Treine duro, corra fácil

B7Fw2yBCAAIksb1

“Treine duro, corra fácil”. A frase do estreante Carlos Sainz vem acompanhada de um resumo do treino de dia, usando a modalidade predileta dos pilotos para trabalhos cardiovasculares na pré-temporada, o ciclismo de estrada: 4h42, 110km, 2.280m de elevação, 3.260kcal gastos.

No plano, porém no calor de Dubai, seu compatriota Fernando Alonso exibia seu feito do dia, 108km em 3h56. Para o bicampeão, que conviveu com lesões nas últimas temporadas, especialmente tendinites no joelho, trata-se de um período importante. Mas por que tanto treino se a temporada começa só em março? A fisiologia esportiva explica.

Trata-se de um trabalho de base, que visa desenvolver todas as valias físicas que serão demandadas durante a temporada. Com uma base bem feita, o trabalho do restante do ano, quando os pilotos estarão viajando e com menos tempo para treinar, será mais específico. Por exemplo: na Malásia, onde a temperatura nos cockpits pode chegar a 60ºC, a adaptação será ao calor e à umidade; em Mônaco, onde quase não há retas para ‘respirar’, o treino utilizado será intervalado e de resistência de força para os músculos do braço. E assim por diante.

Nesse momento do ano, as atividades cardiovasculares de longa duração são priorizadas. Afinal, treinamento de base e altos volumes são sinônimos, a fim de melhorar a estrutura do músculo cardíaco e adaptar o organismo para que, ao longo do ano, ele possa ser exigido em treinamentos mais intensos. A ideia é sempre forçar o corpo além de uma situação de prova para gerar as adaptações necessárias – a chamada resistência aeróbia – e se assegurar de que não faltará fôlego durante os GPs, o que prejudicaria a concentração e faria o piloto render menos. E é importante chegar já no início do ano bem, devido às etapas de alta demanda física da Malásia (uma das piores do ano, junto de Cingapura) e do Bahrein. Nesse período, também é feito um fortalecimento geral da musculatura como um meio de prevenção de lesões.

Há também a questão da balança: mesmo que o peso mínimo dos carros tenha aumentado em 11kg para esta temporada, permitindo que os pilotos desenvolvam mais massa muscular e não precisem enfrentar dietas tão restritivas, a folga não é tão grande assim, já que havia conjuntos acima do peso mínimo em 2014.

Ainda que os pilotos prefiram fazer seus treinamentos aeróbios na bike, são várias as possibilidades de trabalhar o coração. O próprio Sainz começou sua preparação esquiando, assim como faz Lewis Hamilton, pelo segundo ano consecutivo. A principal opção do inglês é o cross country com ski, que promove um trabalho cardiovascular e muscular intenso, especialmente nos membros superiores.

Untitled-1Felipe Massa, por sua vez, postou foto de treinamento funcional. Esse tipo de trabalho (na verdade, uma nomenclatura genérica para uma imensidade de possibilidades) é muito mais do que uma modinha: visa preparar o corpo para torná-lo mais eficaz para fazer seus movimentos naturais e tem a vantagem de ser bastante adaptável.

Mas o que os pilotos gostam mesmo de fazer nessa época do ano é se gabar de seus feitos. Na bike, Bottas revelou ter gasto mais de 1100kcal gastos em apenas um treino. Na última sexta-feira, o finlandês publicou uma foto sua correndo e revelou que aquela era a nona sessão de treino da semana. Esse está levando ao pé da letra a definição de que treino de base é feito de altos volumes.

Já o companheiro de Felipe Nasr na Sauber, Marcus Ericsson, optou por passar duas semanas na Tailândia em um centro de treinamento com instalações de nível olímpico, com estrutura especialmente voltada para o treino de triathlon. Em pleno domingo, lá estava o sueco fazendo uma sessão de mais de 4h de bike.

Falando em triathlon, impossível não lembrar de Jenson Button, que nem aproveitando as férias para casar deixou o treinamento de lado, nadando em mar aberto, pedalando e correndo.

Quem parece já estar em outra fase do treinamento é Romain Grosjean, que postou uma atividade mais específica, que certamente será repetida durante o ano e é um bom exemplo de como um piloto se prepara: uma corrida intervalada simulando o aumento da frequência cardíaca na classificação, ou seja, respeitando o tempo do Q1, Q2 e Q3. É o treinamento físico assegurando que os pilotos estarão com a cabeça apenas na pilotagem durante a temporada.

11 comentários sobre “Treine duro, corra fácil

    1. A demanda física aumentou muito de lá para cá, junto da velocidade dos carros, especialmente no contorno de curva. E o esporte como um todo, claro, se profissionalizou. A visão de que o preparo físico afetava no rendimento é algo que cresceu apenas na década de 80.

      Curtir

    2. Com a necessidade física exigida hoje, Hunt provavelmente não aguentaria uma simples sessão de classificação. São épocas muito diferentes, com um intervalo de tempo grande demais. O melhor tenista de 50 anos atrás não aguentaria 20 minutos com um Nadal de hoje. E não é uma questão de talento, é pura e simples capacidade física.

      Os pilotos de hoje, em termos físicos, pilotariam com facilidade os carros de antigamente. Lógico que me refiro aos poucos que teriam coragem de verdade de levar aquelas carros do passado, amsi perigos, ao limite. Talvez Alonso e Lewis do atual grid teriam essa coragem. Não vejo outros com essa capacidade.

      Curtir

    1. Hamilton havia dito que iria para os Estados Unidos no inverno do hemisfério norte. Ano passado, preparou-se em Aspen, no Colorado, então é possível que tenha voltado para lá.

      Curtir

  1. Preparo Físico

    Os pilotos da Formula 1 são obrigados a um condicionamento físico mais intenso do que qualquer outro praticante de corridas. A.resistência física requerida para dirigir na Fórmula 1 não é diferente daquela necessária para correr uma maratona.

    Para adquirir essa resistência, os pilotos têm de se submeter a treinamento cardiovascular, correndo ou nadando, ou, como preferem muitos deles, praticando ciclismo ou até patinação. A carga no pescoço e nos músculos exige preparação que não pode ser conseguida em ginásios ou academias e, por isso, muitos pilotos recorrem a equipamentos especialmente preparados para eles, que dão resistência muscular necessária principalmente nas curvas.

    Os músculos fortes do pescoço são importantes, porque devem suportar o peso do capacete e da cabeça sob essa intensa carga. O controle do carro durante as corridas mais longas também exige músculos poderosos nos braços. Muitos pilotos controlam a dieta como os praticantes de enduro e os atletas de pista, regulando a quantidade de carboidrato e proteínas que consome.

    Fernando Alonso na academia
    Fernando Alonso na academia
    Durante os fins de semana de corrida, a maioria dos pilotos é vista consumindo pasta e outros alimentos ricos em carboidrato, para obter energia e ganhar histamina para a prova. É também importante que eles tomem muita água antes da corrida, mesmo não sentindo sede, pois, caso contrário, poderão estar sujeitos à desidratação provocada pelo suor. Numa corrida, o piloto pode perder até 3 kg de líquidos. Para dirigir um carro de corrida, o piloto precisa de energia de 11 a 17 vezes maior do que o do metabolismo em repouso e para conseguir esse nível ele necessita de grande quantidade de glicose e oxigênio. Na preparação os exercícios mais exigidos dos pilotos são os aeróbicos (para manter o condicionamento físico), neuromusculares (para manterá postura e aumentar a resistência muscular), coordenação motora e movimentos específicos para a atividade.

    Além de cuidar do corpo, os pilotos têm, também, de se preparara mentalmente para uma corrida, pois o cérebro é que vai comandar todas as suas ações na pista. Por isso é que vê, antes da corrida, a maioria dos pilotos meditativa, concentrada. Nessa hora, alheios a tudo o que acontece em volta, eles percorrem mentalmente o traçado, lembram o que deve ser feito a cada curva, os pontos de frenagem ou aceleração, cada pormenores de uma volta.

    Tendo já trabalhado entre outros com Olivier Panis e Fernando Alonso, Riccardo Ceccarelli (http://www.formulamedicine.com/en/la_storia_riccardo_ceccarelli.htm), médico da clínica Formula Medicine, da Itália, efetuou vários estudos a partir das informações fornecidas por aparelhos de medição ligados ao corpo do piloto e afirma: “Na largada para um GP, o batimento cardíaco já se encontra a 150 bpm’s. É pura adrenalina. A largada é extremamente estressante para o piloto. Nas primeiras voltas já está a 170 bpm’s e o mesmo se passa durante uma ultrapassagem ou quando tem que puxar mais pelo carro. Quando está a manter uma posição, cai para 150 bpm’s.”.

    Button treina reação motora

    Senna, o primeiro

    Na página http://www.educacaofisica.com.br/index.php/ciencia-ef/canais-cienciaef/treinamento-esportivo/3875-o-legado-de-ayrton-senna-no-treinamento-de-pilotos, o Dr. Paulo Vicente de Almeida, médico Neurologista e Psiquiatra, lembra que “Ayrton Senna foi o primeiro atleta de verdade na Fórmula 1, pois antes dele a competição era marcada pelo glamour e boemia. Aristocratas e milionários entravam na competição, pagando para correr. O circuito era uma festa que não acabava nunca.” E o médico explica porque o piloto mudou:

    “Em 1984, Senna foi apresentado ao professor Nuno Cobra em São Paulo, para uma avaliação do preparo físico de um piloto de Fórmula 1, em uma reportagem da Rede Globo. Nuno Cobra já era bem conhecido na época e fazia um belo trabalho com tenistas profissionais. Senna não se saiu nada bem na avaliação do mestre Nuno Cobra. Foi a partir daí, que os dois tornaram-se inseparáveis. Nuno Cobra colocou Ayrton para correr, em pouco tempo Senna pegou gosto pela coisa e sempre programava suas corridas todas as semanas. Sempre com seu tênis na mala.

    Em 1983 e 1984, Senna era bem magrinho e tinha um condicionamento físico tão ruim, que acabava as provas exausto. Ele tornou-se um ótimo corredor, realizava 10 km em 40 minutos. Pelo que se sabe, nunca correu mais que uma hora. Era muito disciplinado e sempre seguia a risca as planilhas de Nuno Cobra. Iniciaram um trabalho de musculação usando uma barra fixa. Ele adorava se exibir na barra e conseguia fazer até umas piruetas.

    Com o passar dos anos ele foi ficando cada vez mais forte e com um condicionamento físico excelente. Já em 1988, na McLaren, Senna estava no auge de sua forma física e como piloto foi campeão mundial pela primeira vez. Lembro-me de ver uma foto de Senna correndo sem camisa e com um frequencímetro cardíaco. O tórax muito forte, pernas e braços bem definidos e sem gordura em lugar nenhum. O raquítico Senna se transformou em um atleta de verdade. Nuno Cobra ensinou muitas coisas para Senna: cuidados com a dieta e também, a pratica da meditação. Então, Senna, além de ser um excelente piloto, sempre estava acompanhado de um auxiliar que cuidava de sua alimentação e da sua preparação física.”

    Para mais informações sobre o assunto, consultar:

    http://autosport.sapo.pt/o-piloto-e-a-preparacao-fisica=f53743

    http://www.fiqueinforma.com/videos/formula-1-a-preparacao-fisica-dos-pilotos/

    Curtir

    1. Nope. Dos mais famosos Prost foi o primeiro da turma a ser considerado ”very fit” ja no comeco da decada de 80. Mas acho meio tonto achar que somente o Xenna da Xuxa ou o Alain eram os unicos atletas do grid. Certamente outros menos vitoriosos tambem levavam muito a serio a preparacao fisica.

      Um Phillip Streiff da vida, ou Stefano Modena, por que nao? Agora nao vou pesquisar sobre isso.

      Curtir

  2. Não consigo ver o Kimi Raikkonen se matando de treinar igual esses caras, mas também não vejo ele exausto após as corridas. Qual o mistério? Pode-se perceber que ele não é extremamente magro como a maioria desses pilotos atuais.

    Curtir

  3. Algumas lembranças do passado.

    Piquet, por exemplo, nunca deu muita pelota para condicionamento físico. Vocês devem se lembrar que no GP do Brasil de 1982 ele, exausto, desmaiou no pódio, após uma vitória (https://www.youtube.com/watch?v=aSlXoeLHxvY).

    Correndo com meu kart em Brasília, lembro ter treinado junto com o Nelsinho Piquet (filho) em sua preparação para entrar na F1. Ele usava lastros de chumbo em seu capacete, para fortalecer a musculatura do pescoço. Algo primitivo, para a tecnologia certamente disponível nos dias de hoje.

    Para finalizar, lembro de uma entrevista que fiz com o Vitor Meira logo após ter chegado em segundo nas 500 Milhas de Indianápolis. Ele sempre foi triatleta e perguntei da importância que esse esporte trazia para o seu desempenho em pista. Ele me disse algo como: “Edu, qualquer um completa 500 milhas em um carro de corrida. A questão é, em quê velocidade média você vai completar. Não adianta você ser rápido, se você não é constante. E para ser constante é preciso concentração. Na medida em que você cansa e começa a sentir o braço pesado, uma dor nas costas, a perceber sua respiração mais pesada… você começa a direcionar seus sentidos para outras coisas que não são a sua pilotagem. A partir daí sua velocidade diminui, sua concentração fica precária e os erros começam a acontecer.

    Como nunca fui atleta, mas adorava correr as corridas de endurance do CBKE, em Brasília, após 1 hora de pilotagem, durante a troca de pilotos, muitas vezes eu não saía do kart. Eu “caía” do kart! Kkkkkk

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s