Estratégia do GP da Malásia e por que Vettel não foi ao pódio

O GP da Malásia foi mais uma vitória jogada no lixo pela Ferrari, claramente o carro mais rápido do final de semana, mas certamente não o mais confiável. Tanto, que o quarto lugar de Vettel, saindo de último, é para ser comemorado pela Mercedes, que conseguiu usar Bottas para frear o alemão mesmo sem ritmo para tal.

A chuva e principalmente o acidente de Grosjean, que aconteceu justamente durante as simulações de corrida, atrapalharam a preparação das equipes, mas era possível perceber uma Ferrari superior, com a Red Bull atrás e a Mercedes mais lenta, especialmente com os supermacios, que estavam se superaquecendo. Nos cálculos do time alemão, faltavam 0s8 em relação à Ferrari e 0s4 em relação à Red Bull.

Foi por isso que nem a própria equipe entendeu como Hamilton fez a pole, ainda que Raikkonen tenha errado a última curva e o modo de motor de classificação da Mercedes faça diferença. E, no domingo, a incerteza em relação ao desempenho, ainda mais com a chuva que lavou o circuito horas antes, era total. Ou pelo menos até a quarta volta, quando Hamilton nem lutou para defender o primeiro posto e passou a correr pelo campeonato.

Vindo de trás e com a missão de ser pelo menos quarto depois que Raikkonen nem largou, Vettel fez uma boa primeira volta e passou passou seis carros, ganhando oito posições pelo abandono do companheiro e o pneu furado de Ocon. Ficou travado atrás de Alonso por cinco voltas, o que surpreendeu, mas quando Felipe Massa abriu os trabalhos de pit stops no meio do pelotão, no que acabou sendo um erro da Williams.

Entrevistei Stroll logo que ele saiu do carro e ele já estava reclamando de não ter sido chamado aos boxes antes de Massa, o que seria o normal porque ele estava na frente. Mas o time inglês não julgou bem o poder do undercut, e apostou que o brasileiro, que estava 1s8 atrás antes do pit, não voltaria na frente quando o canadense também parasse. Isso não aconteceu, os dois perderam tempo duelando e, depois, com Massa cedendo a posição, e a Williams perdeu um provável sétimo lugar, pois a McLaren demorou mais uma volta para chamar Vandoorne, cochilo que deveria ter custado pelo menos uma posição.

De qualquer maneira, essa sequência de paradas ocorreu antes do esperado e abriu o caminho para Vettel. Isso, até o alemão encontrar Bottas pelo caminho. A estratégia do finlandês foi sacrificada para proteger Hamilton, mas os cerca de 3s perdidos pelo piloto da Ferrari até que o time decidiu fazer o undercut para se livrar da Mercedes – além do potencial tempo ganho ficando por menos voltas com o pneu supermacio, como era o plano inicial – foram fundamentais para Vettel não ter sequer ameaçado seu rival na disputa pelo título.

Depois da prova, contudo, surgiu mais um ingrediente que explica o fato da Ferrari ter ficado de fora do pódio: lembra do julgamento ruim da Williams em relação ao undercut? Uma explicação é o fato do asfalto ter mudado depois do recapeamento feito logo antes da prova de 2016. A ‘maturação’ o alterou, e isso afetou tanto a degradação dos pneus, quanto o combustível. Sim, a pista ficou mais rápida e mais ‘gastona’ e os treinos livres não deixaram isso claro.

Aí estaria o motivo de Vettel ter chegado em Ricciardo dando pinta de que passaria, mas não o fez. Via rádio, ele recebia instruções para fazer lift and coast, ou seja, tirar o pé do acelerador para frear o carro bem antes do ponto de freada, o que economiza combustível. Ou seja, a Ferrari arriscou na conta do combustível e acabou sendo surpreendida por essa mudança da pista.

Isso levou até à teoria da conspiração de que Vettel entrou no caminho de Stroll na volta de desaceleração sabendo que estaria abaixo do peso mínimo. Tudo bem que a F-1 gosta de trabalhar no limite e o GP da Malásia foi prova disso, mas aí já é risco demais…

8 comentários sobre “Estratégia do GP da Malásia e por que Vettel não foi ao pódio

  1. Nossa, se o Vettel além da corrida de recuperação ainda teve que se preocupar com isso, o Alemão realmente tinha carro pra incomodar todos se não tivesse tido esses problemas no fim. Achei realmente estranho porque o ritmo dele diminuiu tanto no fim da prova. Um desgaste de pneus não faria o ritmo cair tanto como caiu nas últimas voltas …

    Curtir

  2. Não sei como uma profissional como você aguenta tanta besteira na transmissão da radio, principalmente do narrador, sei que não vai criticar seus companheiros de trabalho mas que eles passam do limite do tolerável, passam, falando da residência do Alonso, tenho três explicações, primeira o fato dele também estar abrindo a asa o que sempre deixa o trabalho de quem vem atrás mais difícil, o fato da Mclarem ter uma ótima saída de curva o que compensa em parte a menor velocidade e por último o fato do Alonso querendo provar que ainda é o maioral dar mais resistência que outros pilotos que duelando com um carro tão superior só perdem tempo e geralmente não põem grande resistência quando estão nessa situação, lembro o Kyviat que no ano passado resistiu bravamente ao Verstappen e foi aplaudido por todo mundo mas que só prejudicou sua corrida aumentando o desgaste de pneus e perdendo tempo para seus reais adversários.

    Curtir

  3. Ju, uma pergunta extra post: tendo em vista os problemas bélicos na península do Coréia e o evento no Japão, qual é o clima no paddock para essa corrida?

    Curtir

  4. Olá Julianne, parabéns pelo blog, um dos melhores sobre F1 em língua portuguesa, absolutamente. Sobre aspectos técnicos, provavelmente o melhor. Tenho uma dúvida, pesquisei sobre mas não encontrei uma resposta satisfatória e didática, simultaneamente: o que seria esse modo de motor de classificação da Mercedes? A queima dos tais lubrificantes já foi utilizada como argumento, mistura mais agressiva de combustível (como exatamente?), a eficiência do motor (de-rate), entre outros. O que exatamente torna o motor Mercedes mais poderoso nesse curto período? Grato pela atenção!

    Curtir

    1. Não é a toa que você não encontra uma explicação, pois não se sabe exatamente. O fato é que eles sofrem menos de-rating porque têm um motor mais eficiente, então conseguem essa potência extra tanto para uma volta lançada, quanto mantendo essa potência elevada por mais tempo durante a corrida.

      Curtir

  5. Oi Ju, tudo bem? Cada vez mais linda! Me diz uma coisa, por que Vettel retirou o volante do carro e por que ele não foi punido por pegar carona? Lembro que Webber levou uma reprimenda mas com o alemão a fia nem tchum… achei muito estranho as duas coisas.
    Abs!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s