Disputas entre companheiros: as lavadas

20148181123664__w2q5999_ii

Fazendo – provavelmente – suas últimas temporadas na Fórmula 1, Jenson Button e Felipe Massa ficaram devendo para seus companheiros depois de terem travado performances mais parelhas em 2015. Enquanto isso, outro espanhol, Carlos Sainz, um dos melhores pilotos da temporada, acabou com o já abalado Kvyat. Já na Manor, Wehrlein usou sua experiência ligeiramente maior para superar de forma convincente Esteban Ocon – como já havia superado Rio Haryanto na primeira parte do campeonato. Confira as disputas mais desiguais do ano:

Williams

Bottas Massa
Placar em classificações 17 (-0s285 em média) 4
Placar em corridas 8 7
Voltas à frente 61,5% 38,5%

Antes mesmo de Massa decidir pela aposentadoria, em meados do ano, perguntei a ele por que Bottas estava sendo tão melhor especialmente em uma volta lançada. E ao brasileiro coube só reconhecer que o finlandês “estava fazendo um trabalho melhor”. Talvez o mérito de Valtteri tenha sido encontrar maneiras de driblar um problema que afetou em cheio a Williams pela falta de pressão aerodinâmica do carro: as pressões de pneus altas determinadas pela Pirelli.

Aos domingos, o duelo foi mais parelho, como demonstrado pelos números das provas em que ambos pontuaram, mas é fato que Massa superou Bottas mais vezes antes do anúncio da aposentadoria e também teve mais abandonos que o companheiro que, por sua vez, aproveitou bem as chances, como no GP da Malásia para ser responsável por mais de 60% dos pontos do time.

McLaren

Alonso Button
Placar em classificações 15 (-0s091 em média) 4
Placar em corridas 8 4
Porcentagem dos pontos 71% 29%

Depois de uma temporada em que foi difícil avaliar o desempenho dos pilotos em meio a tantos problemas técnicos, Fernando Alonso voltou ao modo normal, com placar de 15 a 4 em classificações e sendo responsável por mais de 70% dos pontos, com direito a algumas atuações de gala como no GP da Bélgica, quando largou em último e chegou em sétimo. Com seus costumeiros problemas de aderência e desequilíbrio, fruto em grande parte de seu estilo bastante sensível de pilotagem, Button se mostrou frustrado por boa parte do ano e sua despedida (ainda que oficialmente apenas por um ano) não tenha surpreendido.

Toro Rosso

Sainz Kvyat
Placar em classificações 11 (-0s284, em média) 5
Placar em corridas 9 2
Porcentagem dos pontos* 87,5% 12,5%

*do total marcado pelo time após o GP da Espanha

Não é sempre que as ‘regras de 3’ entre pilotos que trocam de equipe dão certo, mas no caso de Red Bull e Toro Rosso, a lógica dizia que Sainz, depois de um duelo igualado com Verstappen por 23 GPs, bateria Kvyat, que vinha sendo dominado – ainda que sem tanta facilidade – por Ricciardo. Mas o que o espanhol conseguiu em cima de um piloto abalado psicologicamente e tendo a difícil missão de lidar com um carro pior ao que estava acostumado foi impressionante. Em classificação, em corrida, quando as oportunidades surgiram e em número de erros, Sainz foi absolutamente superior.

Manor

Wehrlein Ocon
Placar em classificações 6 (-0s295 em média) 2
Placar em corridas 3 3
Porcentagem dos pontos 100% 0%

O trabalho dos dois pilotos do programa de desenvolvimento da Mercedes era aproveitar as oportunidades que eventualmente surgissem e atrapalharem o mínimo possível em bandeiras azuis. Pascal Wehrlein fez isso, algumas vezes até conseguindo uma vaguinha no Q2. Nas corridas, Ocon crescia, mas ainda é cedo para julgar de fora quem é o melhor entre os dois. Pelo menos a Force India parece ter escolhido o seu.

Renault

Magnussen Palmer
Placar em classificações 11 (-0s052 em média) 8
Placar em corridas 6 6
Porcentagem dos pontos 87,5% 12,5%

Esse duelo até poderia estar nas surpresas. Surpresa por ambos terem encontrado um lugar no grid em 2017 e por Magnussen ter caído tanto de produção no final do ano, dando a chance de Palmer encostar no duelo de classificações. Nas corridas, contudo, o inglês seguiu abusando dos erros até a última prova e claramente ficou na Renault muito em função de seu aporte financeiro. Já Magnussen, basicamente o responsável pelos pontos que tiraram o time francês do vexame de lutar pela lanterna com Sauber e Manor, não fez muito mais que sua obrigação e, mesmo sem um grande patrocinador, terá sua terceira chance na F-1 ano que vem.

5 comentários sobre “Disputas entre companheiros: as lavadas

      1. Muito obrigado Ju!
        Perdoe-me a curiosidade, mas quando li o título do post foi impossível não pensar na diferença de pontos entre Grosjean e Gutiérrez!

        Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.