Por que Baku ficou devendo

Não foi um clássico em Baku, parcialmente porque Ferrari e Red Bull provaram ser sensíveis demais as temperaturas mais baixas do asfalto e às curvas pouco exigentes para os pneus do circuito, porque uma briga entre companheiros – como de Hamilton e Bottas na largada e no final da prova – sempre envolve menos riscos do que entre carros diferentes e, por fim, porque as várias brigas do meio do pelotão foram rápidas demais devido a uma zona de DRS tão grande que tornava as ultrapassagens simples. Isso por sua vez diminui a chance de um Safety Car e as alternativas de estratégia. Ou seja, não tivemos nada do que movimentou as corridas dos dois últimos anos.

A Mercedes parece ser mais flexível em relação aos pneus, que estão dando muita dor de cabeça para as equipes. Várias equipes estão encontrando muita dificuldade em colocar temperatura nos pneus pela falta de downforce gerada pelas novas regras. A Ferrari é uma dessas equipes e sofreu muito com isso em Baku durante a classificação e a corrida. Vettel descreveu o comportamento do carro como “horrível”, disse que não conseguia ser consistente e estava cometendo vários erros simplesmente porque não sentia aderência vindo dos pneus, especialmente dos macios.

Era por conta das dificuldades com os macios que a Ferrari tinha decidido, no sábado, colocar os dois pilotos com os pneus médios no início da corrida. Acabou dando errado com Vettel porque o tempo dele não foi rápido o suficiente no Q2, e com Charles acabou até sendo melhor, já que ele largou em oitavo por conta da batida e esse tipo de tática “reversa” ajuda a escalar o pelotão. Na corrida, o time acabou ficando encurralado quando os médios de Leclerc começaram a perder rendimento, pois era muito cedo para colocar os macios, e eles sequer tinham andado com os duros, sabendo que seria impossível gerar temperatura neles. Outro stint com os médios e reverter a estratégia para duas paradas também não era possível porque o outro jogo do monegasco era o do acidente. Acabaram gerando a impressão de que jogaram outra corrida de Leclerc no lixo pelo ritmo inicial do monegasco, mas na verdade os erros decisivos foram os de sábado – da equipe de arriscar mandar os pilotos à pista com os médios, e do piloto pela batida.

A Ferrari, na verdade, teve sorte de chegar no pódio, pois Max Verstappen estava se aproximando perigosamente de Vettel antes do Safety Car Virtual. Na relargada, ele teve dificuldades em manter o pneu na temperatura ideal – a Red Bull também parece bastante sensível em relação a isso – e salvou a pele de Vettel.

Lá na frente, quem salvou Valtteri Bottas foi, curiosamente, George Russell. O finlandês até disse depois que queria comprar uma cerveja para Russell pelo DRS precioso que conseguiu ao dar uma volta no inglês.

Bottas pareceria ter dado tudo de si nas entrevistas após a vitória. Ele sabe que precisa ser perfeito para bater Hamilton e está determinado a conseguir fazer isso consistentemente neste ano. Enquanto isso, o inglês já avisou: “fui muito bonzinho com ele na largada, mas foi a última vez.” Pelo visto dependemos disso para ter um campeonato.

Anúncios

4 comentários Adicione o seu

  1. Dennis disse:

    Fiquei com a impressão que Hamilton foi realmente pouco combativo na largada para efetivar a tomada de liderança. E o que não ajudou foi sua falta de ritmo no começo, deixado Bottas abrir 3 segundos em pouco tempo, talvez problema de temperatura dos pneus? Se na próxima corrida a Ferrari não dominar como fez na pré temporada, ficará bem difícil reverter a situação na parte européia do calendário. Talvez só vá sobrar Mônaco já que a Red Hill não tem mais Riccardo.

    Curtir

    1. Germano silva disse:

      Convenhamos fora esses dados técnicos louváveis e explicativos o que se resumiu a F1 ? Simplesmente ela existe da terceira colocação em diante, a Mercedes Está em outra estrastofera anos luz das demais, se guardou nos testes da pré temporada, deixando a entender que a Ferrari seria uma equipe competitiva o que se mostrou ilusório , é esperar quem será o próximo terceiro lugar!

      Curtir

  2. Claudio disse:

    Apesar de não ter sido das mais movimentadas eu gostei bastante da prova, já que todos os pilotos andaram no limite pelas circunstâncias. Torço por uma briga na Mercedes, mesmo não confiando nada no Bottas, pq a Ferrari não vai ser páreo. Acho ridículo parte da mídia imputar a culpa pelo resultado do Leclerc na Ferrari, o erro dessa vez foi todo do piloto, que é muito bom, mas não vai fazer milagres e tbm vai cometer muitos erros na vontade de bater o Vettel. Gostei da corrida da McLaren. A Racing Point tbm evolui a olhos vistos, enquanto Alfa, Haas e Renault caíram muito. Aliás, tivemos o quarto vencedor diferente na F1B em quatro corridas, é com certeza a disputa mais interessante desse campeonato.

    Curtir

  3. Robson Coimbra disse:

    Claro que o fã gosta de ver os carros, pilotos e corrida, mas a Mercedes está no ápice da boa forma, a Ferrari está confusa com dois pilotos de ponta e o Binotto mais ainda, tudo isso acabou deixando a coisa meio sem graça no campeonato. Será que um excelente técnico em motores e chassis é um fiasco como chefão?

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.