Do fundo do baú: A corrida decisiva para Massa na Ferrari

O GP da China de 10 anos atrás foi daqueles em que Jenson Button soube ler melhor do que ninguém as mudanças da pista em um dia de alternância de pista molhada e seca e venceu com a McLaren. Mas não foi só isso. Aquela corrida de Xangai seria decisiva negativamente para a carreira de Felipe Massa. E não foi por nada que ele tenha feito na pista. Talvez, sim, pelo que não fez.

Aqui vale a pena o pano de fundo: Massa foi o melhor piloto da Ferrari em 2008, quando quase foi campeão, e em 2009 até o acidente da Hungria que o tirou do resto do campeonato. Mesmo assim, a Ferrari foi atrás de Alonso – e Alonso foi atrás da Ferrari – a ponto de Kimi Raikkonen ser demitido para abrir espaço para o espanhol.

Massa, porém, chegou à China, quarta etapa da temporada 2010, como líder do campeonato. Tinha, afinal, voltado bem depois do grave acidente de 2009. Seu companheiro recém-chegado na Ferrari, Fernando Alonso, era o segundo, dois pontos atrás. Mas a Scuderia não se adaptou tão bem ao circuito de Xangai e Alonso se classificou em terceiro. Massa, em sétimo.

Com a pista bastante fria e nuvens carregadas, a corrida prometia ser complicada. Alonso pulou na ponta na largada mas logo começou a chover, e o espanhol foi um dos que correu para os boxes – aproveitando um Safety Car acionado na primeira volta por conta de um acidente – para colocar pneus intermediários. Rosberg, Button e as duas Renault ficaram na pista.

Logo ficaria claro que Alonso tinha queimado a largada e ele foi punido, caindo para fora da zona de pontos. Por um erro seu, ele foi parar atrás de Massa.

A chuva não caiu de vez – na verdade, diminuiu bastante – então os pilotos que estavam com os pneus intermediários começaram a ter dificuldades e os que não pararam, abriram vantagem. Nesse cenário difícil, Lewis Hamilton, com a McLaren, foi abrindo caminho no meio do pelotão, enquanto seu companheiro Button liderava. O inglês sempre teve como sua grande qualidade não apenas saber ler bem mudanças nas condições de pista, mas a capacidade de seguir com pneus de pista seca mesmo quando ela começava a ficar úmida. E aquele domingo em Xangai, logo em uma de suas primeiras corridas pela McLaren, seria uma prova disso.

Quando a chuva apertou e o Safety Car foi chamado à pista, Alonso já tinha encostado em Massa e a Ferrari preferiu chamar os dois juntos ao box. Quando fez a primeira parada, Massa espalhou na brita na entrada do box, então tomou mais cuidado da segunda vez. Alonso viu a brecha e o passou por dentro, poucos metros antes de ter de ligar o limitador de velocidade.

Após a prova, o chefe Stefano Domenicali disse que foi apenas um “incidente de corrida” e que o time só tinha visto o que tinha acontecido depois, pela TV. Difícil explicar, portanto, como os pneus certos foram colocados no carro de Alonso, não é verdade?

Além de ser ultrapassado, Massa teve de esperar a parada de Alonso enquanto quase todo o pelotão estava nos boxes, perdendo muito tempo. O brasileiro terminou a corrida em nono e Alonso chegaria em quarto, superando as duas Red Bull, algo que parecia pouco provável após o erro inicial.

Lá na frente, Button lucrou com sua decisão inicial de não parar no final da primeira volta e venceu, ainda que tenha sido perseguido por Hamilton, com pneus mais novos, nos giros finais. O inglês chegou a 1s5 do compatriota, com Nico Rosberg em terceiro com a Mercedes.

Após a prova, Massa cobrou uma posição mais enérgica de Domenicali, que teria lhe dito que, da próxima vez, a situação se inverteria. O brasileiro mal sabia que Alonso já pressionava fortemente o chefe, cobrando tratamento preferencial e justificando que só não estava na frente de Massa por um problema no câmbio da Ferrari na Malásia (que inclusive tinha inutilizado um de seus motores, fazendo com que a missão de terminar a temporada sem punições fosse muito difícil – algo que ele acabou conseguindo, mas que o deixou sem potência naquela última e dolorosa corrida em Abu Dhabi). Do lado de Massa, qual foi a próxima prova em que o tal “favor” da China poderia ser retribuído. O GP da Alemanha de 2010…

3 comentários Adicione o seu

  1. Renan disse:

    O Massa começou a perder espaço na Ferrari na estréia da temporada no Bahrein. Quando não espalhou pra cima do espanhol na curva 1 depois da largada. E acabou chegando em segundo.
    Massa achou que seria igual ao Raikkonen. Que os dois se respeitavam muito. E principalmente respeitavam a posição de pista. Alonso sempre quis ser nr 1 em todas as equipes que passou. E assumiu rapidamente a posição de destaque na Ferrari.

    Curtido por 1 pessoa

  2. Luiz Onofri disse:

    Cara Julianne,
    Primeiro lugar o famoso GP da Alemanha 2010. Se Massa ignorasse as ordens, ou ainda melhor, mandasse os “caras” à merda o que aconteceria? Seria enquadrado pela Ferrari como Rubim. Mas, o que se seguiu foi um enquadramento. Fernandito mandava e desmandava nas equipes por onde passou.
    Faltou, na minha opinião, fazer xixi no poste. Marcar território num ambiente selvagem. Deu no que deu.
    Aproveitando. Estou adorando o detestável Alonsito ser detestado por todos nesta fase de sua decadente carreira.
    Gostaria de uma análise sua sobre a trajetória dele.
    Como se perdeu no jogo por conta de seu incrível pedantismo.
    Desde já, agradeço.
    Luiz

    Curtido por 1 pessoa

  3. Wesley Andrade disse:

    A carreira de Massa pode ser definida em duas fases distintas.
    Uma antes e outra depois da chegada de Alonso na Ferrari em 2010.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.