mago da RBR.

    As novas regras de 2013 são uma grande oportunidade para Newey se destacar novamente. Será que a Ferrari conseguirá encontrar um atalho para as vitórias?

    Provavelmente, Alonso deve ter incluído uma cláusula para se proteger caso a Ferrari não lhe entregue um carro vencedor.

    Para Massa, só lhe resta concentrar no próprio trabalho e obter o melhor resultado possível que as circunstâncias lhe permitirem.

    Se seus resultados não evoluírem a ponto de pelo menos ficar próximo ao Alonso, ele estará fadado definitivamente a repetir o papel de escudeiro protagonizado por Barrichello, pois esse é o estilo da Ferrari.

    Curtir

  3. Para mim é inadmissível que um piloto aceite ser desmoralizado como Massa foi pela Ferrari ano passado.

    Massa tem experiência e currículo para tentar a Renault onde seria primeiro piloto, ou a RedBull, onde pelo menos teria alguma chance de vitória quando Vettel estivesse fora.

    Ficar na Ferrari é admitir que já não pensa como um piloto e sim em garantir um salário no final do mês.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s