Eles estão devendo

F1 Grand Prix of China - Practice

“No próximo GP vocês vão ver uma nova Ferrari”. Não foram apenas uma ou duas vezes que ouvimos o chefe da equipe, Maurizio Arrivabene, repetir essa frase. E, ainda que a Scuderia tenha demonstrado força em alguns GPs até aqui, é a coleção de falhas que chama a atenção. E faz com que, meses antes de uma extensa mudança de regulamento, poucos apostem no time italiano como a equipe a ser batida a partir de 2017.

Os problemas têm aparecido em diversas áreas. Inclusive na administração de Arrivabene, de muito discurso e pouca ação, muitas vezes atribuindo à falta de sorte fatores que poderiam ter sido previstos.

Tanto que, comparando a Ferrari com seus rivais hoje, não há nenhum ponto em que a Scuderia se destaque positivamente: a crônica falta de criatividade do setor aerodinâmico não foi resolvida nem com o fim do velho problema de correlação do túnel de vento; as estratégias têm sido conservadoras demais e a leitura da evolução de pista, pobre.

Some-se a tudo isso uma falta de confiabilidade maior em relação a anos anteriores, especialmente no câmbio, e temos uma Ferrari que não é particularmente fraca em nenhuma área, mas simplesmente não se mostra forte e consistente o suficiente para brigar com Mercedes ou Red Bull, mesmo que os rivais também estejam longe de fazer temporadas perfeitas – a primeira pecando mais em termos de confiabilidade, e a segunda, por vezes arriscando demais em estratégia.

As táticas talvez tenham sido o fator mais visível para a perda de pontos importantes, como nas duas vezes em que Sebastian Vettel foi aos boxes antes dos demais e entregou a liderança, na Austrália e no Canadá. A impressão é de que os estrategistas do time italiano ficam muito focados em um plano pré-estabelecido e não conseguem ler bem o desenrolar da prova.

Mas as falhas táticas podem estar relacionadas a um outro problema importante do time neste ano: a má leitura da evolução da pista, especialmente quando há variações de temperatura do asfalto entre os treinos livres de sexta-feira e o domingo. Isso afeta tanto a escolha do melhor composto e a avaliação de sua durabilidade, quanto o acerto.

Além da temperatura, a Ferrari não parece lidar bem com as pressões de pneus mínimas estabelecidas neste ano pela Pirelli, algo também ligado à dificuldade que o time parece ter em prever o rendimento da borracha italiana. Há quem diga, inclusive, que a grande fonte dos problemas do time de Vettel e Raikkonen foi a lentidão em criar um plano de ação específico para melhorar a compreensão dos compostos, algo que os rivais fazem há anos. Novamente, um erro cuja fonte é administrativa.

Por fim, o carro também não ajuda. Nas curvas de alta velocidade de Silverstone, com compostos mais duros, pressões de pneus altas e vento, condições que escancaram a falta de pressão aerodinâmica, as deficiências do modelo ferrarista ficaram evidentes. Com compostos mais macios, calor e uma pista em que a tração/aderência mecânica faz mais diferença, como Hungaroring, a situação deve melhorar, mas de maneira alguma apaga a necessidade de evolução.

O único setor que parece estar trabalhando bem é o de motores, que se revolucionou para diminuir consideravelmente a diferença para a Mercedes e conseguiu, mesmo após o início da temporada, resolver em grande parte os problemas de turbo. Criatividade não parece faltar para quem está a cargo das unidades de potência, já que os italianos foram os que mais gastaram tokens até aqui. O mesmo, contudo, não se pode dizer do resto do time.

8 comentários sobre “Eles estão devendo

  1. Se eu fosse o presidente da Ferrari iria atras do atual projetista da Toro Rosso com todas as força$$$.
    James Key tem feito um trabalho excepcional e o motor da Toro Rosso é o Ferrari. Então já seria meio caminho andado pro James Key trabalhar na Ferrari.
    Eu acredito q a união dos dois James na Ferrari resultaria num carro muito bom.

    Curtir

  2. Ou seja, a Ferrari continua a mesma da época de Alonso, com os mesmos problemas e dificuldades. Tudo foi trocado mas o conceito não foi mudado. Para mim o medo de ousar justamente para não correr risco de errar é o grande mal, misturado com uma certa mediocridade geral da equipe técnica. Provavelmente a única saida a curto prazo para a Ferrari seja mesmo dar um cheque em branco e plenos poderes para Adrian Newey.

    Curtir

    1. Na verdade, não foi medo de ousar não, cara. O problema, na minha visão, foi exatamente por eles terem ousado demais. A SF16-H não tem nada a ver com a antecessora SF15-T. A Ferrari do ano passado era um ótimo carro (em que se pese o domínio da Mercedes), mas eles resolveram mudar TUDO este ano, seja na unidade de potência, na asa dianteira, nas suspensões e na posição da caixa de câmbio. Aí é aquela coisa: ou dá muito certo, ou dá muito errado. E com um presidente impaciente com o deles, é difícil imaginar que esse projeto não tenha muito futuro. A aposta está nas mudanças do regulamento para o ano que vem.

      Curtir

      1. Mudar um carro de um ano para outro não é ousar. Falo de aplicar soluções e conceitos que nunca ninguém aplicou, buscar brechas no regulamento para criar uma vantagem sobre as outras equipes, esse tipo de coisa, como fizeram com muito sucesso Brawn, Red Bull e Mercedes só para ficar nos últimos 8 anos. A Ferrari dos últimos anos sempre foi uma receita de bolo quadrada, sem inovações.

        Curtir

    1. Na minha opinião, esta éh a chave para a Ferrari voltar ao curso-normal de vitórias! Um kr comprovadamente organizador e sabe como ninguém montar uma equipe vencedora (vide Benetton, Brawn, Ferrari e Mercedes.) Más a Ferrari deve tentar o Ross pra ontem pra não correr o risco de amargar 2017 decepcionante.

      Curtir

  3. E pensar que uma vitória na Austrália que era bem possível, poderia ter dado início a um campeonato diferente. Agora Inês é morta. Melhor tentar se ajustar pro ano que vem.

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s