Entre o nerd e o cool

De um lado, um esforço enorme para trazer nomes como Usain Bolt, Bill Clinton e Michael Buffer e fazer do grid um grande espetáculo, com direito a mudanças no regulamento especialmente para acomodar o evento. De outro, um piloto sendo tirado da antessala do pódio por uma manobra que levantou a arquibancada. A F-1 vive uma crise entre querer ser muito cool mas ter em sua raiz muita nerdice, e isso ficou claro justamente no GP onde a Liberty Media tentou dar um passo decisivo em direção ao entretenimento.

Entretenimento esse que foi garantido na pista por Max Verstappen – que não foi o único, é verdade: a agressividade foi a marca do GP dos Estados Unidos, algo que talvez seja motivado pela ótima pista desenhada por Tilke, que o diga Ricciardo, Bottas, Sainz e Vettel. Era esperado que o holandês escalasse o pelotão pela diferença de rendimento de seu carro, mas a maneira como ele fez isso, rapidamente chegando ao sexto lugar e forçando até o final fez da corrida em Austin mais uma performance que deixou o mundo da F-1 curioso para o que vem por aí nos próximos 10 ou 15 anos.

Max só vai lamentar a saída de pista com as quatro rodas na ultrapassagem em cima de Kimi Raikkonen na penúltima curva, até porque o finlandês estava tendo de tirar o pé por falta de combustível e seria presa fácil na reaceleração após a curva 20. O piloto da Red Bull não sabia disso, claro, e não foi o único a usar desse expediente. Foi o único, contudo, a ser punido.

E foi assim que o lado nerd venceu mais ou menos 1h30 depois do lado cool ter invadido o grid: a regra é clara e Verstappen a infringiu, mas a aplicação de tal regra tem sido inconsistente, gerando a necessidade de repensar o texto e examinar a consciência de quem fez um acordo para deixar os pilotos mais livres para correr. E levantarem a galera.

Levantarem como Hamilton fez com mais uma performance impecável, e se aproveitando ainda de uma Ferrari ainda aos trancos e barrancos, com Vettel pilotando um carro que mal conhecia, com atualizações importantes no assoalho – e não fazendo um grande trabalho com ele, forçando demais na parte inicial e saindo da pista em um momento crucial no “hammer time” logo após sua primeira parada. Não é a toa que não estava nem um pouco contente consigo mesmo depois da prova.

E essa tem sido a história desta temporada: na primeira vez em que tivemos um embate direto entre Hamilton e Vettel, o inglês ficou perto da perfeição com uma consistência assombrosa, e o alemão, mesmo também pilotando em alto nível, pecou nos detalhes.

Hamilton, também, teve a melhor equipe por trás: no primeiro ano em que foi verdadeiramente desafiada desde que começou a dominar a categoria em 2014, a Mercedes respondeu subindo de nível, e conquistou o mais importante de seus quatro títulos. O carro de 2017 não é dos mais fáceis de ser compreendido e por várias vezes gerou muita dor de cabeça para os engenheiros, mas a maneira como a equipe gerenciou isso, ainda mais passando o ano com poucos problemas técnicos, mostra que ninguém ganha quatro títulos consecutivos por acaso.

26 comentários sobre “Entre o nerd e o cool

  1. Desculpe Jú. Discordo de você. Regras são claras e não devem ser “quebradas” em nome do espetáculo.
    Alias a FIA deveria banir o pai do guri dos autódromos em provas oficiais, pelo menos por algumas corridas, pela idiotice que o cachaceiro publicou na internet depois da prova.
    Essa coisa de deixar o estrelão ter regras diferenciadas para agradar o espetáculo já sabemos onde acaba. Se fosse um piloto da Sauber ou da Haas teria siso punido, porque não o Verstappen?
    Não se deixe iludir pelo calor do show.

    Curtir

    1. Concordo 100% Alfredo! A regra tem que ser a mesma p/ *todos*! Se não vira palhaçada… o corrida de tapetão… de “panelinha”… Nascar? anyone?

      Curtir

    2. Regras claras, mas e os outros (quase todos) que saíram da pista e não foram punidos, regras claras para uns e escuras para outros. Niki Lauda e Mario Andretti acharam um absurdo, eu concordo com ele e para mim quem não concorda é um nerd.

      Curtir

  2. Concordo que as regras sao claras, mas os comissariso tem que ser consistentes e aplicar as regras para todos, o Verstappen foi punido corretamente , mas ha outros que fizeram o mesmo e nao foram….eh uma pena, assim como eh uma pena a queda do Bottas o calvario da McLaren… muito boa a corrida do Sainz , estou curioso para ver como a Diva Hulkenberg vai reagir agora com o español….Ju, quandoa Willimans vai anunciar o Kubica ?

    Curtir

  3. Track limits é essa zona cinza já faz algum tempo. Lembro de algum número de manobras ao longo dos últimos anos — Hamilton e Rosberg em Austin, 2015; Verstappen e Raikkonen em Spa, 2015; Vettel e Button na Alemanha, 2012 — cuja punição não foi consistente. E, pessoalmente, isso é o que mais me irrita no Verstappen: se é ele que faz a manobra, segue o jogo; caso contrário, chora e reclama de forma estúpida. Me parece que enquanto os comissários ficaram nessa incoerência, casos como esse vão continuar a acontecer.

    Curtir

  4. Ju, boa tarde. Excelente análise.

    Existe alguma explicação com relação ao mal desempenho do Bottas desde o retorno da F1 ? Alguma coisa que tem no carro, que faça com que ele não se sinta tão bem quanto o Hamilton ?
    Me lembro que em 2008, a ferrari teve um problema semelhante de desempenho com seus 2 pilotos na época, e o problema era de configuração de suspensão. Resolvido o problema, o desempenho de ambos os pilotos voltou a ser parelho.

    A mercedes e a Ferrari não responderam ao undercut do Verstappen, mas depois o Bottas realmente ficou sem pneus. Porque a mercedes não trouxe o Bottas para os boxes e colocou pneus ultra macios ? Ao meu ver, nessas condições ele teria muito mais ritmo para atacar Vettel, que naquela altura da prova estava no seu campo de visão.

    Curtir

    1. Você tem que ver é se ele tinha pneus sobrando. Eles são limitados. E no fim de um evento, quando sobra algum de alguém que largou no top 10, geralmente é usado.

      Curtir

  5. Com relação a punição do Verstappen. Achei injusto, devido a circunstância. O cara largou de 15º lugar, chegou em 3º mas foi punido por fazer uma manobra onde todos fizeram em algum momento do fim de semana. Lembro que em 2014 houveram muitas discussões sobre isso, principalmente em silverstone, e depois daquela briga linda entre Alonso e Vettel. Foi discutido, mas parece que agora voltaram a cobrar muito os pilotos em cima disso, mas faltou coerência na cobrança, porque uns fizeram e nada foi feito, e com o Verstappen a punição chegou a galope. O que se fala sobre isso agora no padock Ju ?

    Curtir

  6. A regra é clara, mas cabe uma pergunta, supondo que fosse Hamilton vs Vettel, iriam punir o Vettel ou Hamilton por ter passado o track limits?
    A inconsitencia da FIA e de seus comissários vem de bastante tempo atrás, por isso gera revolta.
    Vide Baku, o correto seria um desclassificação, mas …………..

    Curtir

  7. Para mim essa melhora da Mercedes e do Hamilton tem muito a ver com a saída do Rosberg que para derrotar o Hamilton sabia que teria que tumultuar os bastidores para tirar o inglês da zona do conforto.

    Curtir

  8. Sobre as ultimas provas do Verstappen, o que esta acontecendo é ele ter a possibilidade de fazer seu trabalho, o que as constantes quebras não estava permitindo, de cabeça o Verstappen não fica nada a dever so Alonso ou Vettel nos primeiros anos e leva vantagem sobre Hamilton da McLaren.

    Curtir

  9. A diferença entre Vettel e Hamilton é de alguém que tenta fazer a Ferrari voltar a ser campeã contra alguém que tem uma longa e vitoriosa lua de mel com a Mercedes, o inglês corre com tranquilidade.

    Curtir

  10. MotoGP dá uma lição quanto ao limite de pista.
    Máximo que pode sair é a zebra, qualquer parte pintada, ale´m dela, excedeu o limite da pista e perde volta mais rápida.

    Curtir

  11. O problema foi que ele passou saindo da pista. Se nào tivesse saido não teria passado. Merecia o pódio, claro. Mas não é justo alguém passar outro saindo da pista e quando isso acontece normalmente devolve a posição. Pelo show, foi uma pena. Mas pelo lado esportivo está super certo. E só uma correçãoÇ Nesta ano tivemos sim uma luta direta entre Hamilton e Vettel. Na Espanha e lá Hamilton tb passou Vettel durante a prova.

    Curtir

  12. Verstappen e a punicao: estao falando que o problema é que todos passaram a linha branca. mas esqueceram de perceber que passavam a linha branca na saida da curva, para fora do traçado. Verstappen cortou por dentro, algo muito diferente. se voce corta pra fora, iguala ou perde tempo, se corta por dentro, sempre ganha tempo. é algo simples de entender.

    Hamilton vs Vettel: existe alguma coisa na Mercedes que proporciona um boost de performance. quando o Hamilton passou Vettel na volta 6, logo abriu mais de um segundo, algo que nao era a realidade até o momento. Quando Hamilton parou e Vettel colou nele na saida da curva 1, Hamilton dispara e abre 1.5 segundos em uma volta, com o mesmo tipo de pneu que o Vettel. Fica até sem graça, a Mercedes deve ter desenvolvido algo para o Hamilton ter este boost, pois por mais braço que ele seja, nao tem como ser tao mais rapido assim.

    Curtir

  13. Não houve inconsistência nenhuma com o que tem sido feito este ano. Ele passou por fora na hora da ultrapassagem e pronto. Em qualquer categoria do mundo seria punido.

    No momento em que o cool dominar o nerd em uma organização ela vira o Brasil…

    Curtir

  14. Sei lá, a tolerância ao longo do fim de semana se deu, especialmente, com as alargadas na saída da curva 19. É uma situação que não dá para comparar com uma ultrapassagem utilizando o lado de fora da pista. Teria sido muito mais legal ver o Verstappen no pódio, mas ele ultrapassou cortando caminho por fora da pista, coisa que não me lembro de ter visto outro piloto fazer ao longo do final de semana. Por isso, não vi tanta incongruência assim na punição. As circunstâncias da disputa Raikkonen/Verstappen foram bem outras em relação àquelas que foram toleradas quanto aos limites de pista.

    Curtir

  15. Considero a punição ao Verstappen justa, pq detesto essa história de piloto usando linha branca ou área de escape da pista, e isso acontece é muito!
    Mas também é muita mancada da FIA colocar áreas de escape ao invés da boa e velha caixa de brita ou muros para limitar a pista como era nos anos 80/90 e o piloto tinha que ser realmente bom para encontrar o limite da pista sem sair da prova.
    Sendo assim, concordo com a punição, mas também concordo com a declaração de Nick Lauda:
    “Se não querem que ninguém passe, que coloque muros ali.”
    Somente quando a FIA voltar a dificultar a vida dos pilotos, em termos de braço para guiar o carro, a F1 vai voltar a ter os melhores pilotos do mundo. Até lá, o que teremos é isso punições duvidosas a pilotos ousados.
    Abraços pros meninos e beijos pras meninas!

    Curtir

    1. concordo integralmente com seu comentario. achei estranho a frase “max merecia o podium”. o menino pilotou muito, muito, mas infringiu uma regra. paciencia. nao entro no merito do “com a ferrari he diferente”.

      realmente poderiamos ter mais punicoes para saidas de pista. quer arriscar e ir alem do 100%? pague o preco se der errado. era otimo assim.

      Curtir

  16. Regra é regra, mas o piloto tem que arriscar. Se vir a punição, paciência.
    Achei o Vettel muito passivo na ultrapassagem do Hamilton. Mas acho que era uma questão de tempo. O Hamilton não parecia estar usando tudo do carro.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s