Choveu, acabou

“Mas eles não são os melhores do mundo?”, era a pergunta na boca de todos nesta madrugada em que os donos do show não tinham volantes, mas rodos à mão. Como se a Fórmula 1 fosse tão simples que dependesse apenas da habilidade dentro do cockpit.

São vários os fatores que explicam por que a Fórmula 1 é tão mais cheia de frescura do que antigamente em relação à chuva. É fato que a questão da segurança é abordada de outra maneira – antes o risco de um acidente grave era entendido como parte inerente e até que dava graça ao esporte, hoje não mais. Mas isso não explica tudo.

Com a maior dependência e o refinamento da aerodinâmica, os carros são bem mais nervosos e sensíveis que há 10, 20 anos, sendo projetados para andar o mais próximo possível do solo. Assim, quando passam por cima dos rios formados pela chuva, a água preenche esse espaço pequeno, provocando fortes e repentinas saídas de traseira.

Os pneus de chuva serviriam para amenizar esse efeito, mas os Pirelli são reconhecidamente ineficientes nesse quesito. Os Bridgestone, por exemplo, dispersavam 80l/s a 250km/h (pneu para chuva extrema) e 55l/s a 275km/h (pneus intermediários). A borracha utilizada hoje tem dispersão de 60l/s a 280km/h (chuva) e 40l/s a 280km/h (intermediários), sendo que as velocidades apresentadas seriam as máximas alcançadas pelos carros em tais pneus. Não é por acaso, portanto, que a direção de prova tem sido mais cautelosa.

Nem mesmo o melhor piloto da história conseguiria segurar um carro em uma pista encharcada com essa combinação de chassi baixo e pneu com pouca dispersão, até porque nessas condições há perda de contato entre o bólido e o asfalto. “Você podia fechar os olhos e tirar a mão do volante, porque o carro fazia o que queria”, testemunhou Jenson Button, sempre um dos primeiros candidatos a se dar bem quando a água cai. E, principalmente em pistas como Albert Park, com muitas linhas pintadas por se tratar de um circuito de rua, e muros próximos, o fator segurança ganha força.

Que os pneus Pirelli para o molhado têm de melhorar não há dúvida. Quanto à aerodinâmica, a F-1 sabe que ela tem influência exagerada nos carros hoje, mas vem enfrentando dificuldades em frear os engenheiros. As regras de 2014, inclusive, são uma nova tentativa nesse sentido.

Também é fato que o treino não foi só adiado pela chuva. Caso os horários na Austrália fossem os usuais – classificação e corrida às 14h – as decisões seriam outras. É compreensível economicamente que se busque o melhor horário para a TV, mas é preciso que haja um plano B. É caro instalar um sistema de luz artificial como em Abu Dhabi? Certamente. Mas e o prejuízo comercial e esportivo do que vimos na madrugada?

9 comentários Adicione o seu

  1. Ricardo H disse:

    Julianne,

    Você sabe dizer se a altura dos bicos dos carros em 2014 irá abaixar? Afinal qual a justificativa da McLarem utilizar a suspensão dianteira pull rod, sabendo que a Ferrari sofreu tanto para ajustá-la no ano passado?

    Curtir

    1. juliannecerasoli disse:

      Pela regra atual, a altura máxima do bico é de 550mm em relação ao assoalho, o que vai cair drasticamente para 185mm em 2014. E a pull rod na dianteira deve interagir melhor nessas condições.
      Até mesmo ano passado, por já trabalhar com os bicos mais baixos que o restante, acreditava-se que a McLaren se beneficiaria mais desse tipo de suspensão que a Ferrari. Acho que é uma questão de sofrer agora para colher os frutos depois.

      Curtir

  2. BETO disse:

    JU, NA SUA OPINIÃO O ROSBERG PODE BATER O HAMILTON ?
    E CASO ISSO ACONTECE PODERA RESPONDER A PERGUNTA A RESPEITO DO DESEMPENHO DO MICHAEL SCHUMACHER ?

    Curtir

  3. aucam disse:

    Cara Julianne,

    Sua explicação está magistral e é extremamente oportuna! Está dissecando em todos os aspectos a questão. Mas observo uma coisa: há algum tempo essa altura dos carros em relação ao solo era tão diminuta que, a qualquer ondulação da pista, os carros davam um verdadeiro espetáculo pirotécnico, com fagulhas saindo em profusão do assoalho. Então, embora a aerodinâmica seja preponderante, ela não é a única causa das interrupções ou não realizações de treinos e provas. Realmente, Button referiu-se à baixa performance dos pneus na chuva. Os outros fatores que você corretamente aponta também têm grande peso: além dos pneus que escoam menos água, a preocupação com a segurança dos pilotos hoje é muito maior (e realmente tem que ser assim, ninguém quer ver seus ídolos fora de combate e muito menos partindo prematuramente, como no Passado).

    Considerando-se todos esses aspectos, os tempos de heroísmo ficaram para trás em definitivo e os pilotos têm total direito à sua integridade física, não há dúvidas. Talvez os organizadores devessem melhorar mais a drenagem das águas nas pistas. Obrigado Julianne, com sua grandíssima competência e atenção você mima seus leitores como nenhum outro blogueiro/jornalista especializado faz.

    Curtir

    1. wagner vieira alves disse:

      Caro, Aucam, no tocante a altura dos carros, temos que nos lembrar que no final dos anos 80, e início dos 90, os carros eram muito mais mecânicos do que aerodinâmicos, pois basta olhar a simplicidade das asas dianteira e traseiras comparadas com os desenhos arrojados e complicados como vemos hj, enfim, com o suporte mecânico mais forte, além dos freios menos eficientes, e do contorno de curvas em menor velocidade, os carros mais antigos facilmente aceitavam melhor as chuvas.

      Curtir

      1. aucam disse:

        Amigo Wagner, concordo com a sua explicação, a sofisticação explica a diferença, como você expôs. Acabo de ver pelo Sportv o Q3 e o conjunto Vettel/Red Bull está sobrando.

        Curtir

      2. wagner vieira alves disse:

        Esperemos que os updates para Barcelona embolem a disputa, afinal ninguém merece um 2011 em 2013…

        Curtir

  4. Marcelo disse:

    SALVAÇÃO É O CANAL FIRSTROW!!!

    Treino de classificação na Austrália não vai ter transmissão ao vivo na TV brasileira na noite de sábado.

    Tanto Globo quanto SporTV já têm suas grades fechadas para o horário em que foi marcado o Q2 e o Q3 da F1, 21h (de Brasília). Sabidamente neste horário, a emissora carioca exibe em TV aberta seu principal telejornal, o ‘Jornal Nacional’, e na sequência a novela ‘Salve Jorge’ e sua história turco-brasileira. Os canais por assinatura, três no total, já tem eventos ao vivo fechados.
    O SporTV vai passar o Campeonato Gaúcho de Futebol e a Superliga Masculina de vôlei. O SporTV2 apresenta em sua grade o torneio de tênis de Indian Wells, que está em suas semifinais, e as finais do mundial feminino de patinação artística. O SporTV3 vêm também com semifinais, mas do circuito brasileiro de vôlei de praia, tanto masculino quanto feminino.
    O GP da Austrália está garantido na Globo a partir de 2h40. O Grande Prêmio acompanha ao vivo e em tempo real a definição do grid de largada a partir de 20h45.

    http://grandepremio.com.br/ao-vivo

    CANAL ALTERNATIVO ABAIXO VAI PASSAR CLASSIFICAÇÃO DO GP DA AUSTRÁLIA!

    Formula 1 Australian Grand Prix, Qualifying 2 and 3
    http://www.firstrow1.eu/sport/motosport.html

    Curtir

    1. Jopa disse:

      O Sportv confirmou que vai transmitir o treino as 21:00!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.