O próximo passo da Williams

89P8670

Departamento técnico afinado, novos patrocinadores, dupla de pilotos competente, motor empurrando forte e, melhor, continuidade. O salto da Williams não foi um conto de fadas: é real e tem tudo para dar mais frutos ano que vem. Mas onde será que a equipe pode chegar?

Primeiro, vamos às fundações que permitiram o incrível pulo da nona para a terceira colocação no mundial de construtores em apenas uma temporada. Lembra a Brawn, que apareceu “do nada” para ser imbatível em 2009? Não foi do nada. Aquele era o primeiro projeto de Ross Brawn com orçamento praticamente ilimitado da Honda – e havia uma grande chance com uma mudança de regulamento. A história da Williams tem ingredientes similares.

Não, o FW36 não era um carro de outro planeta. E ter o melhor motor disparado do grid em um ano no qual as unidades de potência reinaram fez muita diferença. Mas o que impressionou na Williams – não só para quem via de fora, mas também a própria equipe – era como a evolução era constante e certeira.

Ele pode ter destruído alguns chassis, mas Pastor Maldonado e seus petrodólares foram importantes para que fábrica não ficasse obsoleta. Depois, a contratação de Pay Symonds, em meados do ano passado, norteou os esforços do time, cuja principal característica nos últimos anos era levar às corridas updates que não vingavam.

Isso é passado. “Nunca tinha visto uma precisão tão grande”, costuma dizer o ex-Ferrari Rob Smedley sobre o túnel de vento. “Se a previsão é de que uma peça vai melhorar o carro em 0s2, é exatamente isso que vemos na pista.”

É lógico que isso não depende apenas do equipamento em si, mas sim de todo o processo de design e execução das peças. E foi aí que entrou Symonds, campeão com Schumacher e Alonso. Sua função foi distribuir melhor as funções e aproveitar o máximo de cada engenheiro. Simples, não?

Mas o desafio só começou. É inegável que existe uma limitação óbvia para que a Williams lute consistentemente por vitórias e pelo título: ela é cliente da Mercedes. Recentemente, Ron Dennis defendeu que é impossível uma equipe cliente ser campeã porque ela “não tem como controlar a energia eficientemente – o que significaria acesso ao source code – e não conseguirá estabilizar o carro na entrada das curvas, etc., e perderá muito tempo de volta.”

Há quem questione essa visão, uma vez que o controle da parte eletrônica à qual Dennis se refere é feita pela ECU, comum a todas as equipes – e inclusive distribuída pela McLaren. Mas o próprio Toto Wolff deu a entender que, neste ano, o time de Woking não recebeu tanto apoio da Mercedes quanto no passado. “Nem usaria a terminologia ‘source code’ porque não faz nenhum sentido. Mas eles estão mudando para os motores Honda e obviamente sabemos muito bem disso. É claro que temos certas vantagens por fazermos os motores e os carros em termos de integração, e isso significa equilíbrio mecânico, centro de gravidade, etc.”

É por isso que o desafio da Williams bater a Mercedes ano que vem é considerável. Por mais que a situação deles seja até politicamente diferente da McLaren, lembrando que Wolff é acionista do time de Massa, há vantagens intrínsecas de ser a equipe de fábrica.

Isso se vê no trabalho mais próximo entre engenheiros de motores e do chassi, pois interações de combustível/uso de energia elétrica/câmbio/configuração aerodinâmica dependem do conjunto carro + unidade de potência, não são relações padronizadas mesmo que se use o mesmo PU.

A aposta da Williams, portanto, seria tirar proveito de seu departamento agora afinado de aerodinâmica e melhorar no ponto mais falho do ano, de execução nos finais de semana – o que inclui pit stops (em média, a equipe foi a sexta mais rápida em 2014) e estratégia – para se firmar no grupo de caça à Mercedes nas próximas temporadas. O passo mais difícil, de deixar o meio do pelotão, já foi dado.

21 comentários sobre “O próximo passo da Williams

  1. Pois é, a ‘ajuda’ de Maldonado foi muito importante, principalmente por ele ter saído da equipe.

    Mas Toto, Claire & Cia fizeram um trabalho realmente incrível. É pra tirar o chapéu. Hoje na F1, é praticamente impossível alguma equipe conseguir o tipo de recuperação que a Williams conseguiu. A economia da categoria simplesmente não permite que isso aconteça, e o que esse pessoal fez não foi brincadeira.

    Agora, acho difícil que a Williams corra pelo campeonato em curto prazo. Principalmente tendo a Mercedes como concorrente.
    Na verdade espero que a ascenção ao top 3 seja lenta mas duradoura.

    Curtir

  2. Acredito que se eles tiverem um motor não igual mais pelo menos próximo das Mercedes um motor que os permita ser apenas uns 3 decimos por volta acho que da pra Williams tirar essa diferença na aerodinâmica mesmo sabendo que isso é difícil…a questão será que se a Williams começar a bater as Mercedes na pista a fábrica não daria um jeito de diminuir a força do motor deles???

    Curtir

    1. Existe sim, mas fazendo isso é contra as regras… pelo que sei, os motores depois de testados são numerados e ai ocorre um sorteio para ver quem vai ficar com os motores. Não é impossível burlar isso mas é muito difícil além de se forem pegos podem serem punidos severamente alem de perderem um ou mais clientes, pois quem gostaria de pagar por um motor que não entrega tudo o que é prometido?

      Curtir

  3. Tudo parece dizer que a Williams terá um campeonato quase excelente em 2015.
    Fico pensando apenas nessa alteração no regulamento tecnico dos bicos dos carros.
    Os bicos tipo gonzo eram horriveis mas permitiam uma entrada de ar maior por baixo do carro e isso acaba em 2015. Muitas equipes já estão chiando com isso.
    Será que essa alteração vai mudar o comportamento da Williams em 2015??

    Curtir

      1. Sabes de algum update na perda aerodinâmica devido as novas restrições de formato dos bicos?

        ‘Os primeiros testes aerodinâmicos surpreenderam os engenheiros. “Perdemos 20 pontos [de aerodinâmica] e estamos com dificuldades de recuperar isso”, reconheceu o diretor técnico da Force India, Andy Green, à publicação germânica.’

        Curtir

  4. Muito tem se dito sobre a Williams permanecer como uma equipe forte da Formula 1… Olha eu não gosto de ser pessimista mas é exatamente isso que se falava da Lotus na era Kimmi, e mesmo depois da saída dele ainda havia essa expectativa de um time muito forte.

    Curtir

    1. A diferença é que todo mundo viu que a Lotus estava perdendo muito de seu corpo técnico além do piloto principal. Ao contrário do que acontece com a Williams, que trouxe muita gente boa pra trabalhar.

      E não dá nem pra comparar as duas equipes. Uma faz parte da história de F1 e a outra empresta as cores de um patrocinador que não existe e um nome famoso pra dar uma idéia de ‘tradição’.

      Uma mera ação de marketing.

      Curtir

  5. O carro da wiiliams 2014 era muito bom o de 2015 talvez esteja ainda melhor o que vai faltar piloto para um carro top devido os dois da williams na minha opinião são de medianos para fracos mesmo, acho que a dupla da Lotus Maldonaldo e Grosjean são bem melhores que Massa e Bottas. com isso se a Lotus fizer um carro pelo menos perto do da williams a Lotus bate a williams.

    Curtir

    1. Opa Luis eu respeito sua opinião mas descoro….porque….o Maldonado errou demais no campeonato, vou te falar só uma e ate o pessoal da equipe dele deu risada…Na entrada do box na China em treino de classificação ele bateu por barbeiragem aff Maldanado é fogo, quanto a Grojean a + ou -..entre eles acho Bottas mais piloto e depois o Massa pelo que fez na corrida de Singapore poupando pneu Abu Dhabi

      OLha o video do Maldonado..erra muito…

      Curtir

  6. Legal ter abordado esse tema Ju. Realmente é difícil mas não impossível a cliente bater o time de fábrica. Se a Williams achar, alguns décimos preciosos na sua aerodinâmica, quem sabe… lembrando que em 2009 a Brawn, que era cliente da Mercedes, bateu a Mclaren que era o equivalente ao time de Fábrica da Mercedes, por conta do pulo do gato com o difusor duplo.

    Curtir

    1. Alex, só se for uma especie de Brawn, porque com esses dois pilotinhos a Williams esta ferrada. A Mercedes além do foguete, tem dois grandes pilotos. E 2015 será de Nico (se a McLatas não se atravessar)

      Curtir

      1. prezado, Bruz, afirmar que Nico Rosberg vai levar a temporada de 2015, com um espetacular Liws Hamilton como companheiro de equipe. penso que só se for com as maracutaias que se viu em 2014. e se isso acontecer a chiadeira por parte de Hamilton vai ser sem tamanho. não é desmerecendo o Rosberg, porque provou que um bom piloto e muito regular, mas para desbancar Liws só se for na maracutaia.

        Curtir

      2. Ou no script Geronimo. São meras suposições minhas Geronimo. Meras suposições. Mas vai que aconteça. Seria por demais simpatico.

        Curtir

    1. Lucas, Bruz,

      A grande diferença entre Lotus 2013 -> 2014 e Williams 2014 -> 2015, alem da mudança de regulamento onde PU Merc > PU Renault em um campeonato de PUs, eh que a Lotus teve seu corpo técnico desmantelado por problemas financeiros… Ate o chefe Bullier se mandou da equipe. Não tinha a menor possibilidade da equipe melhorar, concordam? Inclusive foi tema de blog e credencial se a Lotus 2014 não seria a ‘grande barca furada de 2014’… foi! 😉

      Curtir

    2. Bruz o Maldonaldo com uma williams em 2012 inferior a essa teve uma vitória, o Grosjean varios pódium com a Lotus, esses dois são muitos rápidos.

      Curtir

      1. Os dois são pilotos rápidos Lucio. São do tipo que arriscam mesmo com equipamentos inferiores a seus oponentes. E isso leva a cometer muitos erros por chegarem a os limites. Muita gente prefere dizer que são erraticos. Maldonado já nos presenteo com bom pegas com Hamilton e Alonso. O problema deles é que dirigir uma draga toda uma temporada (duas no caso do veneco), pode restar velocidade e timing.
        Há que aclarar que a comparativa do Maldoso com Bottas foi sacanagem, porque o Bottas era o queridinho do Toto, e todo era para ele, por isso o Maldoso bateu na mesa, e disse que ele era quem trazia a grana e ia embora. Errou de ter ido para a Lotus?, Sim, o estrago foi pior do que esperava. Vamos que tenham mais uma última oportunidade, porque um dos dois deve sair para dar paso ao Ocon. A fila tem que andar Lucio. Nem sei que faz o Lassanha nessa Williams.

        Curtir

  7. O que o Massa foi fazer, e faz, na Williams… Lembro de ter lido que houve uma corrida em 2013 que o Murdoch falou que o Maldonado destruiu os pneus,forçando o ritmo, qd ele tinha sido avisado pelo rádio 2 voltas antes para cuidar… Lembro também uma outra vez em que o Barrica comentou que o Maldonado usava a maioria dos setups dele…
    Lembro de ter lido tb que quando nos testes de Jerez em 2013,ainda de Ferrari, o Montezemolo ligava para o Massa para perguntar sobre o carro…
    Para mim, é impossível não reconhecer que o Massa tem um bom feeling do carro, conhece a forma mais rápida de passar, e ser entendido, nesse feeling,o tal feedback técnico… mais que isso : as especificidades dessa “relação” dele com a Williams…
    Os compostos de pneus mais duros desse ano cairiam bem para ele. O estilo de pilotagem dele e do Bottas ser parecido ajudou a dar liga, pq as observações do Massa ao serem testadas pelos 2, se cada um descobrisse uma falha,ou margem de melhora ,poupava-se tempo…
    Tenho certeza que o aprendizado dele em 8 anos num time que podia trazer para um GP duas a três peças por final de semana é muito mais valioso … ele é um team player, e ainda é rápido, se conseguir ser constante em 2015 com performances como as do fim deste ano,pode brigar mais a frente…
    Foi o que o Massa foi fazer,e faz, na Williams,outro piloto poderia fazer,um hulkemberg,por exemplo,sim, mas não um novato, e se a Williams tinha que arriscar que fosse com um piloto que tivesse 70% de chances de estar certo,em 2014 a Williams ainda era uma aposta, os testes mostraram força,mas teste é teste, qual piloto que ainda sonha em disputar título iria para Williams antes dos testes de Jerez no início de 2014 ?
    o Rosberg falou ainda antes dos testes que achava que o Massa não teria facilidades para andar na frente,pois ele em 2006, estava lá e a equipe já tinha se apequenado… O Hamilton deu força pq disse que um ambiente menos opressivo faria bem a ele e daria mais prazer de pilotar, ninguém acreditava na equipe até os testes…
    com um projeto em andamento e um tal envolvimento que ainda o credenciam para uma nova aposta da Williams nele,só de 2016 em diante a coisa pode mudar… tem muita coisa atrelada ao ano que vem… inclusive pq se ao final de contrato,na dança das cadeiras, o ano for forte e o Bottas for para Mercedes ou aposentar o kimi… a inconstância dele pode jogar contra…
    Para mim, foram duas histórias de reerguimento,tentativas de volta a grandeza,aconteceu na hora certa e talvez vejamos isso, pois são imagens arranhadas mas não tanto como o binômio Massa-Williams,(por favor a ilustração é esdrúxula, mas as cores berrantes servem para impactar no quadro…) com o par Vettel-Ferrari,pois tem gente que sempre duvidou do menino prodígio, e a Ferrari tá mais perdida que cego em tiroteio…

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.