Decisions, decisions

Faltavam sete voltas para o final do GP da Rússia quando começou a chover em Sochi. Lewis Hamilton pressionava Lando Norris na luta pela vitória, mas o inglês já tinha ficado preso atrás de uma McLaren neste domingo, e também na prova anterior, na Itália, e a ultrapassagem não era garantida. Ele e Lando não queriam atender aos pedidos de suas equipes para pararem, até que o heptacampeão cedeu, contrariado, a quatro voltas para o final. Essa decisão seria fundamental para que ele vencesse pela 100ª vez na carreira, no que é o número mais impressionante de uma carreira recheada de conquistas na F1.

“Não posso levar o crédito por essa decisão”, admitiu o inglês que, no momento da parada, disse para a equipe que a pista estava secando e ouviu a resposta de que choveria mais pouco depois. Dito e feito. Norris, que continuou na pista mesmo que a McLaren o chamasse para os boxes, acabou perdendo o controle do carro, e terminou apenas em sétimo. “A decisão foi minha, achei que era o certo a fazer. Estou devastado”, reconheceu o jovem britânico, que tinha feito sua primeira pole position da carreira e estava próximo de vencer pela primeira vez.

Era uma vitória que Hamilton vinha perseguindo desde o GP da Grã-Bretanha, em julho, e que o colocou de volta na liderança do campeonato, com dois pontos de vantagem para Max Verstappen. “Parece uma eternidade desde que eu venci a última vez. Quando esse tipo de coisa acontece, e você não consegue produzir os resultados que normalmente consegue, você começa a pensar ‘será que eu vou vencer novamente?’, mas a equipe fez um grande trabalho”, disse um sorridente Hamilton, em contraste à decepção que demonstrou após a classificação.

Essa vantagem na tabela poderia ser muito maior, não fosse justamente ela, a chuva.

Verstappen largou em último por ter trocado o motor, e conseguiu escalar boa parte do pelotão enquanto estava com os pneus duros, os melhores deste domingo em Sochi. Depois que todos os pilotos fizeram suas paradas, o holandês se encontrava em sétimo, e por lá ficou, sem conseguir o mesmo rendimento com os pneus médios.

A corrida de Hamilton foi justamente o inverso: largando em quarto, com os médios, ele ficou encaixotado na primeira curva, tirou o pé, e chegou a cair para sétimo, e ficou preso atrás da McLaren de Daniel Ricciardo. Essa era uma cena familiar para ele, depois de passar a sprint e boa parte do GP da Itália justamente atrás da McLaren de Norris. Adiando sua única parada nos boxes, ele conseguiu andar sem o trânsito de Ricciardo e se livrar do australiano e de todos os pilotos que estavam entre ele e o líder Norris, passando Sainz e Gasly na pista. Quando a chuva começou a cair, ele tinha tirado uma diferença de 8s para o piloto da McLaren e o pressionava.

Naquele momento, mesmo que ele não conseguisse superar o compatriota, estava marcando 18 pontos, contra seis de Verstappen, e sairia de Sochi com sete pontos de vantagem. Mas o holandês conseguiu manter um bom ritmo quando a pista estava escorregadia e tomou a decisão, quatro voltas antes de Hamilton, de parar. Com isso, chegou em segundo. “Era uma decisão muito difícil. A equipe estava me perguntando ‘o que você acha?’, o que você acha?’ e, em determinado momento, falei ‘vamos lá, vamos parar’. E dei sorte de ter funcionado, porque começou a chover ainda mais.”

Assim, Verstappen sai de duas corridas em que a Mercedes teve vantagem em termos de desempenho tendo perdido apenas cinco pontos em relação a Hamilton, e ainda com uma unidade de potência nova. Do lado do dono de 100 vitórias na carreira, por sua vez, fica o ânimo renovado por vencer uma corrida difícil, recuperando-se de um erro na classificação. E a realidade de que, em um campeonato no qual o conjunto Red Bull-Verstappen foi superior na maioria das provas, mesmo após 15 corridas disputadas, é ele, Hamilton, quem é o líder.

3 comentários Adicione o seu

  1. Wesley Andrade disse:

    Já disse e repito: esse campeonato será decidido pelos erros; quem errar menos, ganha.

    Curtido por 1 pessoa

  2. Paulo Moreira disse:

    Apesar da vitória, Hamilton acabou por sair prejudicado com a chuva. Se a chuva não tivesse aparecido, o Hamilton tinha terminado em 2º e conquistava 18 pontos, e Verstappen terminava no 7º lugar e obtinha 6 pontos. Assim o grande beneficiado com a chuva acabou por ser o holandês. Não é de admirar por isso a grande felicidade que o Verstappen mostrava no final da corrida.
    Lando Norris tem mostrado ser um grande piloto, conseguiu a pole-position e por muito pouco que não ganhou a corrida. Russell voltou a terminar nos pontos, enquanto que o Bottas voltou a desiludir.

    cumprimentos

    visitem: https://estrelasf1.blogspot.com/

    Curtir

  3. FERNANDO DO AMARAL disse:

    GP da Russia via de regra oferece boas corridas para os espectadores; esta vez foi ótima e com final em ápice. Também alguns pontos-de-vista rentes ao asfalto resultam em cenas muito excitantes na transmissão, sempre anseio por essa corrida nas temporadas de F1.

    Entusiasmado q estava não aceitei nenhum deslize do narrador da Band , e falei alto com a tv num momento em q Norris ‘traseirou’ forte – mas em total controle naquele sabão – e o narrador interpretou como erro quase fatal – não! Foi um powerslide proposital, o único modo de conseguir o máximo da tração que sumia a cada metro adiante – espetacular ver a habilidade do jovem brit nesse instante, e a transmissão mostrou belamente. Aliás acabou saindo da pista numa entrada de curva, não em saída. Corrida espetacular.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.