Patinho excêntrico

Motor Racing - Formula One Testing - Bahrain Test One - Day 2 - Sakhir, Bahrain

Na segunda bateria de testes de pré-temporada da Fórmula 1, já começamos a nos acostumar com as diversas soluções para a seção final dos bicos. Mas há um carro que teima em não passar despercebido, tamanha sua discrepância em relação a seus pares: o E22 e seu bico duplo.

O regulamento obriga os carros a terem um bico baixo, especifica que apenas é permitido um bico e determina sua posição – em relação a altura e distância, sem mencionar que a seção final do bico deve estar centralizada. Foi aí que entrou a solução engenhosa da Lotus.

Apenas uma das pontas corresponde exatamente ao que as regras dizem em termos de dimensões e posicionamento – a mais longa, da direita. E a da esquerda é no mínimo 51mm mais curta para respeitar a regra. Ou seja, é justamente por uma questão de legalidade que as duas pontas são diferentes, pois a ponta da esquerda seria considerada não um segundo bico, mas uma parte estrutural de seu “irmão”.

Aerodinamicamente, trata-se de um conceito já empregado pela Audi em seu protótipo no Mundial de Endurance há alguns anos. O motivo? Limpar o fluxo de ar. Isso também não é óbvio logo de cara, pois, entre os extremos de ambas as pontas, há uma distância bem maior do que dos bicos “únicos” dos concorrentes – acredita-se que 4cm mais. Porém, é a abertura entre as pontas que harmoniza o fluxo de ar ao diminuir sua obstrução. Como trata-se do primeiro contato do ar com o carro, esse fluxo ganha importância.

Tanto, que ao menos a Toro Rosso admitiu ter estudado solução semelhante. “Estudamos isso no início, quando o carro estava menos maduro, e em teoria funcionaria bem. Mas na realidade sentimos que havia muitas desvantagens. Eles têm um túnel de vento mais desenvolvido do que nós, então talvez tenham descoberto algo que não conseguimos.”

É claro que a Lotus foi nessa direção porque viu que há mais vantagens do que riscos, dentro de sua filosofia de concepção aerodinâmica – algo que faz com que nem todos os times consigam trabalhar bem com determinadas soluções que funcionam para seus rivais. Porém, ao que tudo indica, o estranhamento visual do novo bico deve ser mais significativo do que sua efetividade na pista – segundo o diretor técnico da Ferrari, James Allison, não se ganha mais do que um ou dois décimos nesse setor: “É na traseira que está a pressão aerodinâmica”, explica.

Não é a primeira vez nos últimos anos que o time de Enstone ousa em um conceito técnico. Em 2011, o time apostou em um escapamento frontal, cuja saída era localizada ao lado da entrada dos radiadores e visava aumentar o poderio aerodinâmico de seus gases. Naquele caso, a dificuldade em lidar com o sistema acabou sendo maior do que o ganho teórico. No caso do bico duplo, trata-se de um risco menor e, pelo que temos visto nesse trôpego início – o E22, equipado com a até aqui problemática unidade de potência da Renault, não participou dos primeiros testes e vem andando pouco desde que foi à pista pela primeira vez, em um dos chamados “testes promocionais” –, deve ser o menor dos problemas do time.

8 comentários Adicione o seu

  1. Sergio Magalhães disse:

    Oi Ju,

    Dada as devidas proporções, o E22 me faz lembrar do bico “prestobarba” da Williams FW26, de 2004.

    E as estranhezas/novidades do E22 se estendem também até a traseira com a saída do escapamento guinada para a direita. Qual seria o motivo de jogar os gases do escapamento para o lado direito?

    Um abraço!

    Curtir

    1. juliannecerasoli disse:

      Oi Sérgio,
      Eles têm um “pilar” na asa traseira, que atrapalharia o fluxo (e ficar superaquecido) caso os gases passassem por ele. Mas vou investigar isso melhor!

      Curtir

  2. Beto disse:

    Juju,existe a possibilidade de os carros serem mais rápidos do que os o ano passado ?

    Curtir

    1. juliannecerasoli disse:

      Pela evolução vista de um teste para o outro, sim. Esses carros ainda vão melhorar muito. Em velocidade de reta, por exemplo, já são bem mais rápidos, pelo menos foi o que vimos no teste do Bahrein.

      Curtir

  3. Guga Gordilho disse:

    Juliana,
    Perguntei pro Ico, mas acho que você deve saber mais que ele. Como se dá a logística entre o fim dos testes e o primeiro GP? O mesmo carro vai pra Austrália? O mesmo motor? As equipes já trabalham com mais de um carro agora?

    Abs,
    Guga

    Curtir

    1. juliannecerasoli disse:

      Acredito que seja o mesmo chassi, mas nesse ponto eles já iniciaram a construção do segundo. Toda a unidade de potência + câmbio são zerados.

      Curtir

      1. Guga disse:

        Eu juro que escrevi Julianne! Esse maldito auto corretor que se enganou. Eu juro!

        Agradecido!

        Curtir

  4. designerbira disse:

    Acho esse o bico mais eficiente em termos aerodinâmicos, e depois o da RBR, no link dá pra ver como o ar passa pelos dois modelos….

    http://www.designerbira.blogspot.com.br

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.