Estratégia do GP da Estíria e a virada de Norris

O GP da Estíria foi relativamente simples do ponto de vista estratégico na luta pelo pódio: não havia muito para onde correr em termos de tática de boxes, a Mercedes tinha a vantagem de ritmo e de correr com dois carros contra um, uma vez que a Red Bull e Alex Albon ainda não se acertaram em relação a como fazer o tailandês render bem com muito combustível.

A situação só piorou para os donos da casa quando Valtteri Bottas chegou a 2s de Max Verstappen já na volta 22, com o engenheiro pedindo para o finlandês forçar o ritmo. A Red Bull entendeu isso como a tentativa de um undercut, antecipando a parada para usar a aderência superior do pneu novo e voltar na frente do Max depois que ele parasse, e antecipou, ela, a parada do holandês. É sempre dura a posição de quem tem de se defender com um carro pior, e tendo a posição de pista (ou seja, quando o rival já sabe se você optou por parar ou não), e à Mercedes coube apenas deixar Bottas o maior tempo possível na pista para que ele tivesse pneus bem mais frescos na parte final da prova e conseguisse a ultrapassagem.

Com Hamilton, a equipe já sabe que poderia antecipar sua parada tranquilamente sem o temor de que ele perdesse rendimento no final, já que estava controlando o ritmo da ponta. Em uma tarde de temperaturas bem mais baixas que no domingo anterior, não havia muito mesmo com que se preocupar até mesmo em relação aos Safety Cars que marcaram a corrida anterior: com os carros mais longe do limite, as quebras também desapareceram. 

Emoção no segundo pelotão

Mas isso não quis dizer que faltou emoção no finalzinho da corrida. Como o rendimento de Racing Point, Renault e McLaren (e Ferrari também em teoria, ainda que os carros vermelhos não tenham comparecido ao GP da Estíria) é parecido, qualquer detalhe leva um piloto do céu à terra, ou do quinto ao nono, como no caso da McLaren!

Carlos Sainz, largando em terceiro, passou a primeira parte da prova em quinto, depois de ser ultrapassado pelos dois carros mais rápidos que a McLaren, a Red Bull de Albon e a Mercedes de Bottas. Então era ele o líder do segundo pelotão, que tinha 4 pilotos divididos por pouco mais de 4s quando a McLaren decidiu antecipar sua parada, na volta 32, com o mesmo pensamento da Red Bull com Max: para evitar um undercut.

Não poderia ter dado mais errado: ele perdeu 5s a mais em uma parada desastrosa da McLaren e voltou no meio de uma briga com carros lá do final do pelotão, perdendo mais tempo ainda. Após todos pararem, voltou justamente atrás deste pelotão que liderava, em oitavo, e com pneus mais velhos e desgastados principalmente na comparação com seu companheiro. Depois que a tentativa desastrada de defender um possível undercut no caso de Sainz, a McLaren adotou a tática inversa, um offset, para Norris, ou seja, ele ficou o máximo de tempo possível na pista para ter pneus mais frescos no final.

Norris parou na volta 39 e voltou em nono. Como tinha um ritmo muito melhor que Sainz pela diferença de pneus, o companheiro abriu e ele era oitavo com 10 voltas para o final, mas andando 0s5 mais rápido do que Daniel Ricciardo e Lance Stroll, que vinham em uma briga particular. Chegou nos dois com quatro giros para o fim, passou a Renault na penúltima volta, a Racing Point na última e ainda chegou em Sergio Perez, que mais uma vez cometeu um erro no finalzinho da prova, achou que tinha espaço para corrigir uma saída de frente do seu carro enquanto ultrapassava Albon, não tinha, quebrou a asa e teve sorte de perder só uma posição na volta final.

A boa notícia é que devemos ver isso por mais algumas vezes na temporada: o rendimento desse segundo pelotão é muito parelho, e os estrategistas, engenheiros e pilotos é que vão fazer a diferença.

4 comentários Adicione o seu

  1. Por essas duas provas, acredito que o campeonato continua com o mesmo dono, Hamilton hepta.
    Bottas e Verstappen brigando pelo vice.
    E torcer para a tv continuar mostrando a briga no meio do pelotão.

    Curtir

  2. Paulo Salles disse:

    Se a Mercedes for “impedida” de continuar na F1, vai ficar bom, bem parelho, bem mesmo nível…… essa Mercedes, como diria um “certo tri-campeão”, é de outro planeta!!!!

    Curtir

  3. Paulo Moreira disse:

    A animação deste campeonato parece que vai mesmo ser no meio do pelotão.
    Com os Mercedes bem na frente e a Red Bull um pouco atrás, pelo menos o de Max, adivinham-se belas lutas entre McLaren, Racing Point, Renault e provavelmente a Ferrari.
    Gostava que a Williams conseguisse ter um carro melhor, porque adorava ver o Russell a lutar pelos pontos.

    cumprimentos

    visitem: https://estrelasf1.blogspot.com/

    Curtir

  4. ANA EMILIA DE PAIVA disse:

    Oi Julianne! Vi muita gente na mídia criticando o Albon após a corrida. Vi comentaristas dizendo que não havia diferença em relação a ele e Gasly comparados ao Verstappen, no cronômetro. entre ele e o Gasly no ano passado. Segundo eles, a impressão de melhora se deu pq o carro da Redbull melhorou no segundo semestre. O que você acha disso?

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.