Blog takeover: A McLaren e seu marketing, do CEO ao piloto

Que a McLaren virou um case de sucesso nos últimos anos, ninguém duvida, e João Rafael Conde usou seu backgroud na área do marketing para explicar a parte comercial para a gente. Já a Denise Vilche (que já apareceu aqui no blog takeover de 2020 falando justamente sobre o time de Woking) desta vez abordou como Lando Norris está construindo seu império fora das pistas.

Lando Norris: de piloto a CEO

Por Denise Vilche @DeniseVilche

Olhando para o grid, quando se fala em games e computadores, o primeiro nome que vem na cabeça é o de Lando Norris. O britânico já costumava passar horas na frente do computador, transmitindo seus jogos por uma plataforma de streaming. Quando a pandemia atrasou o início da temporada de 2020, a F1 substituiu as primeiras corridas canceladas por corridas virtuais, com a participação ativa do que foi apelidado de o ‘Quarteto do Twitch’, que além de Lando, também contava com Charles Leclerc, Alex Albon e George Russell.

Em momento descontraído, Lando liga para outros pilotos como Max Verstappen e Carlos Sainz, pedindo dicas antes das corridas virtuais promovidas pela F1. A transmissão do piloto teve mais visualizações do que a oficial e seus seguidores na plataforma de streaming passaram de 185 mil para 600 mil durante esse período.

Enquanto os demais logavam para as competições da F1 e alguns jogos eventuais com os demais pilotos, era Lando quem quase diariamente entretia os fãs com seus streamings, mostrando além dos jogos, seus (poucos) dotes culinários. E essa marca pessoal, que Daniel Ricciardo definiu como “o nerd de tecnologia da sociedade moderna”, começou a render frutos ao jovem piloto, que passou a ser muito popular, principalmente entre os jovens, justamente por essa aproximação com os fãs feita durante suas transmissões. Sua conta na Twitch, que cresceu durante as corridas virtuais, atualmente passa da casa de um milhão de seguidores, rendendo parcerias dentro da plataforma.

Gente como a gente: Lando exibe seu jantar queimado, depois de se distrair com um jogo e esquecer a comida no forno, algo recorrente durante os streamings feitos pelo piloto. As interações descontraídas ajudaram a engajar o público jovem.

E a paixão por games o levou para o empreendedorismo, muito influenciado por seu pai. Adam Norris foi diretor da Pensions Direct, empresa especializada em previdência privada e depois de se aposentar, aos 36 anos, sendo um dos homens mais ricos da Inglaterra, fundou a Horatio Investments em 2010, empresa que ajuda startups a saírem do papel.

A paixão por empreender passou logo para seu filho mais velho, Oliver, que começou a trabalhar na empresa do pai em 2013, depois de estudar administração e contabilidade na escola, a mesma que Lando deixou sem ter terminado o ensino médio. Oliver deixou a empresa do pai e fundou uma empresa que vende simuladores de corrida, como o que o irmão tem em sua casa e mais tarde, passou a trabalhar também com o pai, sendo o diretor de vendas da nova empresa aberta por Adam, focada em patinetes elétricos.

Com os negócios correndo nas veias da família, não era de se estranhar que Lando fosse investir em algum projeto. Quando se juntou à McLaren como titular, fez por impulso uma pequena coleção de camisetas e capas para celular com seu logo, projeto que durou algumas horas antes de ser fechado pela equipe. Bem assessorado dessa vez, o piloto fez uma parceria com a Veloce, que foi a responsável por organizar as corridas virtuais da F1 e de sua paixão por games nasceu o Quadrant. Lançado no final de 2020, Lando apresentou o projeto pela primeira vez em um streaming, se atrapalhando nas palavras e dando spoilers no melhor estilo Lando de ser. Quando perguntado se ele tinha virado CEO, respondeu que sim, em um misto de timidez e insegurança sobre o cargo que passou a ocupar como fundador, mas ao mesmo tempo com um ar orgulhoso pelo nascimento de seu projeto.

“Nós estamos aqui hoje lançando o Quadrant, e o Quadrant é meu sonho. É algo que eu venho trabalhando a algum tempo e eu estou super animado em lançá-lo. É efetivamente uma equipe de esports, mas também é muito mais. Nós iremos fazer quatro coisas – jogos, conteúdo, roupas e corridas. Eu estou muito orgulhoso do que nós fizemos e do que criamos”, disse o piloto durante o lançamento.

Começando devagar, o Quadrant contou inicialmente com apenas quatro integrantes, os gamers Aarav Amin, Niran ‘FNG’ Yesufu, Maria ‘Ria’ Bish e Steven ‘Super GT’ Alvarez Brown, e visava inicialmente ganhar a confiança do público com vídeos semanais dos integrantes interagindo durante os jogos. Somente após o sucesso inicial é que o projeto começou a se expandir, com o gamer Fifakill, especializado no jogo Call of Duty, sendo adicionado.

Logo veio o lançamento da coleção de roupas e mais uma jogada de marketing. As coleções tinham tiragem limitada e isso ajudou a se esgotarem em poucas horas, principalmente quando o piloto aparecia no paddock usando uma peça da coleção que ainda seria lançada, atiçando o desejo dos fãs.

O lançamento da primeira coleção de roupas teve até anúncio em estações de metrô em
Londres, com os integrantes do grupo servindo de modelos.

Depois de fazer alguns streamings patrocinados, veio a primeira parceria, com uma empresa de tecnologia audiovisual que passou a fornecer o equipamento necessário para que os integrantes do grupo pudessem fazer suas transmissões, inclusive o novo membro da equipe, o piloto Max Fewtrell, amigo de Lando, que passou a integrar a equipe principalmente depois que se mudou para a casa do piloto.

Com um ano completado, era a hora de evoluir e completar um dos objetivos iniciais do projeto. Em dezembro de 2021, o Quadrant passou a competir oficialmente com uma equipe no campeonato do jogo Halo.

E o empreendedorismo de Lando foi além dos games. Em setembro de 2021, o piloto da McLaren lançou sua linha de kart, em parceria com a OTK Kart Group, algo já feito por Fernando Alonso e Charles Leclerc. Lando foi além de produzir karts para venda, fazendo uma parceria com a equipe Rick Flynn Motorsport, equipe pela qual correu, para competir usando seus karts e dando a chance para novos talentos serem encontrados.

Lando durante o lançamento de sua linha de kart, que será usada pela equipe Rick Flynn
Motorsport.

Apesar de ter apenas 22 anos, completados durante o fim de semana do GP de São Paulo, Norris já pensa no futuro. Mesmo tendo feito sua melhor temporada até o momento e de ter assinado um contrato de múltiplos anos com a McLaren, Lando sabe que nada é garantido na F1. E se Zak Brown é conhecido por fazer inúmeros negócios, parece que encontrou dentro de sua equipe um discípulo à altura.

McLaren – de bagaço à laranja

Por João Rafael Conde (@jrcnconde)

A evolução da McLaren nos últimos anos não ocorre somente por uma melhoria na qualidade técnica, uma mudança de liderança e cultura organizacional e um foco maior no Marketing, mas a combinação de todos esses fatores, devidamente bem encaixados e dando suporte uns aos outros, contribuiu para que a equipe de Woking conquistasse nesta última temporada a sua primeira vitória desde 2012.

A sorte não conspirava a favor da equipe fundada por Bruce McLaren desde os tempos do spygate; se pudermos relacionar à sorte as consequências de uma atitude eticamente questionável que levou ao pagamento de uma multa de US$ 100 milhões. Contudo, o impacto financeiro causado por essa multa, juntamente com disputas políticas internas entre acionistas, desorganização interna e conflitos no relacionamento com parceiros, isso tudo transformou-se em falta de competitividade e fraco desempenho nas pistas. Tal cenário começou a reverter-se com o buyout (compra de ações) de Ron Dennis e a sua saída do grupo, em 2017, e a nomeação do executivo e piloto norte-americano, Zak Brown, para comandar a McLaren Racing a partir de 2018.

Embora o grupo McLaren tivesse que emitir títulos para o buyout de Ron Dennis e um novo túnel esteja sendo instalado no McLaren Technology Centre, restringindo assim a sua capacidade de investimento, sob o comando de Zak Brown, o braço de competições do grupo demonstrou ser mais eficiente na utilização de recursos técnicos. Além disso, um novo estilo de gestão foi implementado: a McLaren deixou de lado uma cultura dita mais corporativa e passou a ter uma orientação mais informal.

Zak Brown, CEO, McLaren Racing

Outro aspecto a ser destacado, e que pode ser retratado na melhoria das competências técnicas da equipe, está relacionado com a renovação de quadros. O perfil do membro da equipe passou a refletir a nova orientação estratégica, profissionais mais jovens foram contratados e novos líderes passaram a orquestrar o time, como é o caso do chefe de equipe, o engenheiro alemão Andreas Seidl, que trouxe para Woking a sua experiência a frente do programa LMP1 da Porsche.

Trazer a experiência também foi algo que Brown passou a utilizar para dar uma nova cara `a McLaren. Sendo um profissional de Marketing, e profundo conhecedor da cultura empresarial norte-americana, Zak Brown não mediu esforços ao direcionar recursos para o Marketing. Não se pode falar apenas da mudança de cores e nova identidade visual da McLaren, a presença nas mídias sociais é algo de destaque. Nesse sentido, vale ressaltar a valorização do behind the scenes com os episódios do McLaren Unboxed, que vai ao ar no YouTube `as quartas-feiras pós-corridas; a permissão para que não só os pilotos, mas também os demais funcionários pudessem postar nas redes sociais imagens do McLaren Technology Centre (principalmente do boulevard); e o McLaren Plus, que é um programa gratuito de fidelidade que oferece alguns benefícios aos seus membros – aqueles com maior engajamento recebem o Papaya Membership (grupo seleto de pessoas que possuem benefícios exclusivos e são convidadas a diversos eventos, como o lançamento do carro para uma nova temporada). 

O sucesso das iniciativas de Marketing implementadas por Brown pode ser demonstrado na grande atração de patrocinadores para a equipe, mesmo com o grande foco dos patrocínios na Fórmula 1 serem de empresas B2B – Business to Business, com as visualizações de mídias sociais e a atração dos mais jovens para acompanharem a categoria máxima do automobilismo. Um grande exemplo que retrata essa nova McLaren está em uma pesquisa realizada pela Nielsen, em meados de 2021, que aponta os ‘laranjinhas’ como a equipe favorita pelos fãs, com 29,5% da preferência.

Diante da concretização de parcerias técnicas e não técnicas, da utilização mais eficiente de seus recursos disponíveis, de uma nova cultura organizacional, de um novo estilo de liderança, da abertura à criatividade, do maior engajamento com os fãs, e de uma sincronia de engrenagens que faz lembra a ‘Laranja Mecânica’ de Cruyff, a McLaren demonstra sua maior competitividade com uma evolução exponencial nos pontos conquistados nas últimas temporadas e o sorriso estampado nos ‘shoyes’ de Monza.  

Chart

Description automatically generated

Sobre as cenas dos próximos capítulos, fica a curiosidade em saber se a McLaren conquistará títulos, quando será a primeira vitória de Lando Norris pela equipe e se Zak Brown fará novas tatuagens, mas certo é que a McLaren saiu do bagaço e está uma bela laranja.

1 comentário Adicione o seu

  1. Julianne, belas e incríveis histórias de ambos – Lando Norris e McLaren.
    Mostra a maturidade do garotão, fruto do uma família unida empreendedora. Nada supera essa união. Os insights surgem e com eles os planos, que geram respostas e avanços.
    Norris é talentoso.
    Grande piloto e que, em tudo rolando como está, deverá conquistar vitórias e, creio eu, ao menos um título no seleto clube da F1.
    Gracias Denise Vilche \o/
    McLaren: que virada!!!!
    Somos – brasileiros – fãs dessa empresa e os motivos são óbvios.
    Ao reestruturar-se e, estar nesse momento, em destaque, mostra, como muito bem retratou o João Rafael Conde, que a adoção de um Plano (com a famosa dupla metas e métodos) e colocar em ação de forma sistêmica – todos os setores envolvidos – e transparência de gestão geram saborosos frutos. A laranja está madura e doce.
    Com certeza, 2022 nos trará boas recordações de ambos.
    Grato por compartilhar conosco.
    RADIANTE 2022, SYN!
    #shineyournature

Deixe uma resposta