Por que Kubica?

Já faz algumas semanas que Robert Kubica tem em suas mãos uma proposta para retornar à Fórmula 1 depois de sete anos, pela Williams. Mas o porquê da opção do time pelo polonês não é uma questão que tem resposta fácil ou unânime no paddock.

Kubica sempre foi um piloto muito respeitado tanto por seus pares, quanto pelos engenheiros. Fernando Alonso já disse várias vezes que o polonês é o melhor piloto com quem já correu, tendo inclusive vetado seu nome na Ferrari. E profissionais que trabalharam com ambos na Renault dizem que, no mínimo, uma eventual briga entre os dois seria apertada. Ou vencida por Kubica.

Mas esse era o piloto de antes de um acidente que poderia tê-lo matado e por pouco não lhe arrancou o braço ou aquele que desde que voltou a andar com monopostos – o que aconteceu apenas há poucos meses! – decidiu que estava pronto a retornar à F-1?

Muito se ouviu sobre os testes que Robert fez na Renault e na Williams. Os tempos em si não foram espetaculares, o próprio piloto saiu decepcionado com sua performance na Hungria (o que quem o conhece diz que não surpreende em nada por seu mau humor e pessimismo característicos), e seu tempo final acabou sendo pior que a comparação direta com Paul di Resta – ainda que há quem diga que o polonês, ao contrário do escocês, não fez uma simulação de classificação.

Porém, o destacado em todos os testes foi a evolução desde que pegou o carro pela primeira vez até o fim de cada dia na pista. Evolução sua, mas especialmente do carro em si. É difícil ter dados 100% confiáveis, mas fala-se em 1s do começo ao fim do teste com a Williams em termos de acerto, com velocidades de curva maiores do que Massa e Bottas conseguiram com o mesmo carro e no mesmo circuito em 2014 – ainda que as condições possam ter sido outras.

Mais importante, Kubica, como há 10 anos e como tem sido desde então, nos vários carros que foi chamado para desenvolver, deixou os engenheiros felizes.

E Massa, não deixava? Perguntei ao diretor técnico da Williams Paddy Lowe, se ele considerava o brasileiro um piloto desenvolvedor de carro. Ele disse que sim, pois “para desenvolver um carro o que o piloto tem de fazer é ser constante. O resto é trabalho dos engenheiros”. De fato, com o aumento dos dados à disposição, o feeling do piloto hoje tem papel menor, mas se Massa estava fazendo tecnicamente um bom trabalho, por que arriscar dar o carro a alguém que está há 7 anos fora e tem 30% dos movimentos do antebraço direito?

Massa deu a entender de uns dois meses para cá que estava sendo escanteado por Lawrence Stroll que, inclusive, paga o salário de Lowe. E talvez preocupe Kubica o fato de entrar em uma equipe em que não está muito claro quem manda. E sem saber muito bem qual será seu papel.

Para a F-1, é claro que o melhor é que o velho Kubica esteja de volta. Ele garante que suas deficiências lhe atrapalham muito mais no cotidiano do que no cockpit – e a única alteração é na borboleta de câmbio, pois ele só a opera do lado esquerdo – e quem o conhece diz que ele só voltaria com 120% de certeza de quem tem condições para isso. Para a Williams, é uma história que traria muita visibilidade em um ano no qual o time se colocou a dificílima meta do quarto lugar entre os construtores – lutando não apenas contra a Force India, mas também a McLaren e a Renault. E eles vão precisar de piloto.

12 comentários sobre “Por que Kubica?

  1. Ao que parece, “money talks one more time”. Natural na F1, inclusive comum na história recente, em especial na Williams (equipe incapaz de desenvolver carro competitivamente durante a temporada.

    Curtir

  2. Eu gostaria de ver o Kubica de volta.
    Para o desenvolvimento do carro durante a temporada seria excelente.
    Para o marketing também.
    O problema é o Stroll. Ao mesmo tempo que o carro pode evoluir mais que em outras temporadas, se o Kubica for realmente competitivo, vai detonar o Lance Stroll.
    Eu gostaria de ver o Kubica na Toro Rosso desenvolvendo o motor da Honda.

    Curtir

    1. O que nos leva a uma pergunta para nossa gloriosa Ju…

      Até que ponto um piloto desenvolve ou ajuda no desenvolvimento do motor, exclusivamente?

      Prevejo uma série de Posts pras férias, com o objetivo de não matar os leitores de abstinência, sobre como o piloto desenvolve cada parte do carro junto com engenheiros e quais os melhores em cada quesito. 😀

      Curtido por 1 pessoa

      1. Olha, baseado na McLaren podemos dizer que praticamente NADA. Ou o Alonso não sabe desenvolver carros. Pois ficou 3 anos apanhando com a enceradeira da Honda. Com a tecnologia de hoje é a quantidade de engenheiros que um time tem o piloto não desenvolve quase nada. O que ele pode fazer é tirar o melhor do carro.

        Curtir

  3. Lutar pelo quarto lugar mantendo o Lawrence Stroll no cockpit? Duvido bastante, o garoto dificilmente irá melhorar muito mais do que isso, ganhou tudo por onde passou pq a grana do pai dele falou mais alto nas equipes, o único problema é que na F1 as coisas são diferentes e o poder de investimento de McLaren e Renault, assim como a capacidade de reação e competência dos profissionais da Force india, falarão bem mais alto que a grana dos canadenses.
    A Williams vai lutar lá pelo sexto lugar junto de Haas, Sauber e Toro Rosso e isso nas melhor das perspectivas, esse ano já mostrou que com somente um piloto pontuando é complicado. Para disputar o quarto posto precisaria de dois pilotos competentes e isso a Williams não terá.
    Julianne, tem como desenvolver um pouco mais esse “escanteado por Lawrence Stroll”?
    Fiquei bem curioso sobre o caso, teria o canadense virado o Marcus Ericsson da Williams?
    Grande abraço a todos e um especial para a Julianne!
    P.s.1: Só pude ouvir o GP do Brasil pela rádio com vocês e como sempre adorei a transmissão.
    P.s.2: Se já comentei sobre o P.S.1 em outra parte do blog me desculpe, é que não me lembro.

    Curtir

  4. A volta do Kubica seria incrível. Mas pra fazer dupla com Stroll é duro, hein? Será que vamos entender o real potencial da Williams em 2018?

    Acho que a Williams vacilou em não fechar uma parceria com a Honda. Ao menos estariam financeiramente resolvidos, sem precisar ficar refém da família Stroll.

    Curtir

  5. No meu entender Kubica não será o Lauda do Século XXI.
    Seu retorno só não será um desastre completo por ser Stroll na garagem do lado.
    Em meu entender, a turma do Lawrence Stroll apoiou Kubica em detrimento de Massa (e demais cotados), pois vislumbra uma forma de Lance sobrepujar um medalhão, ainda que nessas condições comparativas.
    Kubica tinha deixado uma bela imagem profissional, o eterno “se” é uma constante quando seu nome é mencionado. Deve estar seguro do passo que está dando, pois não podemos perder de vista o segundo Schummy, da Mercedes, que se não ofuscou o mito, em nada contribuiu para alimentá-lo.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s