Corridas e análises

Fórmula Ásia

Tem chinês alemão, chinês espanhol, chinês finlandês...

Em 2012, Sebastian Vettel se tornou o primeiro campeão do mundo a não vencer uma prova sequer na Europa. Era uma questão de tempo. Afinal, a expansão asiática, vista com desconfiança por muitos, não dá sinais de que vá arrefecer. E nem há motivos para que o faça.

Hoje, as provas na Ásia são oito e representam 42% das etapas do calendário, ultrapassando a Europa, que sedia sete. Para os próximos anos, a Rússia deve ter sua corrida a partir de 2014 e os planos da Tailândia para entrar no calendário em 2015 estão a pleno vapor.

Número de etapas:

Ásia: 8 (42%)

Europa: 7 (37%)

Américas: 3 (16%)

Oceania: 1 (5%)

É difícil imaginar o que seria da Fórmula 1 caso a expansão não tivesse começado lá em 1999, data do primeiro GP da Malásia. Com a atual crise na zona do euro, ameaçando até a prova na sólida Alemanha neste ano após a falência de Nurburgring, a busca por novos mercados não poderia ser mais útil do que hoje.

E não é apenas uma questão financeira para os europeus, com uma cultura cada vez mais anti-automobilística. Procurando maneiras mais ecologicamente sustentáveis de locomoção, os governos não se animam a gastar dinheiro com um evento que, convenhamos, está parado no tempo nesse quesito. Prova disso é a dificuldade do retorno do GP da França mesmo com quatro pilotos no grid, bancados por grandes empresas do país, e um circuito de propriedade de Bernie Ecclestone. Pelo mesmo motivo, vai se gastar um caminhão de dinheiro para tornar os motores menos beberrões e mais eficientes a partir do ano que vem.

Sem isso, a F-1 na Europa depende diretamente da iniciativa provada o que, aliás, era o projeto inicial de Valencia. Porém, após cinco anos sem ver a cor do dinheiro privado e com 423 milhões de dólares investidos dos cofres públicos em infraestrutura e no pagamento das taxas para ter o direito a sediar uma prova, a cidade dificilmente voltará ao calendário.

Calendário da expansão:

Japão – 1976– 77/ 1987

Malásia – 1999

China – 2004

Bahrein – 2004

Turquia – 2005 – 2011

Cingapura – 2008

Abu Dhabi – 2009

Coreia – 2010

India – 2011

Não que as provas asiáticas sejam um total sucesso, ao menos de público. Mesmo com muitos ingressos corporativos, as arquibancadas raramente estão lotadas e os números de audiência não têm crescimento constante. Porém, a presença maciça no Oriente aumenta as possibilidades de negócio, e o GP de Cingapura, especialmente, se tornou um evento tão importante quanto Mônaco para impressionar novos investidores.

O único GP dessa “nova geração” que não deu certo foi justamente o mais próximo da Europa, na Turquia. Um circuito de difícil acesso, com péssima infraestrutura para os torcedores, relativamente próximo à tradicional etapa da Hungria e também do mundo – e petróleo – árabe, que já contava com seus chamarizes. Um desastre anunciado.

É possível que o mesmo ocorra com outras provas e a Coreia parece uma séria candidata, mas, de maneira geral, a expansão oriental vem sendo fundamental para que a categoria siga com números que só Olimpíadas e Copas do Mundo têm. Como costuma ser verdadeiro neste negócio, pode ser difícil enxergar de cara, mas o velho Bernie sabe o que faz.

7 comentários em “Fórmula Ásia”

    1. O produto que ele oferece, especialmente depois da introdução dessas falcatruas todas para dar uma falsa impressão de disputa entre carros, não é forte o suficiente para convencer as pessoas a pagarem por qualquer coisa da categoria disponivel só pela internet (ou você acha que, se um dia acontecer, vai ser tudo assim de graça?)

      1. Pelo que eu vejo dificilmente a F1 será transmitida via Internet de graça. Mas essa possibilidade existe, pois esse modelo pode ser viável economicamente. A F1 pode seguir o modelo da Televisão Aberta, que não ganha dinheiro com a transmissão de seus programas, mas ganha MUITO dinheiro com os espaços publicitários vendidos aos patrocinadores, e que, são exibidos nos intervalos de seus programas ou dentro deles.
        É uma opção arriscada, eu sei, mas eu acredito que possa dar certo.
        Imaginem o preço de um espaço publicitário num evento do porte da F1, que ocorre anualmente, que alcança um público em diversas nações, e que, com essas medidas, no futuro possa igualar ou ultrapassar o público da Copa do Mundo. Imagine o valor que pode chegar os espaços publicitários vendido pelas equipes de F1 e pelos Circuitos. Seria uma das melhores formas das empresas divulgarem os seus produtos/serviços em escala global. Dessa forma os expectadores, equipes e patrocinadores sairiam ganhando.

  1. Wow!!! Ju, sempre achei que aquela foto ñ fazia jus à sua beleza. Seu número de fãs agora irá aumentar com certeza!…rsrs

    Sobre a Ásia, imagino que a F1 estaria bem sem tantas corridas por aquelas bandas. O calendário seria apenas mais enxuto e o tio Bernie menos rico. Se a F1 ainda corre em Interlagos, poderia perfeitamente estar rodando nos antigos e tradicionais circuitos europeus. Perderam os verdadeiros fãs em detrimento duma pseudo globalização que não acrescentou nada ao esporte, além de algumas imagens bonitas para o vídeo de fim de ano…

    1. Por estar no calendário de forma ininterrupta desde 1987, o GP do Japão, país com tradição automobilística, obviamente é um caso à parte e não entra “na conta” a expansão iniciada em 1999.

  2. logo a turquia se deu mal na infraestrutura e acesso ao local…justo o melhor dos tilkodromos

    sendo ou nao decisivo para os resultados, assistir f1 e só se ouvir falar em pneus é extremamente irritante

    Gostaria de saber qual pista do japão é melhor para o espetáculo das ultrapassagens: fuji ou suzuka?

Deixe uma resposta