Sebastian Vettel: pegue-me se for capaz

Pontos 234 (1º)
Vitórias 6
Pódios 10
Abandonos 0
Posição média de largada 1,3
Posição média de chegada 1,6
Porcentagem de pontos da equipe 61%

Ponto alto: Aguentou a pressão com pneus com 20 voltas a mais de vida para bater Alonso e Button em Mônaco

Ponto baixo: uma performance apática no final de semana na Alemanha marcou a interrupção de sequências na primeira fila (14 GPs) e no pódio (11 GPs)

Que diferença um ano faz! No campeonato de mais erros que de acertos de 2010, muita gente questionava o que pilotos como Lewis Hamilton e Fernando Alonso teriam feito com um RB6 na mão, enquanto Vettel e Webber permitiam que os rivais se aproveitassem de suas fraquezas para complicar uma disputa que, no papel, deveria ser fácil. Eis a resposta: domínio absoluto e uma fatura praticamente liquidada com oito etapas para o final.

Nada de toques com o companheiro – lição essa aprendida tanto pelo piloto, quanto pela equipe, vide as voltas finais de Silverstone – nada de falta de confiabilidade. Até as férias de agosto do ano passado, Vettel havia perdido ao menos 41 pontos por um abandono e as oportunidades em que teve de diminuir o ritmo por problemas no carro (Bahrein, Espanha e Canadá). Hoje, goza de um carro que foi o único a completar 100% das voltas até aqui.

O piloto que domina com o melhor carro sempre gera desconfiança, como se não houvesse mérito em ser sempre perfeito nas classificações e dosar carro e pneu de maneira a superar todos a cada corrida. Que o diga Schumacher, questionado após sete títulos.

Mas é inegável a discrepância de performance de Vettel em relação a Webber, algo que se esperava desde 2009, mas que tomou forma na segunda metade de 2010. Perfeito nas classificações, impecável nas largadas, o alemão cresceu em vários sentidos de um ano para cá.

Tendo isso em vista, resolvi calcular um campeonato imaginário desde o início da virada do ex-crash kid, como diria Martin Whitmarsh, no GP de Cingapura de 2010, até agora: Vettel teria 327, contra 231 de Alonso, 204 de Hamilton e Webber e 183 de Button…

A única questão que teima em pairar é em relação a seu racecraft. As duas falhas de Vettel no ano aconteceram nas poucas vezes em que o alemão foi testado na pista. E, quando perdeu posições, como na Inglaterra, Alemanha e Hungria, não mostrou aquele “algo mais” dos grandes. Questão de tempo? Cautela em virtude da liderança? Aos 24 anos e apoiadíssimo por uma equipe que não dá sinais de perder o gás, não faltarão oportunidades para o virtual bicampeão mais jovem da história responder.

O fato é que podemos esperar muito de Vettel nesta segunda metade. Ele faz mais o estilo fominha de Schumacher do que daqueles que correm “com o regulamento debaixo do braço”. Quer vencer, sabe que tem carro para isso – e que encontrou o caminho.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s