Mais um troféu para Vettel e os recordes de pontuação da atualidade #CanadáFacts

Compensando 2011

Sebastian Vettel adicionou mais um circuito para seu hall de vitórias com a conquista no GP do Canadá. Agora, alemão só não venceu em casa – tanto, em Nurburgring, onde a corrida será realizada em 2013, quanto em Hockenheim, que deve voltar a ser o palco da prova ano que vem – na Hungria e nos Estados Unidos, onde correu por duas vezes. Assim, Vettel se igualou a Alain Prost, que venceu 18 GPs diferentes. O recorde é de Michael Schumacher, com 22.

De quebra, com a conquista no Canadá, o tricampeão está a três de empatar com Fernando Alonso, que tem pouco menos de 100 GPs a mais na carreira. Curiosamente, o espanhol não venceu em cinco países do atual calendário (Bélgica, Estados Unidos, Índia, Abu Dhabi e Brasil).

Porém, em todos esses lugares Alonso já foi ao pódio – assim como Vettel também tem troféus dos países em que não venceu. O espanhol conquistou o 90º no Canadá e está em terceiro na lista de todos os tempos, a 16 de Alain Prost e a longínquos 65 de Schumacher.

Voltando a Vettel, o alemão agora é o único a ter completado todas as 441 voltas da temporada, depois de ter dado uma volta em todos menos quatro pilotos, o que não acontecia desde o GP do Brasil de 2011.

O alemão só perdeu a posição quando fez o primeiro pit stop antes de Lewis Hamilton, que colocou a Mercedes em primeiro lugar pela décima corrida seguida. Com o terceiro lugar, o inglês conseguiu se livrar da fama de 8 ou 80 em Montreal: havia vencido em 2007, 2010 e 2012 e batido em 2008 e 2011. Em 2009, não houve GP do Canadá. Hamilton ainda manteve sua marca de nunca ter sido superado por um companheiro na classificação canadense, mesmo estando em desvantagem em relação a Nico Rosberg nas três provas anteriores.

Dois jovens chamaram a atenção no final de semana: Jean-Eric Vergne, que conquistou, com o sexto lugar, o melhor resultado da Toro Rosso desde o GP do Brasil de 2008, quando Vettel foi quarto; e Valtteri Bottas, que se classificou em terceiro.

Nos últimos 20 anos, quatro estreantes tiveram um resultado semelhante por uma equipe que não chegou ao pódio naquela temporada – e não parece que a Williams, em seu pior ano na história, terá um top 3 até o final do ano. Foram eles: Nico Hulkenberg (pole no Brasil, em 2010), Nico Rosberg (terceiro na Malásia, em 2006) e Heinz-Harald Frentzen (terceiro no Japão, em 1994).

Relativizando os recordes de pontos

Última prova da sequência de Schumi nos pontos foi primeira vitória de Kimi na F-1 - e primeiro dos 90 pódios de Alonso

Mesmo com um final de semana para esquecer, Kimi Raikkonen igualou o recorde de Schumacher de 24 provas nos pontos. A marca é impressionante, mas temos de lembrar que o regulamento de hoje facilita esse tipo de feito, pois nos tempos que o recorde do alemão foi estabelecido, só se pontuava até o sexto.

Uma comparação nos resultados mostra que os resultados de Schumacher, em uma época de domínio da Ferrari, são mais significativos e mostram uma impressionante confiabilidade do carro italiano em tempos sem restrições em motores e câmbios. Raikkonen teve sete resultados fora dos seis primeiros neste período de 24 GPs. Ou seja, contando a sequência de top 6, o máximo que Kimi conseguiu foram nove provas.

Posição Raikkonen Schumacher
2 14
6 6
3 1
0 2
3 0
3 1
2 0
1 0
2 0
10º 2 0

A sequência de Schumacher começou no GP da Hungria de 2001 e terminou no GP da Malásia de 2003 – logo após do regulamento distribuir pontos aos oito primeiros. Na prova seguinte, no Brasil, o alemão bateu. Nessa mesma época, mas começando em 1999, a Ferrari estabeleceu o maior número de provas seguidas nos pontos (55), outro recorde que foi batido graças ao novo sistema de pontuação. A sequência de 64 provas da McLaren no top 10 caiu no GP do Canadá depois de mais de três anos, desde a prova de abertura do campeonato de 2010. Quem também vem numa maré negativa é a Sauber, que abandonou com ambos os carros pela primeira vez desde o GP da Itália de 2011.

A Ferrari tem chances de retomar a ponta na sequência de provas pontuando, pois atualmente tem 55, sendo a primeira delas o GP da Alemanha de 2010. A marca pode ser batida em Abu Dhabi.

Com relativamente mais provas no calendário e a maior confiabilidade, outro tipo de recorde batido mais facilmente hoje é o de voltas completadas. No Canadá, Jenson Button chegou às 12.445 voltas, superando David Coulthard para se tornar o terceiro da lista, que é liderada por Michael Schumacher (16.825) e Rubens Barrichello (16.631). Também em Montreal, Felipe Massa se tornou o 11º na história a passar das 10.000 voltas. Além dele e do inglês, estão na lista Fernando Alonso (11.311) e Mark Webber (10.327) entre os pilotos em atividade.

11 comentários Adicione o seu

  1. Rodrigo Dias disse:

    Acho que não dá para comparar muito friamente essa estatística da sequência de pontos em GPs. Como tu mesmo falaste, quando Schumacher conquistou este feito, tinha o melhor carro do grid. Enquanto, hoje, o Raikkonen chega a fazer milagres como em Mônaco para garantir pontos para a Lotus.

    Curtir

  2. Calixto Erico disse:

    A sequência do Schumacher foi conseguida depois que a Ferrari lhe deu o melhor carro e confiabilidade total. Muito fácil. Basta comparar a porcentagem de quebras e falhas mecânicas do Schumacher de 2001 a 2003 contra qualquer outro piloto.

    Curtir

    1. redhorse disse:

      Rodrigo Dias

      E

      Calixto Erico

      A não ser que todos os pilotos guiassem nos mesmos trilhos (mesma temporada, mesmo carro, mesma idade, mesma pontuação e etc.), todas as estatísticas dependem de “condições”.

      Olhando por está ótica, podemos desmerecer cada uma delas.
      (porém, a meu ver, nenhuma estatística deve ser desmerecida, afinal, é uma estatística)

      Curtir

  3. celso disse:

    Ju,

    Levando-se em consideração os top 10, o Schumacher teria mais provas na sequencia dentre os 10 primeiros colocados? Vc escreveu que a sequencia dele acabou no Brasil, numa batida. E antes da Hungria 2001?

    Abs!

    Curtir

    1. juliannecerasoli disse:

      Antes da Hungria, na Alemanha, aconteceu esse “pequeno” incidente

      Curtir

      1. celso disse:

        hahaha

        Ou seja, mesmo com a alteração da regra de pontuação, não deixa de ser impressionante a regularidade do finlandês. Além de uma boa dose de sorte, sem problemas mecânicos, sem se meter em confusões e mesmo sem o melhor carro do grid, numa época muito mais equilibrada entre os construtores e pilotos.

        Grosjean que o diga.

        Abraço!

        Curtir

  4. Leonardo Augusto disse:

    O mais incrível desta Lotus é a resistência do carro. É quase um trator .

    Curtir

  5. Americo disse:

    Pedido de matéria: Uma materiazinha sobre o desenvolvimento das equipes e pilotos na pausa de inverno (europeu) viria bem a calhar, hein Ju? Leitor chato é fod# né? huashuashuas…

    E desculpe, esqueci que com você não tem materiazinha.

    Curtir

    1. juliannecerasoli disse:

      Na pausa de agosto? As equipes ficam fechadas por boa parte do tempo, pelo menos é esse o acordo. O desenvolvimento de agosto está sendo pensado agora, na verdade.

      Curtir

      1. Americo disse:

        Sim, sim… Mas uma matéria de como foi a primeira parte do ano, os erros e acertos, destaques…. sua visão da primeira parte da temporada, entende…

        Curtir

      2. juliannecerasoli disse:

        Ah, claro! Farei isso durante a pausa.

        Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.