Por que dizer que os testes não dão muitas pistas não é conversa para boi dormir

Isso é fato: foi divertido ver Raikkonen se divertindo em Jerez

Muita gente não entende quando se fala que uma equipe está escondendo o jogo durante um teste de pré-temporada ou, ao contrário, jogando para a torcida e, de qualquer forma, mascarando o real potencial do carro. Os ingleses têm até seus curiosos termos para isso, os sandbaggings de um lado e os glory runs do outro. Não seria um tiro no pé pensar apenas no que os rivais acreditam que você pode fazer? Na verdade, a história não é bem essa.

A grande dificuldade em se tirar qualquer conclusão dos testes é o fato de que o cronômetro, ou seja, o que basicamente temos à disposição para tentar entender o que está acontecendo, diz algo que depende de uma série de circunstâncias que não controlamos. Ao contrário das equipes.

Posso dizer que a melhor volta (uma glory run?) de Alonso foi marcada em um stint de seis voltas e com o pneu macio, e mesmo assim foi mais de quatro décimos mais lenta que Romain Grosjean, de médios. Por outro lado, a pista estava bem fria – menos de 2ºC, quando o espanhol fez sua marca. Mas o que isso nos diz? Que, uma vez que a Pirelli espera uma diferença entre 6 e 8 décimos, a Ferrari está a mais de um segundo até da Lotus?

É aí que entram todos os contextos. O primeiro e mais importante neste momento é saber que estes carros que estiveram na pista em Jerez pouco se parecerão com os que alinharão no grid em Melbourne em 18 de março. O momento é de testar se tudo o que foi pensado no CFD e testado no túnel de vento funciona. Depois, entender como funciona. E, em seguida, descobrir qual o caminho para melhorar. “Empacar” em qualquer uma destas fases trará prejuízos, provavelmente, até maio, antes dos grandes updates da fase europeia do campeonato.

Dependendo da complexidade do projeto e da experiência da equipe com o tipo de solução encontrada, é possível ir mais rapidamente para os trabalhos de acerto que, neste momento em que os carros estão “crus”, faz uma boa diferença. Há de se confirmar, a calibração dos dados de túnel de vento, uma vez que os moldes de pneus mudaram após a “amaciada geral” promovida pela Pirelli.

Seguuura, Alonso

Mas é claro que a máxima “não estamos olhando no cronômetro” pode, tanto esconder um carro vencedor, quanto uma bomba. E é aí que entram os tais sandbaggings e glory runs. O primeiro não significa “treinar com o freio de mão puxado”, mas sim tirar o pé em uma reta, fazer um setor ruim, mas em um determinado momento, que seja em uma somatória de setores, todas as equipes terão de ver o quão rápido seus carros podem ir, o quão bem lidam com pneus em stints de todos os jeitos, o quanto de combustível comportam, entre outros testes. São maneiras de não deixar óbvio seu ritmo para o grande público, mas é difícil não se mostrar para os rivais.

Por outro lado, há quem precise, para livrar-se de pressão ou impressionar patrocinadores, comandar a tabela de tempos. Mas uma saída milagrosa pode ter o efeito em quem apenas compara as marcas finais das sessões, mas não em que as acompanha de perto.

Uma boa maneira de entender a ordem do grid é observar o comportamento dos carros. E por isso ninguém que esteve em Jerez duvida que o RB8 nasceu bem, assim como o MP4-27 parece bem no chão. Mas, em se tratando de evoluções de ótimos carros, seria difícil que não fosse esse o caso.

A Ferrari se sentiu na obrigação de reinventar a roda e tem um longo caminho pela frente. Não coincidentemente, quem esteve na Espanha testemunhou que o F2012 foi o que mais evoluiu durante os quatro dias. E, fica a dica, esta evolução no handling é algo para se ficar de olho, mais até do que tempos de volta.

Se alguma coisa realmente fica deste primeiro teste é a confiabilidade dos carros. Talvez Sauber e Williams – que, mesmo andando bastante, causou algumas bandeiras vermelhas – tiveram mais problemas, foram vazamentos, falhas simples e comuns a “recém-nascidos”. E até aqui o contexto é importante: equipes com muito a testar geralmente ficam mais tempo nos boxes, porque ainda não compreendem sequer como efetuar troca de componentes com a rapidez costumeira da temporada – Rubens Barrichello explicou ano passado, inclusive, que um dos problemas da Williams era ter peças tão complicadas que qualquer mudança no carro levava tempo demais. Ou seja, quando vemos um número baixo de voltas de determinado time, isso não quer dizer necessariamente que houve problemas graves.

Agora, se a equipe que ficou nos boxes hoje e/ou o carro difícil de segurar de hoje forem os mesmos de amanhã, podem tirar o combustível todo, colocar o pneu mais macio que existe, ir para a pista quando as condições estiverem perfeitas, que não vão enganar ninguém: é bomba.

16 comentários sobre “Por que dizer que os testes não dão muitas pistas não é conversa para boi dormir

  1. Julianne,

    E sobre a nova especificação dos pneus Pirelli?

    Deu para tirar alguma conclusão? São mais duráveis? Permitem stints mais longos? A diferença de tempo entre os tipos de pneus é menor? Teremos novas estratégias de corrida…

    Abs.

    Curtir

    1. Oi Ricardo,

      Estou esperando ter mais dados para falar sobre o assunto. Quando eles começarem a fazer simulações já com os carros devidamente compreendidos e acertados ficará mais fácil entender os novos pneus.

      Curtir

  2. Kkkkkk, Ju, o final do seu post foi nebuloso, rsrsrsrs! Afinal, foi uma premonição de carro mal nascido da Ferrari, ou uma quase certeza, rsrsrs.

    Curtir

    1. “Não coincidentemente, quem esteve na Espanha testemunhou que o F2012 foi o que mais evoluiu durante os quatro dias.”

      wagner, a julianne escreveu justamente o contrário do que vc entendeu. o F2012 é um carro que evoluiu. não sei se dá para afirmar que é um carro vencedor, mas pelo que vimos, afirmar que é uma bomba agora é concluir algo sem fundamento.

      abraços.

      Curtir

  3. Olha… Completamente diferente até das avaliações dos próprios pilotos. Segundo eles, a ferrari foi a que menos evoluiu… E os grandes problemas da willians foram panes secas.

    Curtir

    1. “Eu e o Felipe mudamos o carro em quatro dias de branco para preto”, afirmou Fernando Alonso. “Vamos chegar para o teste de Barcelona, em 21 de fevereiro, com ideias muito mais claras.”
      Panes secas são comuns nessa fase e não denotam problemas, mas sim são resultados de testes de consumo de combustível x capacidade do tanque, principalmente em se tratando de uma equipe que acabou de mudar de motor.

      Curtir

      1. Por isso falei… A willians não teve grandes problemas.. teve apenas testes. Mudar o carro não significa dizer que evoluiu, apenas significa, nas palavras do alonso, que eles testaram tudo que tinham pra testar, mudaram tudo. E sinto muito, eu sei que a torcida é grande, mais a ferrari não saiu do lugar em jerez. Pode ser que na espanha mude, mas em jerez………………………….

        Curtir

      2. cara, acho que vc está confundindo “estar atrás” com “sair do lugar”. sair do lugar a ferrari saiu. mas os tempos não impressionaram. é bem diferente.

        Curtir

    2. tem fontes dessas declarações dos pilotos de que a ferrari foi a que menos evoluiu?

      se pegarmos os tempos, dá para perceber evolução sim. mas, de novo, tempos não são conclusivos. ontem alonso disse que está feliz porque as mudanças que eles aplicam no carro tem o resultado que esperam, ou seja, o carro não se comporta de modo aleatório, o que seria um dos piores sinais.

      a red bull e a mclaren mostraram tempos sólidos e direções seguras nos testes, mas os carros deles eram continuação de uma filosofia. a ferrari está começando um conceito com o que eles não estavam acostumados. vamos ver se eles conseguem se adaptar rapidamente.

      Curtir

      1. Lewis hamilton foi um dos que disse “A renault parece bem, a red bull parece forte e a ferrari não evoluiu tanto assim”

        Curtir

      2. Declarações do Hamilton foram essas (seria difícil ele falar que uma equipe que não existe mais está bem, não?)

        “Today you’ve got to remember that everyone is just focusing on their own programmes. It’s not a contest for who’s the fastest at the moment. We’re just trying to get lots of running, testing the items. The Ferrari’s not really showing anything just yet; of course, the Red Bull looks fast – as it usually does – and we’re there I think. But over the coming weeks we’ll get a better indication of where everyone is.”

        Curtir

  4. Mais do que isso. Massa declarando que o carro precisa de muito trabalho, e alonso indo mais longe, dizendo que não estão aonde pensavam que estariam.
    Mas claro que isso não quer dizer nada, ano passado a McLaren era uma bomba e trouxe um carro quase totalmente novo pra primeira corrida, fazendo pódio.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s