O que acontece quando mudam as regras? (primeiro capítulo)

canadiangrandprix_montreal_2006_start

Entender qual o ponto de partida mais central para fazer o carro mais rápido possível com o conjunto de regras à disposição. Julgar corretamente quando abandonar – e o que abandonar – do projeto anterior para focar na novidade. Procurar brechas e achar soluções que os outros demorarão meses para descobrir. É isso que todas as equipes estão buscando neste momento, às vésperas de colocar os carros na pista após mais uma extensa mudança de regulamento técnico na Fórmula 1.

Nas últimas três mudanças que chacoalharam o grid, a Renault saiu em vantagem em 2005, a Brawn surpreendeu mas foi a Red Bull que realmente ‘mudou de vida’ em 2009 e a Mercedes fez os demais comer poeira em 2014. O que estes times enxergaram e onde os demais falharam?

Nesta série de 3 posts, vamos entrar no túnel do tempo e aquecer os motores pelo que está por vir a partir dos testes, que começam dia 27 de fevereiro.

Mudanças de 2005

  • Utilização de apenas um jogo de pneus para a classificação e a corrida
  • Motores com duração de dois GPs (o dobro em relação a 2014)
  • Asa traseira posicionada 150mm adiante em relação ao centro do carro e o difusor ficou mais baixo.
  • Os bicos ficaram 50mm mais altos também fizeram parte do pacote que reduziu em 25% o downforce.

A temporada de 2005 marcou o fim da era de domínio de Schumacher e Ferrari de uma maneira abrupta, como poucas vezes se viu: após vencer 15 das 18 provas de 2004, a Scuderia só conquistou uma vitória em 2005 – e justamente em Indianápolis, quando correu sozinha com as Jordan e Minardi.

Porém, a grande explicação para a queda do time italiano não esteve nas mudanças aerodinâmicas, e sim na obrigatoriedade dos pilotos usarem o mesmo jogo de pneus durante toda a classificação e corrida, algo que minou a supremacia da Bridgestone. Claro que, em tempos de guerra de fabricantes de pneus, diferenças como esta eram decisivas, mas a queda de um time tão poderoso na temporada anterior é prova de como a borracha é fundamental para o desempenho de um carro de F-1.

Na parte aerodinâmica, as novas dimensões visavam permitir que um carro seguisse o que fosse à frente mais facilmente. Porém, como o downforce geral foi reduzido com as novas normas, as equipes se utilizaram de apêndices aerodinâmicos em outras regiões para voltar ao números anteriores. E isso dificultou ainda mais as ultrapassagens.

Mas essa recuperação rápida dos times aconteceu em uma época na qual os testes de pista eram praticamente ilimitados e o uso de túnel de vento não tinha nenhuma restrição. Era possível usar escalas de tamanho real e vários equipamentos ao mesmo tempo. Ou seja, os carros de 2005 foram desenhados e desenvolvidos em um ritmo muito mais rápido do que os atuais.

Curiosamente, uma das soluções que ajudaram na recuperação do downforce foram os amortecedores de massa, o pulo do gato descoberto pela Renault e que foi considerado ilegal em meados da temporada seguinte. Este mesmo conceito foi revisitado pela Mercedes em 2014 no que foi chamado de suspensão FRIC (e novamente proibido logo depois), mas que continua sendo usado a pleno vapor pelos alemães e pela Red Bull, ressurgindo com o nome de HPC (Hydraulic Pitch Control).

7 comentários sobre “O que acontece quando mudam as regras? (primeiro capítulo)

  1. Que bela foto desse post!
    Tomara que a McLaren venha realmente de laranja esse ano, pois há um excesso de preto e prata nesse grid, por isso que a Manor fará muita falta!
    ” (e novamente proibido logo depois), mas que continua sendo usado a pleno vapor pelos alemães e pela Red Bull”
    Como assim continuam usando algo que já foi proibido? Só pq mudou de nome?
    Abraços pros meninos e beijos pras meninas!

    Curtir

    1. Quando existe uma proibição, ela é feita por meio de um texto específico. Porém, a compreensão de como determinada tecnologia funciona faz com que as equipes encontrem maneiras de driblar o regulamento, como ocorreu diversas vezes com o chamado escapamento soprado até a FIA finalmente colocar o escapamento bem longe do difusor em 2014.

      Curtir

  2. Acho que esse ano teremos a volta da Mclaren ao pelotao da frente, segundo publicaçoes do brmotorsport eles usaram boa parte da segunda metade da temporada passada testando soluções para esta temporada. Isso procede JU ?

    Curtir

    1. Todas as equipes com orçamento de médio para cima trabalharam muito em função do novo regulamento na segunda parte da temporada e este é apontado como um dos motivos para o domínio da Mercedes ter sido tão grande.
      Corrigindo a filosofia do motor, a Honda deve dar um passo importante. E não é por acaso que Alonso cobrou o pessoal da aerodinâmica, que não tem acertado a mão há algum tempo.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s