Estratégia do GP da Hungria e como a Ferrari não pôde vencer a pista de Hungaroring

A Ferrari tentou de tudo para reverter o prejuízo com o qual Sebastian Vettel acabou depois da classificação do GP da Hungria: dividiu estratégias duas vezes para tentar tirar dois carros da frente do alemão e permitir que ele usasse o caminho livre para imprimir seu ritmo superior ao de Lewis Hamilton. Mas pelas características da pista e falhas de execução, chegar em segundo foi o máximo possível.

Na classificação, Lewis Hamilton conseguiu talvez sua pole mais improvável do ano, em uma corrida em que, sob condições normais, largaria em quinto. Isso porque a Mercedes superaquecia os pneus traseiros, que não têm retas longas para “respirarem” em Hungaroring, mesmo em uma volta lançada. E isso acabou sendo benéfico com a pista molhada – além da sensibilidade acima da média do inglês para sentir onde está a aderência nestas circunstâncias.

Vettel largou com os pneus macios confiando na melhor saída da Ferrari, que evitaria que ele ficasse exposto aos rivais que vinham atrás, ao mesmo tempo em que teria a chance de, logo depois que os pilotos dos top 3 parassem, ter pista livre para fazer valer o melhor ritmo da Ferrari.

Paralelamente a isso, o plano da Scuderia envolvia usar Kimi Raikkonen para fazer o pit stop cedo e, com isso, atrair Valtteri Bottas. Assim, seriam dois carros a menos à frente de Vettel. Kimi acabou ficando encaixotado por Bottas na largada e perdeu a posição para Vettel logo no início da prova. Mas a tática de usá-lo para atrair Bottas funcionou e, na volta 15, o alemão passou a ter pista livre no momento em sua diferença em relação a Hamilton era de 8s6.

O inglês primeiramente apertou o ritmo e abriu mais 2s, mas não demorou para seus pneus começarem a sofrer. Quando ele parou, tinha 8s7.

Ali existia uma janela interessante para Vettel: os pneus macios não se desgastam tanto, e na verdade até demoravam algumas voltas para que os dianteiros entrassem na temperatura ideal. Tanto, que Hamilton não voltou andando tão mais rápido do que os ultramacios usados.

Mas Vettel não estava conseguindo adotar o ritmo esperado. Analisar após a bandeirada é bem mais fácil, mas se o alemão parasse na volta 33, antes de pegar uma sequência complicada de quatro retardatários, voltaria certamente à frente de Bottas e 6 ou 7s de Hamilton.

O problema é que a Ferrari não confiava que os ultramacios iriam durar mais da metade da prova, ainda mais com Vettel tendo de tirar a diferença na pista. Assim, tiveram que esperar correndo o risco da diferença para Bottas não ser mais suficiente. E, depois de uma combinação de duas voltas na casa de 1min24, enquanto o finlandês andava em 1min22, e um pit stop pouco menos 2s mais lento que o normal, a chance de brigar pela vitória se transformou na obrigação de conseguir um segundo lugar.

Quando Vettel se viu atrás de Bottas, mudou seu foco, como ele mesmo admitiu: logo percebeu que os pneus do finlandês ainda estavam aguentando e decidiu esperar para atacar no final. Quase deu azar do rival encher sua traseira, mal conseguindo parar sua Mercedes no lado sujo da pista e sem pneus, mas cumpriu sua meta.

No final das contas, mesmo com a má execução do domingo, o GP da Hungria deveria ter sido um passeio da Ferrari, que se complicou quando a chuva apareceu na classificação. Entretanto, o ponto mais interessante é que, quando analisamos a prova, é difícil achar um momento em que Mercedes e Ferrari se enfrentaram em iguais condições de ritmo, e isso está diretamente ligado ao fato de, com a chuva, o tipo de composto da largada ser liberado. Especialmente com três equipes tão melhores que não são penalizadas por fazer o Q2 com compostos mais duros, não seria a hora de rever essa regra?

17 comentários sobre “Estratégia do GP da Hungria e como a Ferrari não pôde vencer a pista de Hungaroring

  1. Ficou a impressão que se não fosse a quase impossibilidade de ganhar posições sobre carros de desempenho próximo a tática de duas paradas seria a melhor, também achei que Vettel foi conservador porque sabia que na pista não passaria e se forçasse a barra acabaria com seus pneus e perderia mais tempo, teria que ter esperar os pneus do Bottas acabar primeiro.

    Curtir

  2. Ju fiquei aqui pensando se a Mercedes não foi ” inocente ” em ter os 2 carros com o mesmo tipo de pneus ( Ultramacios ) na largada….Já era de se esperar que a Ferrari de Vettel largando em P4 faria algo diferente com relação aos pneus e a estratégia na corrida .Hamilton conseguindo vitórias improváveis e Vettel perdendo pontos valiosos no campeonato.

    Curtir

    1. Concordo com vc Kalixtu , a Mercedes tinha a obrigação de colocar um dos pilotos num stint mais longo , independentemente da largada

      Curtir

  3. Excelente análise.
    As Mercedes largaram melhor e contaram com uma reta mais curta. Diria que o fim de semana que deu tudo certo para o Hamilton.
    Nesta temporada a chuva e o safety car tem ajudado mais o Hamilton.
    Realmente seria uma boa não ter mais a obrigação de largar com o pneu que fez o melhor tempo no Q2. A liberdade de escolher com qual composto largar daria uma alternativa a mais nas estratégias.

    Curtir

  4. Boa análise, Ju, mas acho que essa possibilidade dos pneus é que deixa o show mais emocionante. Tanto que, não fosse isso, seria uma procissão sem fim essa corrida. Em condições similares de pneu, não acredito que haveria briga, pois se considerarmos que Bottas com macio, conseguiu segurar Vettel de ultramacio por várias voltas. Mérito do alemão pela ultrapassagem, claro, mas ele só conseguiu se colocar em posição de ataque quando o pneu do Bottas abriu o bico.

    A pergunta é, porque a Mercedes “caiu” na jogada da ferrari e parou o Bottas pra marcar o Raikkonen. Os pneus do bottas tinham acabado ? ou ele realmente foi pela marcação ao rival ?

    Curtir

  5. Não acredito que a Ferrari tinha muita esperança de vitória depois da parada ok de Hamilton onde estava claro que cria iria até o fim com os macios. Pq não seria possível passar. Bottas é um nível de dificuldade, Hamilton é outro. A partir dali a meta foi só o segundo lugar. E aí eles quase falharam. Deveriam ter posto os médios quando a diferença para Bottas passava dos 24 segundos se tinham tanto medo que os ultramacios não iriam aguentar. Sorte deles se Bottas bobeou no final.

    Curtir

      1. Eles tinham, mas a corrida acabou sendo disputada com nuvens, ou seja, a temperatura do asfalto foi caindo e o médio não funcionava. Prova disso é que o Hulkenberg tentou o médio no meio da corrida e teve que reverter a estratégia

        Curtir

  6. Ju, achei estranho Vettel fugir do vácuo do Bottas na reta. Alguma explicação? Kimi teve mais ritmo com os macios quando comparado com o alemão?

    Curtir

    1. Ele poderia estar evitando superaquecimento de pneus, já que só há uma reta na Hungria e isso se torna um problema. E sobre o ritmo é difícil porque Kimi estava em outra estratégia que dependia dele forçar o ritmo.

      Curtir

  7. A Mercedes levou as últimas duas corridas na estratégia e braço do Hamilton, mas não vai dar para fazer isso sempre, especialmente em condições normais. Você sabe se eles têm alguma atualização prevista para a Bélgica ou Itália?

    Curtir

  8. Julianne, você sabe porque a Band News FM não transmitiu o gp da Hungria pra Curitiba?
    Talvez você não tenha nada a ver com isso, mas a rádio se recusa a dar satisfação do motivo e se vai ser assim daqui pra frente.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.