Viajando para o GP

GP do Canadá ao vivo: Turistando na F1

Como é ver o GP do Canadá ao vivo

Uma cidade bacana por vocação festejando as primeiras semanas em que o frio dá uma trégua. Ah, e tem uma corrida de F1 também, que costuma ser das boas. Vira e mexe tem gente que pede dicas para ver o GP do Canadá ao vivo e não é para menos. É um dos melhores eventos da temporada e é relativamente acessível saindo do Brasil.

Compre ingresso para: arquibancadas 11 ou 15

São duas as melhores opções de arquibancadas em Montreal, lembrando que o general admission lá não vale tanto a pena em relação à visão de pista. A 11 fica na saída da curva 2, então dá vista da primeira parte da pista, onde costuma haver bastante ação. E a 15 fica no hairpin, outro ponto de ultrapassagem.

Os preços são praticamente os mesmos (por volta de 350 dólares), e a 11 tem a vantagem de estar mais perto do pódio e a desvantagem de ser muito mais longe da entrada que a 15, de acesso super fácil via metrô. Só cuidado para escolher os assentos mais na parte de cima.

Hospede-se em: St. Catherine e redondezas

Isso, claro, se você quiser curtir mesmo o GP do Canadá, porque a festa invade a madrugada. Quem quiser garantir a noite de sono é só se afastar algumas quadras. Ainda assim você estará perto das principais atrações e também do metrô.

Vá de: metrô

O GP do Canadá é um dos de mais fácil acesso da temporada. Há muitas estações pela cidade e é fácil usar o sistema, que ganha esquema especial para o GP. A estação que vai até o parque onde fica a pista está a uma caminhada de 15 minutos do hairpin.

Para quem gosta de correr, fica a dica de subir até o topo do Mount Royal. Foto: Julianne Cerasoli

Não perca: atividades culturais

O GP do Canadá é um daqueles que trazem artistas renomados para fazer shows na pista. Mas, se você quiser uma experiência diferente, Montreal é cheia de opções culturais. A Place des Arts costuma receber festivais nessa mesma época e dá para você sentir a energia das pessoas que ficaram meses presas entre os subterrâneos da cidade devido ao inverno rigoroso.

Combine com: Toronto

É mais um caso de stopover grátis ou praticamente grátis se você voar AirCanada (a companhia cobra 50 dólares canadenses dependendo da tarifa): dá para conhecer duas cidades com apenas uma passagem aérea, neste caso, Toronto.

Enquanto em Montreal você vai encontrar uma forte influência francesa e um ar mais europeu que em outras metrópoles da região, Toronto é famosa por ser a cidade mais multicultural do mundo. Mais de 140 línguas são faladas por lá. E, assim como a quase vizinha, é uma cidade que está cheia de atividades nessa época do ano.

Quanto fica ver o GP do Canadá ao vivo?

Os preços dos hotéis são salgados, mas o Airbnb funciona muito bem por lá e dá para se hospedar por menos de 350 dólares. Contando mais 350 para o ingresso, é um dos GPs com melhor-custo benefício. Principalmente conseguindo uma passagem mais barata que 800 dólares.

Vale a pena ver o GP do Canadá ao vivo?

Muito. É um dos melhores eventos do calendário. A cidade é incrível, respira F1 durante a semana da corrida, tem muita coisa para fazer, e a disputa na pista costuma ser boa.

5 comentários em “GP do Canadá ao vivo: Turistando na F1”

  1. É tudo verdade! Eu estou por aqui. No meu caso só pude pagar pela General Admission. Paguei 70 dólares canadenses pra assistir ao treino classificatório e meu filho de 8 anos entrou de graça! Valeu muito. Montréal é muito legal e o canadense mais ainda. No meu caso vou combinar a visita com Quebec City, que fica a 2h30 de Montréal.

Deixe uma resposta