Por que Hamilton foi punido (duas vezes) por ensaiar largada?

(Dan Istitene – Formula 1/Formula 1 via Getty Images)

Lewis Hamilton não gostou nada da punição dupla que sofreu no GP da Rússia e que foi importante para que ele não tenha passado do terceiro lugar na corrida em que teve a primeira chance de igualar as 91 vitórias de Michael Schumacher na Fórmula 1. Ele levou duas punições de 5s cada por uma infração cometida antes mesmo de alinhar o carro para o grid: ele teria ensaiado largadas, em duas oportunidades, em local não permitido.

O hexacampeão se defendeu dizendo que não fez nada de diferente em relação a outras provas, enquanto seu chefe, Toto Wolff, afirmou que a punição foi “pouco convincente”, uma vez que as regras não eram claras a respeito de onde os pilotos poderiam fazer seus ensaios de largada.

Pelo menos, dos males, o menor para Hamilton, que inicialmente teve também dois pontos acrescidos a sua superlicença, chegando a 10 e ficando a dois de ser suspenso por uma prova. Mas, horas depois do GP, os comissários voltaram atrás, depois de várias críticas inclusive de outros pilotos, e ele segue com 8 pontos, que começam a vencer após o GP da Turquia, em quatro etapas.

Por que Hamilton foi punido?

Ele descumpriu duas normas: a primeira delas é de não “manter uma aceleração constante na saída do pitlane”, que está no artigo 36.1 do regulamento esportivo. E a segunda faz parte de outro documento, que é distribuído às equipes nas quintas-feiras antes das provas (e às vezes ganha versões atualizadas ao longo do final de semana, o que não foi o caso em Sochi), chamado “anotações do diretor de prova”. Esse documento fala de particularidades de cada pista, como localização de entrada e saída do box, linha de Safety Car, etc.

No artigo 19 destas “anotações do diretor de prova”, que fala diretamente sobre ensaios de largada, está escrito que o piloto só pode fazer estes treinos “à direita após as luzes de saída do pitlane e, para não haver dúvida, isso inclui qualquer momento em que a saída de pitlane está aberta. Os pilotos devem deixar espaço adequado para outro piloto passar. Por questões de segurança e equidade esportiva, os carros não podem parar na linha rápida (parte da esquerda do pitlane) em qualquer momento na saída do pitlane”.

Por que foram duas punições?

Hamilton realizou dois ensaios de largada antes de alinhar no grid. O primeiro foi às 13h32 locais e o segundo, às 13h35. Como ele agiu da mesma forma em ambos os casos, foi punido duas vezes. Em cada uma delas, levou 5s de punição, o que é a segunda menor pena possível. A primeira seria apenas uma advertência. Ele cumpriu as penas de uma só vez, em sua única parada nos boxes.

A culpa foi de Hamilton ou da equipe?

Neste vídeo publicado pela Fórmula 1, fica claro que Hamilton perguntou para a equipe se poderia ir mais adiante na pista para treinar suas largadas e recebe a informação de que sim. “Só tem borracha aqui, posso ir mais para frente?” e o engenheiro diz que sim, que ele só tem de deixar espaço para os rivais passarem, o que ele fez.

Hamilton e a Mercedes têm razão de reclamar?

Se nos basearmos apenas no que está escrito no documento de “anotações do diretor de prova”, faz sentido a reclamação de que não estava claro onde era permitido fazer o ensaio de largada já que, no documento, fala-se em “à direita após a linha de pitlane”, sem mais especificações.

“Geralmente, em todas as corridas, ou pelo menos neste ano, eu sempre faço meus treinos de largada mais para frente. Nunca tive problema, faço isso há anos. Aqui nunca tinha feito, acredito, mas o que [a regra] diz [e que você tem que ficar à direita depois das luzes do pitlane, mas não fala o quanto para frente. E eu não gosto de ficar onde está emborrachado, onde os outros fazem seus treinos de largada, então eu tento ir para um lugar com menos borracha.”

O chefe de Hamilton, Toto Wolff, seguiu na mesma linha e também disse que falou clareza nas regras, mas disse respeitar o trabalho dos comissários, embora tenha de discordar. “Levar 10s por algo que aconteceu nas voltas de reconhecimento também pode ser debatido. Mas temos de assumir o golpe e seguir em frente.”

No texto da punição, há a especificação de que o ensaio de largada só poderia ser feito em um local “que fique fora da pista, definida pelas linhas”. Hamilton, de fato, estava fazendo seus ensaios dentro da pista. E, como outros pilotos, como Daniel Ricciardo, afirmaram que “estava muito claro onde se podia treinar largada, até porque nem mudou da sexta-feira para a corrida”, é possível que essa informação adicional tenha sido passada na reunião dos pilotos e representantes de equipe, que é sempre realizada com a direção de prova às sextas-feiras no final da tarde.

Por que os pilotos ensaiam largada?

A aderência da pista vai mudando muito ao longo do final de semana, então desde os treinos livres os pilotos fazem uma sequência de ensaios de largada na saída do pitlane, que é o único lugar em que eles vão poder repetir isso aos domingos, e também no grid ao final das sessões. Os engenheiros, então, calculam as configurações de embreagem para que a largada seja a melhor possível cruzando os dados destes dois pontos de referência, e os pilotos adotam a configuração escolhida usando os controles do volante.

Por que a FIA voltou atrás em relação aos pontos?

Essa punição dupla tinha deixado Hamilton em situação delicada em relação aos pontos adicionados a sua superlicença. Ele tinha chegado a 10, sendo que, com 12, receberia uma suspensão automática. Isso porque esses pontos estão ligados à punição escolhida e, quando um piloto leva 5s, geralmente leva um ponto na “carteira” também. Todos os pilotos que foram questionados sobre isso – Max Verstappen, Sebastian Vettel, Charles Leclerc e Daniel Ricciardo – concordaram que dar pontos a Hamilton por uma infração com a deste domingo era excessivo.

Algumas horas após o fim do GP da Rússia, a FIA, alegando ter ouvido da Mercedes que foram eles quem instruíram Hamilton a parar no local em que ele fez o ensaio de largada, saiu a decisão de que os pontos seriam revogados. Então agora Hamilton tem 8 pontos. Como estes pontos valem por 12 meses, se ele levar mais quatro pontos durante as próximas quatro provas, será suspenso.

10 comentários Adicione o seu

  1. Paulo Moreira disse:

    Os pilotos e as equipas têm obrigação de saber as regras.
    É mais um erro da Mercedes, mas também do Hamilton, que já valeram duas vitórias este ano (Itália e agora na Rússia).
    O bom disto tudo é que o Hamilton se ganhar em Nurburgring tem a possibilidade de ultrapassar as vitórias do Schumacher em Portugal, tal como Prost fez em 1987 no Estoril. É preciso é que o piloto britânico vença as próximas duas corridas.

    visitem: https://estrelasf1.blogspot.com/

    Curtir

    1. Hugo Leonardo Gomes disse:

      Respeito a sua opinião, mas acho que o Lewis Hamilton é vítima de racismo na F-1. Ele é o único negro da categoria e um grande campeão, o que provoca muita inveja dos adversários.

      Curtir

      1. ]Muguello[ disse:

        Acho que você está procurando “pêlo em casca de ovo”. A F1 é uma meritocracia clara! Hamilton já provou o valor dele. Se há alguma “perseguição” é por conta da *dominância* dele, e da Mercedes, no esporte.

        Curtir

  2. Maria Cunha dos Santos disse:

    Julianne, eu sou negra e posso afirmar que a vida de um negro em qualquer parte do mundo é bem difícil. O piloto negro Lewis Hamilton é um fenômeno das pistas e, com certeza, acaba sendo vítima dos preconceitos mais sórdidos na F-1. Tirando o Lewis, só há pilotos brancos e a verdade necessita ser dita. Nem o Romain Grosjean sofre tamanha perseguição!

    Curtir

    1. ]Muguello[ disse:

      Albon não é “branco”

      Curtir

      1. Caio Tácito Jr. disse:

        Todo afrodescendente sabe o que é viver numa sociedade racista e, a meu sentir, o piloto Lewis Hamilton é julgado com excesso de rigor. O único “crime” que ele cometeu foi ser negro numa Fórmula 1 dominada por brancos. Lewis está pagando o preço, também, de suas posições políticas. Hamilton não merecia a severa punição de 10 segundos no derradeiro grande prêmio.

        Curtir

  3. Adriana Paoli disse:

    Por ser mulher, creio que a jornalista Ceraoli sofra muito preconceito na Fórmula 1 que é um ambiente dominado por homens. Assim, o que dizer de Lewis que é o único negro na F-1? O resultado está aí, ou seja, uma punição absurda.

    Curtir

  4. Ericson disse:

    Gente, menos: Racismo não é o motivo, e sim a dominância que vem impondo há vários anos. Parem de bancar a vítima, lutem como ele, enquanto choram as oportunidades passam. Racismo e preconceito existem sim, mais não é só pra afro-descendentes. Agora que o cara é bom, não há como negar. Go Lewis.

    Curtir

    1. Juliana Viana da Silva disse:

      Confesso que não acompanho a F-1, mas, na Globo, fiquei sabendo das punições injustas que o Lewis Hamilton recebeu. Ouso dizer que, com certeza, o afro-britânico foi vítima de racismo, pois o mundo está vendo como os negros sofrem muito (George Floyd, Neymar etc.),

      Curtir

  5. Carlos Silva disse:

    Por apoiar o “Black Lives Matter”, acho que o Lewis Hamilton passou a ser perseguido na F-1. As punições injustas na Rússia são a maior prova disso.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.