Turistando na F-1 e mantendo a tradição de Ayrton

A cara de Silverstone: o pato, por culpa do Ayrton

O melhor lugar para comer: Acho que o melhor é ficar nas ales mesmo

O que evitar: Aquele lugar que fica aberto até tarde da noite e vende ao mesmo tempo kebab e pizza.

 

Quem acompanha o Turistando desde o início já sabe a história do pato de Silverstone. Na verdade, o restaurante chinês Rice Bowl (nome original, não?) fica na cidadezinha de Towcester, perto do circuito, e é administrado por uma família, capitaneada por uma mãezona bastante ácida. Por isso, é melhor não titubear no pedido: vai no pato mesmo.

A ida ao Rice Bowl é uma tradição que já tem décadas e vem da época de Ayrton Senna. Não me pergunte por que, mas ele adorava aquele lugar, e inclusive sempre sentava na mesma mesa. E não era o único. As paredes são forradas com fotos de Schumacher e Rubens Barrichello. Eu, inclusive, já estive por lá com Rubinho e Felipe Massa, na época em que o contingente brasileiro era mais numeroso!

Hoje com o reforço dos alemães, que também têm a tradição de ir atrás do tal pato, possivelmente algo começado por Schumacher, continuamos as visitas anuais. E posso dizer que o roteiro é sempre parecido. Chegamos todos mortos de fome, acabamos nos enchendo de mandiopã até que chega o pato, umas mini panquecas, um vegetal que me parece ser aipo ou algum parente, e um molho meio doce, talvez de ameixa. Você vai montando as mini panquecas e comendo até perceber que tinha de ter parado uns 30 minutos antes, e sempre alguém vai dizer que “dessa vez o pato está seco”. Depois de alguns anos passando pelo mesmo processo, cheguei à conclusão que o pato é seco e ponto. Algo que foi confirmado para mim ao comer aquela tal perna de pato do El Trabuc, na Espanha, lembram? E dá-lhe biscoitinho da sorte.

Não que haja grandes opções na acanhada Towcester. Como toda cidadezinha inglesa, tem sempre o indiano, aberto quase 24h, assim como a loja de kebab, e por lá já vi também um restaurante do Nepal, mas não encontrei ninguém para me acompanhar.

A boa notícia gastronômica, contudo, é que quem vai ver o GP dificilmente consegue hospedagem em Towcester. O mais fácil é Milton Keynes – e também mais prático pela ligação direta com Londres de trem. É uma cidade mais nova e com muitos imigrantes, o que ajuda na variedade da comida. Lembro de ir em um ótimo tailandês por lá, chamado Banana Tree. Isso deve fazer uns três ou quatro anos, então se eu lembro é bom sinal!

Na via das dúvidas, já que estamos na Inglaterra, o mais seguro é ir para o pub, onde os pratos não são brilhantes, mas são generosos. E nada de fish and chips, por favor, as tortas são mais saborosas. E, claro, ir para o pub e não tomar uma cerveja – de preferência uma ale – não deveria ser permitido. Para completar o clima britânico, vá em um dia de pub quiz. Vai ser difícil ganhar porque as perguntas geralmente são para inglês ver, mas vale a experiência.

Falando em Inglaterra e experiência, por que não experimentar o English Full Breakfast? Nunca consegui encarar tudo, até porque tem um negócio (não tenho outra palavra para descrever) chamado black pudding que é feito de sangue de porco e não apetece muito. Mas dizem que o café da manhã britânico é um dos melhores rebatedores de ressaca que existe. Então, tá fechado: ales para o jantar, Full English de manhã.

O curioso é que, mesmo morando na Inglaterra, nunca comi o café da manhã deles por lá, mas vira e mexe vou na Williams às sextas-feiras de GP, quando eles oferecem o Full English à mídia britânica. Digo que acordei com uma vontade louca de comer feijão com molho adocicado, argumento que pago impostos na Inglaterra, e garanto minha refeição. Mas monto uma versão mais light: feijão (eu disse que estava com vontade, então tenho que comer), ovo mexido e cogumelos. E, quando a coragem está grande, encaro uma linguiça no café da manhã. É, pensando bem, se virar com comida na Inglaterra não é fácil…

2 comentários Adicione o seu

  1. Wagner Pachiega disse:

    parece horrível….

    Curtir

  2. Paulo Cunha disse:

    Como assim ‘um negócio’? Morcela, uma delícia! E faz tempo que não faço feijão pro café da manhã, saudades…

    Curtir

Deixe uma resposta para Wagner Pachiega Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.