O ano se desenha interessante para Vettel. E sem motivo para pânico

Para os alemães, o termo foi “poste”; para os ingleses, “pepino”. E logo a revolta de Sebastian Vettel em relação ao retardatário Kartikheyan, que na opinião dele – e dos comissários, que puniram o indiano – foi o responsável pelo toque que lhe tirou os 12 pontos de uma quarta posição consolidada na Malásia virou motivo para que, especialmente a imprensa britânica, começasse a especular que o alemão estava perdendo a cabeça ao ver seu reinado desmoronando.

Teve quem achou que o pepino não é bem Karthikeyan. Maldade...

Não é a primeira reação desproporcional de Vettel, que já chamou o companheiro de louco por manobra até parecida no GP da Turquia em 2010 – em ambos os casos, as opiniões se dividiram, mas acredito que o alemão poderia ter se esforçado mais para evitar o contato se não quisesse retomar a trajetória tão cedo. No entanto, que o acesso de raiva causado por uma frustração pós-prova não seja tirado de contexto. Afinal, ninguém melhor que o próprio Vettel, quinto colocado no ano de seu primeiro título até seis etapas do final, para saber que é cedo demais para perder a cabeça.

Que o alemão não reage bem mesmo à menor das derrotas já estamos acostumados a ver. Fechou a cara até um abandono com o campeonato decidido. E poderia ser diferente (o mesmo serve para vários de seus colegas) para alguém tão obcecado com a vitória?

É forçar a barra falar em desespero quando o alemão tem em mãos o carro que se mostrou marginalmente mais rápido em média de ritmo de corrida. É claro que melhorar em classificação ajudaria, principalmente para se livrar do tráfego das Mercedes no início das corridas, mas não há nada indicando que este é um campeonato perdido para a Red Bull. Muito pelo contrário: a expectativa é de que o ritmo de desenvolvimento nas fábricas seja tão importante quanto o de pista.

Mas é claro que Vettel já percebeu que não viverá a campanha sublime de 2011. A estranha supremacia repentina sobre Webber, contra quem lutou de igual para igual em 2009 e 2010 em classificações, se foi junto do escapamento soprado no difusor, cujas particularidades o alemão soube domar com maestria. Junto disso, o bicampeão tem reclamado de falta de aderência com o pneu macio, o que o obrigou a arriscar se classificar com os duros na Malásia. São problemas que ele terá de resolver internamente antes de começar a lutar com os pilotos da McLaren pelo título.

Ao menos nas duas primeiras provas, mesmo tendo se classificado atrás de Webber (sendo superado por 0s095 em média, comprovando o equilíbrio dos “velhos” tempos), Vettel passou 91 das 114 voltas disputadas até agora na frente – o australiano largou mal em Melbourne e foi ultrapassado logo após a relargada em Sepang. Nenhum motivo para pânico, portanto.

O que se desenha é uma condição na qual estávamos curiosos para vê-lo cedo ou tarde: já com todo o peso do bicampeonato e das expectativas externas e internas de sempre brigar por vitórias, terá de mostrar serviço no meio do pelotão, lidando com os pneus que não duram quando se luta por posição, com o carro que não é tão estável, com as dúvidas na estratégia. Enfim, sem os “superpoderes” do EBD e da pole rapidamente e competentemente convertida em sólida liderança. Mais uma das inúmeras e intrigantes questões que a temporada promete responder.

3 comentários sobre “O ano se desenha interessante para Vettel. E sem motivo para pânico

  1. Hehe, poxa, Ju, vc acabou com o alemão, kkkkkk. No mais, tenho a mesma opinião, pois imagino que no incidente da Malásia, Vettel simplesmente errou na tomada da curva, contornando a mesma como se estivesse sozinho. Sobre a regularidade do carro, concordo com vc. Mesmo que a RBR não seja tão rápida quanto Mclaren e Mercedes em treino, a possibilidade de largar entre os 6 primeiros, somado ao rítimo de corrida sólido, desde que mantenham a paciência, estão fortes na disputa. Nessa F1 sem reabastecimento, com pneus menos duráveis e de rendimento próximo, a regularidade do domingo parece ser a melhor opção do que a velocidade pura do pole day.

    Curtir

  2. Nada como uma corrida após a a outra.

    De “Crash Kid” a “Gênio” que iria ganhar tudo até o fim da década, para o agora “Pepino Driver”. A avaliação de um piloto é tão boa quanto o resultado da sua última corrida.

    Quem será o próximo candidato a “gênio”?

    O mexicano Perez? Ou alguém mais se candidata?

    Curtir

  3. O problema nao é esse de pepino drive, é TUDO uma questão da qualidade do carro, nao do piloto, isso era mundial de pilotos agora é de carros. Num ano o piloto é vice mundial ou campeão, é gênio , no outro ano larga no bolo, já nao é tão gênio!! Isso é na imprensa toda.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s