Especiais

As estrelas: Button, Raikkonen, Vettel, Alonso e Hamilton

Fico imaginando o que seria do campeonato de 2013 se Jenson Button, o tecnicamente mais limitado do time das estrelas atuais da F-1, tivesse ligeiramente o melhor carro, cenário possível dada a forma com que a McLaren terminou o ano. A temporada das oportunidades, ano passado, mostrou o valor da adaptabilidade destas estrelas e não há motivos para acreditar que será diferente neste ano – ainda que se espere uma intensidade menor do que na primeira metade de 2012 devido à estabilidade das regras em relação ao difusor.

Jenson Button
Frome, Inglaterra, 19.01.1980
230 GPs
Em 2012: 5º, 188 pontos
O que levar para 2013:  ritmo de corrida
O que esquecer: apagões de performance

Mas, para levar vantagem, Button teria de resolver de vez seus problemas de acerto e as surpresas que foram comuns em seu 2012 – por várias vezes, o piloto dizia não saber aonde sua aderência havia parado para justificar apagões de desempenho, atestando sua pouca adaptabilidade.

Sebastian Vettel
Heppenheim, Alemanha, 03.07.1987
107 GPs
Em 2012: 1º, 281 pontos
O que levar para 2013: classificações e racecraft
O que esquecer: quedas de performance quando carro não está 100% na mão

As classificações devem ser especialmente apertadas agora que o DRS só pode ser aberto nas mesmas zonas da corrida, já que, pela regra anterior, carros com mais pressão aerodinâmica permitiam o acionamento do artifício por mais tempo, gerando ganho de tempo. Se isso, como esperado, atingir a Red Bull, será uma grande oportunidade de Sebastian Vettel provar a inegável evolução em seu racecraft que, combinada às costumeiras excelentes classificações, o tornam sério candidato ao tetra.

Fernando Alonso
Oviedo, Espanha, 29.07.1981
198 GPs
Em 2012: 2º, 278 pontos
O que levar para 2013:  leitura de corrida
O que esquecer: classificações do final do ano
Kimi Raikkonen
Espoo, Finlândia, 17.10.1979
177 GPs
Em 2012: 3º, 207 pontos
O que levar para 2013:  atuações em corrida
O que esquecer: classificações inconstantes do início do ano

Mas o alemão vai enfrentar séria concorrência. Os grandes especialistas em dosar agressividade e cabeça, aqueles que raramente terminam uma corrida abaixo da posição em que largaram, Fernando Alonso e Kimi Raikkonen, têm tudo para continuar sendo figurinhas fáceis entre os primeiros. O quanto poderão incomodar o alemão, no entanto, depende de seus carros. Os dois receberam boas notícias: a Ferrari vinha sofrendo em classificação justamente por seu DRS e a Lotus demonstrou lidar melhor com a degradação termal, que a Pirelli promete aumentar em 2013, que os rivais diretos.

Lewis Hamilton
Stevenage, Inglaterra, 07.01.1985
110 GPs
Em 2012: 4º, 190 pontos
O que levar para 2013:  temporada com poucos erros
O que esquecer: da certeza da luta por vitórias que tinha na McLaren

E Lewis Hamilton? Há quem diga que vai lutar por vitórias e chegar aos pódios com frequência, há quem jure que vai camelar no meio do pelotão. O piloto, já sabemos: vai brilhar em classificações, dar shows com manobras ousadas nas corridas, e por vezes vai nos deixar olhando para a TV incrédulos perguntando ‘por que diabos você fez isso, Lewis?’ Já fazer previsões sobre o carro é mais complicado. É difícil imaginar uma Mercedes superando qualquer uma das equipes dos astros pensando em onde estavam em 2012 e considerando o regulamento continuista, mas eles vêm se estruturando de maneira séria para chegar lá. No geral, no último ano antes do sacode de 2014, resta esperar que a proximidade entre os carros dê bastante espaço para as estrelas brilharem.

Confira todos os posts sobre o quem é quem nesta temporada.

10 comentários em “As estrelas: Button, Raikkonen, Vettel, Alonso e Hamilton”

  1. Estou realmente curioso p/ essa temporada.

    O carro da McLaren terminou o ano bem, e eh esperado que comece bem esse
    ano. Entao, eh de se esperar que Jenson se entenda com o carro. E ele eh
    perigoso quando isso acontece.

    Vettel eh um excelente piloto, apesar de alguns ainda atribuirem seus
    meritos apenas ao carro. Subestimar esse alemao eh um grande erro!

    Acredito que Kimi va brigar pelo titulo! Nao ha duvidas que ele seja
    piloto para isso. A duvida fica no desenvolvimento do carro e na saude
    financeira da equipe. Tecnicamente a equipe e forte, mas a saude
    financeira eh sempre uma icognita (menos para Ferrari, McLaren e Red
    Bull).

    Alonso deve ter a Ferrari toda voltada para ele! Ele so rende assim 😉
    O carro eh bonito! Finalmente! Deve ser bom de velocidade tambem e a
    equipe eh forte. Se ele vai admitir que tem o melhor carro do grid, acho
    dificil. Mesmo que seja verdade… Nao, eu nao gosto da postura do
    Espanhol.

    Hamilton eh carta fora do baralho! Seria burrice a Mercedes despejar
    muito dinheiro no carro desse ano. Eles devem se preparar muito bem para
    o ano que vem. O motor esta pronto e ja deve estar sendo testado.

    Que comece a temporada!
    (Sei que eu nao disse nada de novo… mas nao consegui ficar calado!)

  2. Julianne,

    Esses cinco fazem o espetáculo: “satisfação garantida ou o seu dinheiro de volta”. . Fantástica Era de Ouro, essa que vivenciamos agora. Fico impressionado como ainda existem muitos, mas muitos mesmo, aqui no Brasil, que não se dão conta ou se recusam a reconhecer isso, talvez porque não haja um brasileiro entre eles. Desmerecer qualquer um deles é diminuir os feitos dos demais. Alonso, Hamilton e Vettel – estes em especial – estão escrevendo páginas brilhantes na História da F 1, onde o denominador comum é a precocidade. Sagrando-se campeão mundial em 2005, Alonso detonou brilhantemente – em cima de um heptacampeão mundial ainda em seu auge – um recorde que já durava 33 anos! Apenas dois anos depois, esse recorde foi batido por Hamilton, o melhor estreante da História da F 1, que por pouco não foi campeão em cima de ninguém menos que Alonso, na mesma equipe, naquele estranho ano de 2007, de acontecimentos impensáveis. E agora temos Vettel, que está a caminho de recordes inimagináveis. Button e Raikkonen também foram precoces em seu começo na F 1, cada um à sua maneira, queimando etapas.

    Torço por grandes carros para Vettel, Hamilton, Alonso, Raikkonen, Button, para que tenham plenas possibilidades de levarem ao paroxismo a expressão de seus talentos e possam nos proporcionar assistir duelos épicos entre eles, fazendo de 2013 – que começa com algumas interrogações – um ano ainda mais eletrizante que 2012. Como sempre, desde que o vi inacreditavelmente virando tempos melhores que Alonso na pré-temporada de 2007, minha torcida vai para Hamilton, que a meu ver entrega mais que qualquer outro e em doses superlativas o que mais prezo em automobilismo: velocidade, ímpeto, arrojo e combatividade por qualquer posição e cada metro de pista. Em suma, adrenalina e emoção. Títulos e estatísticas são muito importantes, mas não são tudo. Performances lendárias sim. Jean Pierre Beltoise só venceu um GP em sua carreira, o de Mônaco, em 1972. Uma vitória que eu e aqueles que a viram nunca esqueceremos.

    1. Hamilton foi campeão em 2008. Estava pensando no bicampeonato de Alonso, em 2006. Retifico então para “Apenas três anos depois” . . . . .

  3. Não torço pra nenhum piloto em especial mas esse é meu palpite pra temporada.

    Se a Mercedes fizer um carro equilibrado e minimamente competitivo, é capaz de que Hamilton nos brinde com belos momentos. Imagina Hamilton vencendo na equipe alemã? Ron Dennins ia ficar muito puto da vida. 🙂

    Button é uma incógnita. Espero que ele se dê bem, pois quanto mais gente no bolo melhor. Martin Wishmart ainda não deu um título à Mclaren sob sua gestão, seria bacana se isso acontecesse. Lewis Hamilton ia dar murros no concreto! 🙂

    Com a mudança de regulamento quem perde mais é a RedBull e Vettel. Pode ser que haja ainda algum coelho escondido no fundo da cartola do mago Newey mas vai ser complicado. De qualquer forma o alemão tri campeão é consistente e corre com a cabeça. Deve fazer um ano bom, mas se tornar tetra é quase impossível.

    2013 é o ano pra Alonso. O carro da Ferrari é bonito e espero que mesmo com as eternas confusões políticas dentro da Ferrari, os carcamanos deixem que o espanhol faça valer sua superioridade técnica. E Domenicalli precisa desse título mais que Alonso.

    Kimi é o Kimi e será o Kimi em 2013.

  4. Discordo completamente com vc Juliana no referente ao Button. quem tal vez seja o menos arrojado e afobado da turma das estrelas, porém acho que é justamente o mais tecnico desse grupo, ao ponto que se tem um carro na mão, capaz não deixa pra mais ninguem. O cara é uma especie de Prost sem as carateristicas de vigarista do frances.

  5. Hamilton sempre. Kimi e Alonso estão lá para chegar em segundo, o que já lhes garante frases de camisetas e marketing em revistas. Button é um coitado, coitado. Não existe possibilidade de ser campeão se o carro não for disparado o melhor. Não fossem os acertos do Hamilton não teria terminado nem entre os 6 melhores de 2012. Sobra o Vettel. Esse sim numa curva acendente de performance.

  6. Discordo que Button seja o mais limitado do grid,pelo contrário,considero-o o mais inteligente e tático de todo o grid,tanto que mostrou esta habilidade em Montreal em 2011,partindo de seis paradas e de dois incidentes.
    Um grande campeão e com certeza,um mito inquestionável.

Deixe uma resposta