Acidente de percurso

Escrevo estas linhas, confesso, na correria, esperando o avião para me mandar deste país que “adoro”. Escrevo correndo também porque o tempo ficou curto depois de uma corrida em que aconteceu um pouco de tudo, até uma manobra indefensável de Sebastian Vettel para cima de Lewis Hamilton, que pode ter mudado o rumo do campeonato.

Claro que todos têm o direito de ficar de cabeça quente, mas estou com Damon Hill (e isso não é normal) quando ele diz que “um tetracampeão do mundo tem que saber controlar melhor esse tipo de situação”. Mesmo se Hamilton tivesse enfiado o pé no freio para causar uma batida, o que não aconteceu, caberia ao alemão esperar que os comissários resolvessem a situação. Ao fazer justiça com as próprias mãos, perdeu completamente a razão e a compostura.

Porém, mais impressionante que o toque proposital em si, foi a reação de Vettel, e seria estranho se o alemão mantiver essa postura depois que a poeira baixar. Ele simplesmente ignorou sua própria reação e ficou insistentemente voltando ao ato inicial que, para ele, parece justificar qualquer tipo de atitude por parte dele.

Esse não é o Vettel que conhecemos e essa não é a disputa limpa que se desenhava entre os dois. Tanto, que no paddock começou a circular a tese de que a Ferrari e o próprio alemão sentiram o golpe do Canadá e do que vinha se desenhando como outra derrota em Baku. Enquanto em Montreal a corrida da equipe italiana foi comprometida, o ritmo inferior ficou mascarado. Neste domingo, não deu para esconder.

A esperança ferrarista é uma atualização no motor, que deve chegar na próxima etapa, na Áustria. Não por acaso, Vettel disse após a corrida que “o ritmo era bom, só perdíamos um pouco na reta”.  Por conta de um problema que teve ainda no terceiro treino livre, o líder do campeonato correu com uma unidade de potência “frankenstein”: a maior parte era da primeira unidade de potência, que já tinha quase 4.000km rodados, juntando com o terceiro MGU-H e turbocompressor. É o terceiro porque tanto Vettel, quanto Raikkonen, só podem usar a terceira e quarta unidades destes dois itens, os de número 1 e 2 não são seguros do ponto de vista de confiabilidade.

Na Áustria, o plano da Ferrari é atualizar tudo, menos o turbocompressor e o MGU-H, evitando, assim, uma punição. Mas será praticamente impossível que isso não ocorra ao longo do ano, dando mais um motivo para Vettel sentir-se ameaçado.

Porém, tudo isso são conjunturas e uma briga tão apertada ainda promete ter várias reviravoltas nas 12 provas que vêm pela frente. O que temos agora é Vettel com uma liderança considerável, de 14 pontos, tendo salvado bem duas corridas em que poderia ter tido um prejuízo muito maior. Só não fez um grande favor, em Baku, a sua reputação.

Falando em reputação, alguns pilotos ganharam pontos importantes neste domingo. Daniel Ricciardo, seja pela obra do destino ou não, mais uma vez foi quem trouxe o resultado para a Red Bull, recuperando-se da batida na classificação e aproveitando-se do abandono de Verstappen. Valtteri Bottas fez uma corrida sensacional, bem, pelo menos depois da segunda volta, em uma recuperação mais difícil do que a de Vettel há duas semanas, que só começou na verdade após o reinício da prova, com quase um terço das voltas disputadas. E Lance Stroll, o que dizer? Em uma pista em que muitos erraram, logo quem vinha errando mais na temporada teve um final de semana absolutamente irrepreensível. Assim como o próprio Vettel, veremos qual Stroll aparece para correr daqui a duas semanas na Áustria.

45 comentários sobre “Acidente de percurso

  1. Vettel pisou na bola! enfiou o pé na lama! Já deveria, inclusive, estar vacinado. Pois não é a primeira vez que Hamilton faz esse tipo de coisa. Deixar o pace car se distanciar logo antes da relargada. Vettel claramente sente a pressão.

    Curtir

  2. Foi terrível, idiota e desnecessário. Jogou a sua corrida fora e deve ter perdido uma montoeira de fãs ao redor do mundo. Mas convenhamos que ficar estressado fora do normal dentro do cockpit durante as corridas não é algo novo para Vettel que já mandou o Charlie ir pra aquele lugar e da chiliques cinematográficos com bandeiras azuis. Uma pena pra um cara que acho um ótimo piloto. Deveriam mandar ele para uma angry driver traffic school porque numa dessas ele joga o campeonato dele e quiçá da Ferrari pelo ralo. Alias se fizer besteira na Áustria, com 9 pontos na carteira, pega uma corrida de gancho e Hamilton deve levar até foto da mãe do cara pro autódromo pra provocar a ira do Alemão

    Curtir

  3. Gosto do Vettel, mas hoje ele deu mole. Se não fosse o Hamilton ter que parar, teria perdido pontos importantes. Mas deixou de aumentar a diferença. Que pode fazer falta com a possível perda de posições que terão por troca de componentes da UP.
    Só achei que demorou para sair a punição do Vettel.

    Curtir

  4. Ju, claro que Vettel segue com uma liderança considerável, como você mesma escreveu. Entretanto, se olharmos para o fato de que ele venceria não fosse essa manobra burra, no fim ele acabou perdendo uma boa chance de esticar essa liderança, não?

    Curtir

  5. Concordo que Vettel merecia ser punido e perdeu a cabeça. Ele é temperamental mesmo. Mas Lewis não tem nada de inocente. Não é a primeira vez que ele faz isso. E nunca é punido. Pra mim os dois deveriam ter sido punidos.

    Curtir

  6. Ju, amortecedores ??? A Quanto tempo não se ouve sobre isto??? Ou seja …. tiraram
    O massa do cAminho ??? Será que o dono da Williams esta falando alto 💰💰💰💰💰💰💰💰💰💰💰💰💰💰💰💰💰💰💰💰💰💰💰

    Curtir

  7. Já inicio minha análise deixando claro que torço por Vettel!

    Dito isso, quanto ao lance em si, é preciso dizer que Hamilton, quando está liderando o grid, tem umas atitudes no mínimo “estranhas” atrás do safety-car (vide Fuji/2007, quando desacelerou tão desnecessariamente que provocou uma batida entre o próprio Vettel e Mark Webber, sob chuva imensa).

    Quanto à atitude de Vettel, posso dizer que simplesmente faltou cabeça fria. Por mais que se sentisse sacaneado (o que não dá para dizer a princípio), não caberia a ele tentar resolver a situação daquela maneira tão tosca: que deixasse isso para os comissários analisarem. Ao optar por uma atitude descabida, chamou para si uma punição altamente evitável (embora eu discuta mais abaixo em que circunstância ela veio), jogando fora uma vitória no lixo em um fim de semana em que a Mercedes se mostrou ligeiramente superior (não tanto quanto sugerido no texto da Julianne, do qual discordo nessa parte).

    Quanto à punição: a corrida ficou parada por mais de 20 minutos sob bandeira vermelha. Depois que reiniciou, houve um bom intervalo sem qualquer decisão. Porém, no momento em que Hamilton se viu obrigado a parar novamente (e tal parada custaria uns bons segundos), a direção de prova “decide” dar a Vettel uma punição “na medida” do tempo perdido pelo inglês: stop and go de 10 segundos. Dada a demora, eu até pensei que ela ficaria para análise após a prova. Pareceu-me uma decisão “conveniente” para a FIA e seus comissários pela atitude intempestiva de Vettel dado o problema que Hamilton teve: tirar de Vettel a possibilidade de vitória para “compensar” não terem dado a sanção imediatamente. Não discuto a punição, considero-a justa (não bandeira preta como o Max Wilson sugeriu na transmissão do Sportv, porque não é essa a punição prevista no caso de direção perigosa; isso é opinião de quem fala sem nunca ter lido uma linha do regulamento esportivo); apenas achei “estranho” o momento em que ela foi aplicada.

    No mais, não vejo como “duro golpe” na Ferrari as atuações da Mercedes no Canadá e em Baku na Ferrari. No Canadá, Vettel talvez não tivesse mesmo condições de duelar com Hamilton (um circuito à feição do inglês), mas sua prova de recuperação foi extremamente boa (dar-lhe-ia seguramente o 2º lugar caso a Ferrari o tivesse parada durante o safety-car no início); já em Baku, apesar da diferença de mais de um segundo na classificação, o ritmo de corrida esteve lá o tempo inteiro, principalmente quando o inglês se viu em perseguição a Vettel.

    Quanto à compostura, certas coisas precisam ser analisadas no contexto. Não aprovo a atitude de Vettel (como torcedor dele, me deixa até um pouco decepcionado), mas nada de julgá-lo na cruz, como não fiz com Valentino Rossi quando do entrevero com Marc Márquez na Malásia em 2015. Certas coisas fazem parte da carreira do piloto (Vettel e o Multi 21 na Malásia/2013; Hamilton e a mentira na Austrália/2009), mas o tempo mostra que isso é uma gota no oceano e que sua carreira não se resume a isso.

    Curtir

    1. Excelente comentário mas discordo no que tange a direção perigosa, aquilo foi atitude anti desportiva.
      Se fosse outra escuderia, seria punido com desclassificação.
      Fico na dúvida se Hamilton não tivesse o problema no HANS, haveria punição a Vettel.
      No fim das contas, Vettel saiu no lucro.
      Obs.: Isso abre um precedente perigoso e foi provado, com a telemetria do Hamilton, que não houve o “break test”.

      Curtir

    2. Um textão desse tamanho, para tentar defender o indefensável. Hamilton não fez NADA, só fez na cabeça de Vettel e na de algum de seus fãs que estão cegos.
      Qualquer outra equipe a bandeira preta teria sido mostrada.
      A punição foi ridícula e a atitude do alemão depois da prova mais patética ainda, perdi todo o respeito pelo piloto.

      Curtir

    3. Billy, um pequeno detalhe no seu comentário que que me parece erroneamente observado: a referência à bandeira preta era conjectura sobre evolução da punição caso o alemão demorasse mais de 2 voltas – disseram narrador e comentarista – para fazer o stop-and-go. Foi o que escutei.

      Curtir

      1. Entendi, Fernando.

        Nesse caso, sim, caberia bandeira preta, mas é lógico que nem passou pela cabeça da Ferrari e de Vettel cogitar descumprir a punição.

        Mas o que eu ouvi na transmissão foi exatamente isso: a bandeira preta pelo toque em si, o que seria completamente descabido já que nem o regulamento esportivo prevê isso.

        Curtir

      2. Isso não é verdade, Billy. O regulamento prevê de 5s a bandeira preta ou exclusão do evento seguinte para pilotagem perigosa, e pelo que sei Vettel esteve muito perto de ser desclassificado.

        Curtir

      3. Ok ; realmente , Vettel e sua equipe, por mais contrariado que ele tenha ainda lá na pista, ficou claro que nem cogitaram de desobedecer a ordem de stop-and-go.
        Também, em minha visão, a denominação “dangerous driving” foi para realçar o ridículo do toque no carro líder enquanto todos ainda sob safety-car – o ‘timing’ da punição foi também um pouco ridículo, sem preocupação de esconder que a situação de estess 2 pilotos disputando a liderança do Campeonato foi também determinante para a posição dos oficiais de prova.

        Curtir

      1. Honestamente, seria capaz de nem haver punição: o que ocorre no fundo do grid muitas vezes nem passa nas câmeras da FOM e raramente é levado à investigação, pois em quase nada agrega ao resultado final das provas.

        Curtir

  8. Tenho a impressão que o Hamilton já tinha conseguido colocar o protetor no lugar. Parada nos boxes, desnecessária.

    Sera que corre sangue italiano nas veias do Vettel?

    Curtir

  9. Como manchar uma reputacao para sempre. Von Sebastian Vettel. No episodio multi 21 ate deu para dar uma forcada e esquecer…, mas essa foi ridicula. E como foi falado por alguem aqui, nem depois da corrida sabendo que o Hamilton nao tinha feito o teste do freio, ele perdeu a pose. “Sad. Wrong”….como escreve aquele um no twitter…

    Like idol, like fan. Igual o Dick Vigarista…

    Curtir

  10. Tive a impressão de que a Mercedes não trocou os pneus de Hamilton ao mexer na proteção. Foi isso mesmo? Por quê? Faltaram pneus super macios? E não cabia mesmo uma desclassificação de Vettel?

    Curtir

    1. A pista tinha um asfalto muito duro, e demoraria muito pra poder aquecer os pneus e começar a fazer boas voltas, além disso, eram poucas voltas com o pneu, e poucas voltas para o fim, então pararam ele só pra corrigir o problema.

      Curtir

  11. Vettel fez o que muitos fazem numa briga de transito, além do mais só foi um totó nos pneus sem grandes consequências em Hamilton, foi mais para fazer pressão, aliás o Lewis é bem dissimulado e reincidente na atitude de diminuir exageradamente atras do carro de segurança. A mídia esta deitando e rolando com essa bobagem. Vettel continua como multi campeão e sem arranhões, todos campeões fazem merda em algum momento, Piquet, Valentino, Alonso, ….

    Curtir

  12. Minha Humilde opinião.

    Muita gente aqui comentou, uns defendendo o Vettel, outros atacando o Hamilton, o que, em tese não muda o fato. Hamilton fez, o que o regulamento permite que ele o faça, que é ditar o ritmo, a partir do momento em que o Safety car se retira da pista. O Hamilton andar mais “devagar” que o normal nesse momento, ao meu ver, é a mesma coisa que um piloto espalhar o carro pra cima do outro e joga-lo pra fora da pista em uma disputa por posições. É algo que pode “parecer” desleal, e até não ser aprovado por todos, mas o regulamento permite. Vettel dormiu no ponto, e esbarrou o carro em Hamilton. Obviamente ele se assustou, e ficou indignado com a atitude do inglês. Até ai, tudo bem, tudo certo, mas, colocar o carro de lado e bater deliberadamente de propósito, ai sim, pra mim, ele merecia uma punição, até mais dura do que ele recebeu.
    Houve pessoas que questionaram o tempo em que demoraram pra dar a punição, e na hora que ela veio (logo quando Hamilton teve que parar). Pra mim, a punição teve uma análise muito profunda, mas foi branda. Ela foi tomada, mas veio no momento em que o Hamilton teve um problema, e, depois disso tudo, o Vettel ainda somou mais 2 pontos do que o Hamilton, que dominou treino e corrida, teve mais ritmo que a Ferrari, e etc. Enfim, na minha humilde opinião, o alemão ficou no lucro, mesmo depois disso tudo. O fator Ferrari, com certeza influenciou muito. Concordo que o Vettel é maior que isso, mas ele fez uma besteira imensa, assim como as besteiras que o Hamilton já fez no passado, como a batida em Kimi Raikkonen no gp do Canadá de 2008, e vários outros pilotos fizeram, até Schumacher, no GP de Monaco de 2006, onde ele parou o carro pra impedir a pole do Alonso. Enfim, foi mais uma lambança, mas ficou um gosto de “injustiça”, porque mesmo depois disso tudo, ele ainda levou mais 2 pontos pra casa. Reflitamos sobre isso.
    Vettel as vezes reclama demais dos outros pilotos. Ano passado ele até ganhou essa fama de reclamão por alguns da mídia, pelo tanto de vezes que o infeliz reclamava. Reclama tanto, que ele está perdendo o crédito que tem. Acredito que, até então a Ferrari não teria sentido o golpe da evolução da mercedes, mas, depois desse gp, em que a lambança foi geral, e principalmente de seu piloto, talvez ela comece a prestar mais atenção.

    Curtir

    1. Ótima escrita Gustavo!
      A todo isso que citou, gostaria de lembrar abatida de Alain Prost em Ayrton Senna e no ano seguinte a batida de Ayrton em Alain Prost.
      Quem acompanha a F1 sabe muito bem que não existe campeão santo, Jenson Button foi favorecido em cima de Rubens em 2009 também (Rubens dormiu o ponto, mas algumas atitudes da BrawnGP também são questionáveis), na época em que correu e foi campeão na Williams, Nelson Piquet dizia que só revelava o que descobria de bom pro carro em cima da hora, pq sabia que a equipe ia utilizar e favorecer Nigel Mansel
      Quem acompanha sabe! Nem Vettel, Nem Hamilton são santos, o único campeão que TALVEZ escape a isso seja o Kimi Raikkonen em 2007, mas que se favoreceu de fatores externos (a briga interna na McLaren).
      Isso é claro dos que consigo lembrar facilmente e sem muita pesquisa, o resto é querosene no fogo pra fazer o show render!
      Maravilhosamente bom ver uma F1 tão disputada novamente!
      Aguardo ansiosamente o credencial Julianne!
      Abraços pros meninos e beijos pras meninas!

      Curtir

  13. Esqueci de perguntar Julianne,
    Por ser uma pista rápida e com bons pontos de ultrapassagem, não seria bom, do ponto de vista tático, a Ferrari tomar essas punições na Áustria?
    Umas grande abraço pra você!

    Curtir

  14. Estamos tão presos ao “politicamente correto” que achamos as reações humanas aberrações, ora, Vettel ficou puto, saiu do controle, mas longe de ser um risco de morte para ambos, devido a baixíssima velocidade…me lembro quando Alonso perdeu o título para Vettel em Abu Dhabi quando não conseguiu ultrapassar Petrov e o pessoal caiu matando (sobre o dedo triunfante, kkkk), falando sobre caráter etc e tal, ora, quem nunca mandou um vai tomate vermelho na fuça do outro ou ficou no desejo, kkkk. Somos seres humanos sujeitos a falhas, e nossas inconsequências e acertos é o que nos tornam únicos, portanto, errar é humano, e se está no regulamento, que dêmos a Cesar o que é de Cesar…

    Curtir

  15. o que estranhei depois de tudo isso foi que lewis passou 17 voltas atras de vettel , como lewis tinha ritmo melhor no fim de semana inteiro, uma reta imensa drs aberto e mesmo assim nao tentou ultrapassar colocar de lado e tal,,,sinceramente eu achava q lewis faria a ultrapassagem ate de forma facil no final da reta e me enganei…pra ferrari levar esse caneco basta melhorar em qualy pra poder largar mas vezes na frente…largando na 2 fila sera sempre mais dificil

    Curtir

  16. Apesar da FIA declarar que não houve “break test” ou desaceleração por parte do Hamilton, a própria materia do JN mostra que o Hamilton encostou no pedal e brecou quando já tava quase parado a uns 50 km/h. Algo de errado não esta certo nessa historia.

    Curtir

    1. A matéria mostrou o procedimento nas outras relargadas? É isso que a FIA viu, que ele adotou o mesmo procedimento em todas. E isso tem a ver com o fato da SC line estar bem à frente. Se ele sai da última curva mais perto do SC, o ultrapassa antes dela.

      Curtir

  17. Acho que a direção não deu bandeira preta porque nem parece claro que ele tocou de propósito. Parece que nem segurava o volante direito, pois após o toque a Ferrari pula de volta e a Mercedes segue reto. A impressão é que ele estava tão puto reclamando que não segurou o volante, e por isso tocou.

    Curtir

  18. Eu até gostaria de criticar mais efusivamente a atitude nojenta (dentro e fora da pista) do Vettel, mas ao constatar que o público ainda ameniza e até defende o Valentino Rossi por ter chutado o Marc Márquez pra fora da pista, volto a sentir a mesma admiração que tinha por ele antes do fatídico episódio.

    Se fosse o Rossi no lugar do Vettel, iriam criticar o Hamilton, pois adoram julgar as pessoas e não os seus atos.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s