F-1 começa ano especial com seus seis campeões

O encontro inédito de seis campeões mundiais em uma única temporada diz muito sobre o atual momento da Fórmula 1. Após os anos de domínio absoluto de Schumacher, de 2000 a 2004, os dois títulos seguidos de Alonso, nas temporadas seguintes, deram a impressão de que uma nova dinastia se iniciava. No entanto, a partir daí, tivemos não apenas 4 campeões diferentes, como também vindos de equipes distintas.

Depois do último título do espanhol, de Renault, Raikkonen ganhou pela Ferrari, Hamilton pela McLaren, Button pela Brawn e Vettel de Red Bull. Isso indica que as constantes mudanças de regras pela qual o esporte passou a partir de 2005, se não serviram para aumentar a emoção nas corridas na proporção esperada até o ano passado, ao menos chacoalharam o equilíbrio de forças entre as equipes. Quem imaginaria que Ferrari e McLaren, que haviam dominado os mundiais de 2007 e 2008, estariam tão longe da Brawn, nascida das cinzas da “ex-lanterna” Honda, no ano seguinte?

É claro que, por este mesmo motivo, não se pode esperar uma nova revolução em 2012, já que as regras vêm se mantendo relativamente estáveis. Antes das mudanças acertadas para 2014, é muito provável que a atual relação de forças, com Red Bull à frente após se adaptar melhor às alterações de 2009, se mantenha. E isso abriria um precedente para uma nova dinastia alemã, pelo menos para as próximas duas temporadas.

O material humano também não pode ser menosprezado. Além de um Schumacher já consagrado, dá para imaginar, daqui 20, 30 anos, listas dos grandes pilotos de todos os tempos com alguns dos astros de hoje. E essa boa safra de pilotos também não é coincidência. O período anterior ao domínio de Schumacher marcou, não somente um continuísmo nas regras, como também a decadência de alguns campeonatos de F3 e, principalmente, da F3000.

A partir de 2005, com o nascimento da GP2, além de uma F3 Euroseries forte – hoje superada pela World Series –, começaram a pipocar nomes como Nico Rosberg, Lewis Hamilton, Robert Kubica, Sebastian Vettel, entre outros. Bem preparados e aportados por grandes empresas (Mercedes, McLaren, Renault/BMW, Red Bull), esses pilotos não demoraram para dar conta do recado na categoria máxima do automobilismo.

Com a exceção de Vettel e talvez de Alonso, que há dois anos vem fazendo o que pode a bordo de uma Ferrari apenas com lapsos de competitividade, os demais campeões chegam em 2012 com algo a provar. Schumacher, dois anos após o retorno, já não tem faz tempo a desculpa da readaptação para levar tempo de Rosberg. Raikkonen certamente passará o ano todo respondendo sobre seu comprometimento, colocado em dúvida após o título de 2007. Button, após um 2011 irrepreensível, precisa provar que anda na frente de Hamilton mesmo sem contar com os erros do companheiro que, por sua vez, é o mais pressionado de todos: de gênio a trapalhão, Lewis passou por tudo em seus cinco anos de F-1 e vive o desafio de colocar sua vida profissional e particular nos (mesmos) trilhos para voltar à consistência impressionante de seu ano de estreia.

A boa notícia é que não se trata de um momento de transição entre duas gerações. Excetuando-se Schumacher, que tem, a princípio, mais este ano de contrato, essa é uma turma que deve lutar por campeonatos pelo menos pelos próximos 5 ou 6 anos – no caso de Button, Alonso e Raikkonen – e 10 anos – Vettel e Hamilton.

Mas quem levará a melhor? Como pensar na Mercedes de Schumacher lutando pelo título após ficar longe até dos pódios em 2011 parece um exagero, dá para limitar as apostas a três: ao final do ano, teremos mais um tricampeão, outro bi ou aumentaremos ainda mais o recorde de campeões no grid?

6 comentários sobre “F-1 começa ano especial com seus seis campeões

  1. Ju, posso estar redondamente enganado, mas acho que essa grande competitividade dos pilotos, pode vir a favorecer quem tem o melhor carro, afinal por serem mt competitivos, esses caras sempre estarão roubando pontos uns dos outros, e aí, quem tem o melhor equipamento, pode se dar melhor, veremos, afinal corridas são corridas…

    Curtir

  2. Julianne,
    A meu ver, os próximos 10 anos serão divididos estatisticamente em títulos apenas entre Hamilton, Vettel e Alonso.
    Eventualmente poderia haver uma zebra tipo Button/Brawn. Se ela ocorrer, mas acho difícil, o nome mais provável será o velocíssimo Sérgio Perez, em um carro de ponta, daqui a alguns anos.

    Curtir

    1. Daqui a alguns anos? Acho que já pode ser ano que vem a bordo de um carro vermelho com o número 6…….mas na verdade…não se pode dizer que o carro vermelho do cavalo seja de “ponta” no momento…

      Eu como torcedor de pilotos brasileiros, ver o q aconteceu em 2010 (ainda mais vendo aquela foto do vettel, webber, button, hamilton e alonso, faltando apenas 1 membro de macacão vermelho) machuca…

      Queria que seu post tivesse um piloto brasileiro…mas só fica a esperança do seu comentário final…”ou aumentaremos ainda mais o recorde de campeões no grid?”

      Curtir

  3. No fundo, eu acho que nossas esperanças para esta temporada ser emocionante se resumem a duas palavras: “Lewis” e “Hamilton”. Raciocinemos: com a Ferrari atolada no pântano, duvido que Mercedes ou Lotus tenham cacife para enfrentar a Red Bull. Por mais gente fina e bom piloto que Jenson seja, sabemos que não é do nível do Vettel. Sendo assim, que o filho do velho Anthony Hamilton esteja inspirado e afiado, para termos um 2012 eletrizante, VET vs. HAM. Se rolar, vcs leram primeiro aqui hehehe

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s