Por dentro da F1: Como as pistas ajudam as ultrapassagens

A curva 1 de Nurburgring é exemplo de como se fazer

O grande teste para o caminho que a equipe comandada por Pat Symmonds escolheu para melhorar as ultrapassagens na Fórmula 1 vai ser o GP do Vietnã, ano que vem. Isso porque foi a primeira pista desenhada com base nos dados de um simulador desenvolvido especificamente para mostrar como uma pista pode contribuir para aumentar o número de manobras.

Três fatores principais coíbem as ultrapassagens atualmente: a incrível capacidade de frenagem, o chamado wake gerado pelos carros e os pneus. A qualidade dos freios faz com que a zona de frenagem seja muito pequena, limitando as oportunidades de um piloto frear depois que o outro e conseguir a manobra.

Já o wake é toda a turbulência que as asas, o assoalho e os penduricalhos nas laterais geram. É como se o carro usasse todo o fluxo de ar limpo e deixasse um rastro que obviamente não pode ser usado pelo carro que vem atrás porque ele também foi projetado para render no ar limpo.

E os pneus são muito sensíveis a alterações pequenas de temperatura e se superaquecem quando um piloto está perseguindo o outro. Isso é algo que tem relação com o wake porque o carro tende a deslizar mais quando tem o efeito negativo da aerodinâmica de quem vem na frente.

Mas como o desenho da pista pode resolver isso?

Bom, a má notícia é que não pode. As ultrapassagens sempre vão ser difíceis se esses pontos descritos acima não forem revistos. Mas o que a F1 está tentando com o simulador de ultrapassagens é que as pistas pelo menos não atrapalhem.

É curioso que o próprio Hermann Tilke, “pai” basicamente de todas as pistas que entraram no calendário desde o início dos anos 2000 – não por sua habilidade, mas pelo acordo que tinha com Bernie Ecclestone – reconhece que pouco se sabia a respeito da influência do traçado nas ultrapassagens quando ele projetou “obras primas” como Abu Dhabi. O que ele tentou na época foi criar um grampo (ou qualquer outro tipo de curva de baixa velocidade) antes de uma longa reta, mas isso não resolvia o problema.

Então o que se sabe hoje sobre características da pista que fomentam ultrapassagens?

  • Curvas que aceitem linhas diferentes: Esse é o fator principal porque, se um carro consegue ser tão rápido quanto o outro e ao mesmo tempo fugir da turbulência ao optar por outra linha, a chances dele se aproximar são muito maiores. É isso que vemos por exemplo nas primeiras curvas da China e em várias partes no Bahrein. Para tanto, o desenho e a cambagem influenciam.
  • Pistas largas: Isso está relacionado ao ponto citado acima. Precisa haver espaço para as diferentes linhas.
  • Zonas de frenagem mais longas: Isso depende muito da curva que vem logo depois de uma reta. Se ela for mais fechada e permitir (novamente) várias linhas, veremos ultrapassagens. Um bom exemplo é a parte inicial de Nurburgring, copiada em Hanói.
  • Sequências que gerem erros: são chamadas de curvas “flowy”, ou que geram um ritmo contínuo, sem freadas fortes. Pense por exemplo na Eau Rouge: muitas ultrapassagens ocorrem logo depois pela diferença entre quem consegue fazer de pé embaixo e quem não consegue.
  • Evitar curvas de alta velocidade antes de retas: A Rússia é um ótimo exemplo do que não fazer em uma pista (danke, Tilke!), com curvas de 90 graus antes de retas. Um carro simplesmente não consegue se aproximar o bastante para tentar a manobra no final da curva.

Apesar de haver essas ideias básicas, há detalhes que vão da cambagem ao tipo de asfalto utilizado, que podem fazer com que uma pista teoricamente perfeita para ultrapassagens se torne ruim, mas o tal software desenvolvido pela equipe de Symmonds vem para tentar prever isso. Tilke me disse que não é simples usá-lo: “você faz uma alteração, manda para eles e eles colocam no simulador e te entregam o resultado. É tentativa e erro.” Curiosamente, mesmo com tantas cabeças pensantes na F1 em busca de performance, a ciência do desenho das pistas apenas engatinha.

1 comentário Adicione o seu

  1. Robson Coimbra disse:

    Interlagos original, era uma pista perfeita, graças a ela tivemos os campeões mundiais .

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.