Placar entre companheiros após o GP da Austrália e a promessa de que teremos um campeonato

*Apenas são computados placares quando os dois pilotos completaram a prova

O Safety Car mascarou algumas diferenças, mas dá para arriscar que as mudanças de regras deram um bom passo para cumprir seu objetivo: parece que teremos um campeonato. Escrevendo quase às 10h da manhã, trabalhando direto desde o início da corrida, fico com um número que chamou a atenção, mais pela curiosidade, claro, uma vez que foi consequência da inconsequência de Maldonado que, talvez fosse mais experiente, se conformaria em somar mais pontos em uma prova do que a Williams conquistou por todo o campeonato de 2011: do sexto ao 11º colocado, apenas 2s8 , sendo que três destes pilotos ficaram separados por dois décimos.

E ainda não vimos tudo. A Mercedes ficou sem saber por que o ritmo de corrida não acompanhou a classificação, algo que não aparecera nos testes, embora fosse uma característica marcante do carro do ano passado. E o sétimo lugar de Kimi Raikkonen – diferentemente de Perez, com a mesma estratégia dos demais – deixou uma pulga atrás da orelha a respeito da real posição da Lotus.

Na Ferrari, como era de se esperar devido aos desequilíbrios do carro, Alonso imprimiu seu ritmo implacável, enquanto Massa não encontrava a aderência. Ainda assim, o espanhol terminou a mais de 20s de Button, mesmo com um Safety Car a 16 voltas do fim. Com as diferenças apertadas no meio do pelotão,  o ritmo de desenvolvimento de cada equipe será ainda mais decisivo do que de costume.

Enquanto as grandes tropeçam, a Sauber triunfa e a Williams renasce. Uma pena que a história mostre que as surpresas ficam mais guardadas para as primeiras provas, antes das gigantes da ponta trazerem peças novas aos montes a cada etapa.

E, para quem duvidava das alternativas que os pneus Pirelli com menor diferença trariam, a corrida foi até mais movimentada do que ano passado – ainda que o GP australiano de 2011 não tenha exatamente ficado na memória. Um campeonato disputado como o de 2010, com as ótimas corridas de 2011? Talvez não seja pedir muito.

23 comentários sobre “Placar entre companheiros após o GP da Austrália e a promessa de que teremos um campeonato

  1. Mas heim??? Então um muito bom 5o lugar para o Alonso não significa nada porque o companheiro fez uma corrida pífia, patética???

    Assim fica fácil, é capaz do Alonso ser terceiro, ou quarto colocado no mundial e terminar 0x0 contra o Felipe Massa. ahahhahahaha.

    É cada coisa estranha que inventam. Aliás, é cada ideia de zéroela que dá pena.

    Patético este placar ai, simplesmente patético.

    Curtir

  2. Julianne, todos estamos muito sonolentos e pouco produtivos apos a excelente madrugada, com essa corrida fantastica. Porem, acredito que houve falhas ai no placar de corrida. O Alonso por exemplo pontou com um 5 lugar e o Massa n concluiu a prova. N era para o placar ficar em 1×0 para o Alonso n? Alias, o que explica a diferença de desempenho entre os dois carros da Ferrari?? É notavel que o Alonso lida melhor com o desgaste de pneus do que o Massa, mas a diferença de balanceamento dos carros era gigante. O Massa n tem o direito de copiar o acerto do Alonso para tentar ser um pouco menos pior? Abraços e parabens pelas analises e materias!

    Curtir

    1. Em linhas gerais, a tendência é que, quanto menos equilibrado o carro, maior será a diferença entre o piloto bom e o fora de série. Vide o que aconteceu na Ferrari em 2004 (com um supercarro) e 2005 (com um projeto falho). Mas vou dar uma olhada nos dados para tentar ver se é só isso.
      Sobre o setup, eles têm estilos diferentes, então não vejo como a cópia beneficiaria Massa. Ele tem de encontrar seu caminho.

      Curtir

  3. Julianne,

    Não vou ser estúpido com o cara acima…porém acho que independente de completar ou não a prova…o placar deve ser computado…se os dois não completarem, ai sim não contar nada…

    É injustiça com Alonso, Rosberg, Raikkonen e Di resta…pq esse 0 a 0 praticamente “iguala” ao placar da Hispania que nem se quer correu…

    Curtir

    1. Quem acompanha o blog há mais tempo sabe que esse não é exatamente o padrão que utilizo. Em breve teremos uma arte que contemple todas as informações necessárias.
      Há problemas tanto em não contabilizar os abandonos, quanto em fazê-los. Afinal, há Alonso, por um lado, que destroçou Massa, e Schumacher, que muito provavelmente terminaria à frente de Rosberg e não pode ser culpado por seu abandono. Mas é um julgamento de valor que não posso fazer. Por isso passei a computar dessa maneira que o link mostra, destacando os abandonos de cada. Espero que possa fazer isso em nossa nova tabela já para a próxima etapa.

      Curtir

      1. Legal debater esse assunto Julianne….acho q seu critério por ser adotado já a algum tempo pode sofrer alterações a partir de “brechas” encontradas…como nesse caso…onde vimos q alguns pilotos venceram seus companheiros mas não ganharam pto na sua avaliação…mas tenho q admitir a situação do rosberg….então é pensarmos em critérios q deixem a competição justa…afinal até a FIA faz isso para deixar a F1 melhor…

        Curtir

    2. Não adianta argumentar, continua patético este placar, como se vê, é “injusto” um piloto destroçar o companheiro que sem mais nada para fazer lá atrás, abandona por não ter mais condições de chegar aos pontos.

      Se eu fosse dono de equipe, utilizaria esta análise subjetiva para manter ou não um piloto empregado. Analisaria a corrida, classificação etc.

      Mas como somos apenas analistas de botequim… veja só a argumentação da Julianne… “e Schumacher, que muito provavelmente terminaria à frente de Rosberg”

      Ué… virou vidente agora? Ninguém poderia afirmar isso, o Schumacher poderia ter um problema de consumo excessivo de pneus como o Massa e cair lá para trás, poderia cometer algum erro, se enroscar com o Maldonado, qualquer coisa.

      Desisto !!!

      Curtir

  4. Salve Julianne,

    Desde de 2010 que escuto e leio de especialista e leigos que o Hamilton irá massacrar o Button na McLaren…. Parece que não será em 2012. Nas classificações há uma certa vantagem para o Lewis, mas com pouca influência nas corridas.

    E na corrida de hoje, não choveu, o Hamilton não errou… mas que surpresa o Button venceu!!!

    Abraço!

    Curtir

    1. Já abordei esse tema antes, de forma detalhada. De fato, ano passado, Hamilton foi melhor que Button em diversas etapas em que acabou batendo.
      No entanto, algo que vai ficando cada vez mais claro é que o estilo de Hamilton e as regras atuais não combinam, e ele não tem conseguido se adaptar. O fim do reabastecimento e os pneus menos duráveis exigem uma leitura melhor da corrida, e ele tem falhado nisso, ao passo que o Button sempre foi um piloto que usou mais a cabeça.
      Tenho tido também uma impressão sobre ele que não me agrada. Vejo-o mais feliz na companhia de Lenny Kravitz do que fazendo uma pole, mais empolgado falando da amizade com a Queen Latifah do que sobre o rendimento do carro. Para o bem do campeonato e do show, seria uma boa tê-lo de volta.

      Curtir

      1. Julianne,

        Já comecei a ver, em sites ingleses, comentários de internautas reclamando que a McLaren já está priorizando toda a sua atenção para Button este ano. Mesmo considerando a tradição de igualdade com que a equipe trata seus pilotos, penso que não deixam de ter razão, levando em conta que o contrato de Hamilton termina em 2012 e que ele, como bicampeão, teria um valor de mercado maior na hora da renovação. Teria ainda a liberdade de escolher para onde ir. Acresça-se a isso o fato de Button estar realmente dirigindo “o fino” e Lewis não vir bem ultimamente. Uma pena, pois considero que Hamilton compõe com Vettel e Alonso um trio excepcional. A meu ver, é muito difícil apontar qual o melhor entre esses três e isso dependerá muito das características que cada aficionado valorizar mais em um talento. Button é um virtuose, mas não é tão empolgante como eles três, embora tenha momentos absolutamente geniais também, como a ultrapassagem antológica que fez em Hamilton e Schumacher em Monza, no ano passado.

        Existem dois tipos de Fórmula 1: uma é feita de arrojo, coragem, garra, extrema velocidade e espírito de luta, e que nos entrega adrenalina e emoção em doses superlativas. A outra é feita de números, estatísticas, recordes, sorte, leituras de corrida e poupanças e que nos entrega apenas tédio. A primeira cria lendas que perpassam os tempos, mesmo sem títulos, e a segunda cria campeões para serem guardados em anuários. Aprecio mais a Fórmula 1 da adrenalina e da emoção, que são o sal do automobilismo. E Hamilton, Vettel e Alonso fazem parte dela.

        Curtir

  5. Hehe, ninguem obriga ninguem a ler matérias ou entrar em blogs, mas me desculpe caro Elizandro, menos grosseria e mais bom senso…Educação cabe em qualquer lugar!!! “Não concordo com o que dizes, mas defenderei até a morte o teu direito de dizê-lo”, perfeito, acrescentaria nesse magnífico pensamento de Voltaire, “desde que seja feito com EDUCAÇÃO. Elizandro, sei que erramos, pois somos falhos, mas a mesma cortesia que desejamos para nós, devemos ter com o outro. Sobre o post, Ju, talvez a idéia do Bruno seja legal. Continue nos presentiando com seus textos!!!

    Curtir

  6. Os avatares do Ricciardo ( sorrindo à toa de orelha a orelha ) e do Maldonado ( emburrado ) estão perfeitos para esta primeira corrida.

    Ricciardo foi mais esperto na última volta e tomou a frente do Vergne. Já o Maldonado não poderia ter feito pior e se estatelou no muro sozinho.

    Fiquei surpreso com o Petrov dando calor no Kovalainen, até ser traído pelo carro. O Vergne também parece ser muito bom piloto e deve provocar uma boa disputa na Toro Rosso.

    Que venha a próxima corrida.

    Curtir

  7. Primeiramente, gostaria de enaltecer, finalmente, um grau maior de renovação na categoria.

    Como é excelente acompanhar a primeira corrida do ano e não ver mais nos créditos do GP nomes como o de Barrichello e Trulli, como é bom ler nomes como o de Grosjean, Vergne, Ricciardo, Hulkemberg e etc. Acho que só falta a aposentadoria do Webber para o Grid ficar ainda melhor.

    DIto isto, vamos aos pitacos:

    BUTTON – Quantas vezes já escutei os beócios dizendo que Hamilton iria destruí-lo na McLaren, que ele tinha sido campeão na sorte, que ele era um piloto mediano, porém, o pessoal menos entendido acha que F1 é apenas velocidade quando na verdade é um misto de regularidade, estratégia e velocidade. Bom, o fato é que quem comanda hoje a McLaren é Button, e está se provando um piloto muito melhor do que Hamilton e, a continuar assim, será sem dúvidas o favorito ao título. NOTA 10.

    VETTEL – E tinha gente que creditou a fantástica temporada do ano passado apenas à superioridade do RB7, pobres coitados, são os mesmo beócios que não acreditam no Button, ou seja, não sabem nada de F1. Vettel é, hoje, o melhor piloto da categoria e, mesmo com um carro nitidamente inferior, soube se impor perante Hamilton, quase chegando a incomodar Button. Se Newey ajudar e a RedBull reagir, será o piloto a duelar com a dupla da McLaren. NOTA 10

    HAMILTON – Grande piloto, rápido e arrojado, porém, falta-lhe regularidade e capacidade de leitura da corrida, talvez, guiando em pistas onde os pneus são mais resistentes poderá se impor, mas, em pistas onde a estratégia pede diferentes níveis de agressividade durante a prova, tende a se perder e entregar posições para pilotos mais completos (caso de Button, Vettel e Alonso). NOTA 8.

    WEBBER – O considero um sortudo, pois, sendo um bom piloto e nada mais, está dentro de uma das melhores equipes da F1 atualmente, fez um boa corrida, mas nunca será páreo para Vettel, além disso já passou da hora de largar o osso (é o Barrichello Australiano). NOTA 7.

    ALONSO – Eu morro de rir com a derrocada da Ferrari e, por tabela, do Picareta das Astúrias, sempre vou torcer contra ele, porém, é uma tarefa ingrata, pois o Chorão pilota muito. Conseguir levar esta porcaria da máfia rossa ao quinto lugar é tarefa para poucos pilotos no Grid. Os carcamanos da Ferrari deveriam aumentar o salário de Don Choronso, ele está fazendo milagre com esta carroça. Que continue assim, se destacando em levar carros ruins a marcar pontos. NOTA 8.

    KOBAMITO – Este é um racer por excelência. Dá gosto de ver este japa pilotar, ele é a antítese de Button, agressivo ao extremo, merecia lugar em equipe melhor para que possamos constatar se ele conseguiria se consagrar com seu estilo Kamikaze. Quem sabe a Mercedes no lugar do Grande Schumy. NOTA 9.

    KIMI – O finlandês é outro que derrubou alguns espertalhões. O bebum é campeão mundial e merece respeito, se tivesse se colocado melhor daria trabalho para Webber e Alonso. É uma máquina de pilotar carros, anda muito e, ainda por cima, é um show escutar sua comunicação com a equipe (“que porra de bandeira azul é essa que estão agitando para mim, isso é coisa para pilotos como o Massa e o Barrichello, vão se f…”). A Lotus está bem de dupla. NOTA 8.

    PEREZ – Olha o Massa perdendo o emprego no final do ano gente. O Ligeirinho também é bota, saiu em último e detonou a concorrência. É muito bom saber que temos latinos que honram a categoria, porque, se depender dos brasileiros, estamos ferrados. NOTA 9.

    RICCIARDO – Fez um ótimo trabalho, a continuar assim, vai se firmando como alternativa para ser o próximo canguru da F1, exatamente no lugar do canguru perneta da RedBull. NOTA 8.

    DI RESTA – Era preciso e merecido ter um Foce India entre os 10 primeiros e o Di Resta teve a decência de não decepcionar o Vijay. NOTA 7.

    Merecem menção.

    VERGNE – Estreou bem este francês, devemos prestar atenção no garoto. NOTA 7.

    MALDONADO – Outro que a Pachecada odeia, pois, com toda sua inconsistência, é muito mais piloto atualmente do que o Bruno Senna e do que aquele que foi aposentado pela equipe no final do ano, porém, precisa se benzer, Mônaco ano passado e Austrália esse ano são provas de que o “olho gordo” de alguns brasileiros está pesando, merecia melhor sorte pois fez uma corrida espetacular. NOTA 9.

    SCHUMY/ROSBERG – Devem cotizar com o Maldonado os honorários da benzedeira, pois parece que a Mercedes tem bala para incomodar o pessoal da frente, mas o olho gordo da galera está dificultando muito a vida dos germânicos. NOTAS 6/7.

    AMASSA e ASENNA (DUPLA “Sertaneja” BRASILEIRA) – Sinceramente, o Massa deveria ter se aposentado depois do acidente, teria ficado com uma moral muito maior do que tem hoje e não tinha passado pelo vexame do “Alonso is faster than you”, a carreira dele depois do acidente é ridícula, “pede pra sair 02”. Já o Senna deveria ter continuado a ser apenas o sobrinho do Ayrton, não é e nunca será piloto de F1. O Eike deveria ter continuado com seu rico dinheirinho no banco. NOTA – 10.

    GROSJEAN – Largou mal e teve azar na disputa de posição que levou à quebra, porém, merece algum crédito pela brilhante classificação. NOTA 6.

    O resto é resto.

    Curtir

  8. Oi Julianne,

    Se permita-me postar aqui o mesmo comentário que fiz no Blog do Ico:

    Pintou um grande campeonato. Era tudo que a F-1 precisava depois de um ano solo de Vettel e da Red Bull.

    Uma McLaren forte, mas não tão superior às demais, uma Red Bull competitiva, mas longe de ser o carro que ‘estragou’ o campeonato já na Austrália, ano passado, uma surpreendente Williams de quem não se apostava um tostão furado, uma Sauber competitiva; Mercedes e Lotus com potencial de brigar lá na frente, dois pilotos promissores na Toro Rosso, um Kimi mais adaptado à F-1 do que foi Schumacher nos seus dois primeiros anos de retorno, e uma Ferrari que parece que ainda está correndo no campeonato de 2011 com Alonso tirando leite de pedra e Massa perdidinho levando tempo do espanhol.

    Pena que para os brasileiros o campeonato deverá ser complicado. E quem assiste a F-1 só para torcer por eles, se desistir de acompanhar vai perder um grande campeonato.

    Um abraço, Julianne, do leitor assíduo, diariamente, de seu belo blog.

    Curtir

  9. muitos jornalistas e/ou blogueiros afirmando que vai ser um campeonato equilibrado entre vários times. eu acho cedo para afirmar, mas, já que somos liberados para palpilar, acho que esse ano vai ser uma briga entre button e hamilton apenas. mclaren está muito na frente e é a equipe que mais rápido evolui. e não vamos nos enganar pela falta de ritmo de hamilton na primeira corrida. ele vai achar velocidade cedo ou tarde.

    Curtir

  10. Oi Ju, acho que vc é a pessoa mais indicada pra comentar sobre o “equilibrio” no ritmo de corrida de várias equipes do chamado segundo pelotão.
    Existe mesmo uma menor diferença entre o pelotão intermediário com o da frente?
    Fiquei surpreso que várias equipes médias por várias vezes cravaram o melhor tempo de volta na corrida.
    O que acha?

    abs!

    Curtir

    1. Acho que tem a ver com o fato de estarmos no início da temporada e com o banimento de uma tecnologia cara para se desenvolver, dos difusores soprados, principalmente em relação aos mapas de motor. A tendência lógica é que as equipes com maior poderio financeiro avancem de forma mais rápida, mas no momento existe McLaren/Red Bull /////// um pelotão compacto, cuja pior, pelo menos pelas características de Melbourne, pareceu ser a Force India ////// Caterham//// Marussia ///////// HRT

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s