Drops do GP da Alemanha: o mercado de pilotos e 22 GPs em 2020

Foi no GP da Alemanha ano passado que a renovação do contrato de Valtteri Bottas, mas parece que, desta vez, piloto e equipe estão longe de chegar a um acordo. E ainda mais longe depois da grande chance perdida pelo piloto na Alemanha. Perguntei a Toto Wolff qual seria o obstáculo e ele disse que a questão é saber o que fazer após 2020. A Mercedes está numa situação difícil porque, ao mesmo tempo em que Hamilton, que iniciará a temporada de 2021 com 36 anos, já começa a falar em renovação, a equipe está atrás de Max Verstappen. Mas será possível um cenário em que será possível ter os dois juntos? 

 

O piloto reserva da equipe, Esteban Ocon, é outra fonte de problema. O negócio com a Renault, que mais uma vez parecia fechado, mais uma vez parece ter dado para trás, com Nico Hulkenberg dizendo a quem quisesse ouvir em Hockenheim que está perto de assinar a extensão de seu contrato. E Toto parece querer promovê-lo.

 

É possível, também, que Bottas esteja esperando entender o que vai acontecer na Ferrari. Ele certamente se encaixa no perfil de piloto que a Scuderia sonda para substituir Vettel caso necessário.

 

Sobre a situação de Pietro, Steiner disse em Hockenheim que a intenção da Haas é lhe dar a chance de fazer os quatro treinos livres de que precisa para conseguir a superlicença. Aliás, esses quatro pontos são a conta da equipe e do piloto, ainda que eu, sinceramente, não entenda muito bem. Isso porque um dos pontos é de 2016, ou seja, vence neste ano. E os pontos dos treinos livres valeriam para a superlicença de 2020. Na verdade, estou tentando há semanas que a FIA confirme qual a situação, mas nem eles mesmo têm certeza. Entre os team managers, aqueles que são responsáveis pela interpretação das regras, as opiniões estão divididas.

 

Guenther também não garante pilotos até o final da temporada. Kevin tem contrato, mas não se sabe o quão seguro ele é. Já Grosjean ficou na última vez mais por gratidão de Gene Haas por ter apostado no projeto desde o início do que por qualquer outro motivo.

 

Cada vez mais gente no paddock aposta que Kubica fica. Contrato da Williams com a petroleira polonesa seria de dois anos – ou um com opção de mais um – e, se ele continuar trazendo dinheiro, tem todas as chances de seguir no time. A decisão faz sentido: eles estão tão atrás que a diferença que um piloto pode fazer é mínima. Da mesma forma, se alguém chegar com mais dinheiro, leva.

 

A equipe Mercedes vestiu roupas vintage para celebrar os 125 anos de esporte a motor. O time caprichou: as roupas eram de uma empresa de Londres que faz figurino para filmes de época. Na verdade, o comentário no paddock era de que a Mercedes financiou o GP da Alemanha neste ano justamente para comemorar esta data. Só esqueceram de combinar a festa com São Pedro. 

 

Pelo menos a temperatura estava mais agradável quando eles colocaram as tais roupas de época, no sábado, quando fazia no mínimo 10 graus a menos que na quinta e na sexta. O ar condicionado da sala de imprensa improvisada não estava dando conta quando os termômetros passavam de 35 graus e o cercadinho mais parecia um inferno. Para vocês terem uma ideia, estava tão quente que parte do asfalto no paddock derretendo – eu sei bem disso porque meu salto ficou “atolado” algumas vezes.

 

Mas ainda assim mantive a tradição de correr a pista, mesmo com 36 graus às 19h30, ainda com sol no verão europeu, onde escurece lá pelas 21h30. E usei a experiência de correr sob altas temperaturas no verão brasileiro a meu favor: fiz os 4,5km em 23min12 e fui mais rápida do que três dos outros quatro jornalistas amigos meus que decidiram encarar o forno que estava a pista.

 

Para vocês que gostaram do post sobre o calendário, vale um insight na confusão que está instalada agora para 2020. Chase Carey tinha garantido às equipes que o calendário teria 21 corridas e, com a entrada de Holanda e Vietnã, Alemanha e Espanha ficariam de fora (Monza e México também não têm contrato, mas é só uma questão de assinar). 

 

O governo da Catalunha, contudo, liberou os 24 milhões de euros para pagar a corrida do ano que vem, uma oferta boa demais para a Liberty, que está precisando captar mais dinheiro depois de dois anos seguidos de perdas, recusar. Mas ao invés de tentar convencer as equipes, elas só foram informadas de que um dos pontos mais importantes para elas tinha mudado. Não preciso falar que eles não estavam nem um pouco contentes com isso. Sobre as datas, há ainda mais confusão, mas vou deixar isso para o próximo drops!

Anúncios

4 comentários Adicione o seu

  1. Nelson Eugenio da Silva disse:

    Ju!

    O que você quer dizer quando escreve que Bottas tem o perfil necessário pra substituir Vettel, caso este deixe a equipe? Na minha visão, a Ferrari precisa de um piloto top, capaz de vencer corridas e liderar a equipe para a conquista de um campeonato, algo que não me parece ser exatamente o que Bottas é capaz de fazer. A mim, ele seria – como tem sido – um ótimo escudeiro, perfil sim que se sempre se encaixou na Ferrari, mas somente depois de ter um piloto de ponta.

    Curtir

    1. Lucas Rodrigues disse:

      Olá Ju.
      Sobre a guerra dos pneus. Alguma novidade?

      Curtir

      1. Não há chance, pois precisaríamos de duas empresas investindo pesado e hoje nem a Pirelli quer isso

        Curtir

    2. É o perfil que a Ferrari procura, já que eles acreditam que Leclerc possa liderar o time a médio/longo prazo

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.