Raio-X do GP da Itália e como a McLaren construiu a dobradinha

A McLaren tinha duas vantagens importantes: a configuração de utilização da UP usada pelo time inglês fazia com que o motor recuperasse energia no meio da reta e depois a entrega voltava, e o motor Mercedes esteve mais forte que o Honda em Monza. Para completar, como disse Norris, o carro parecia “ganhar vida” toda vez que estava sem trânsito à frente

Raio-X do GP da Holanda e as três missões que Verstappen cumpriu

Verstappen tinha três missões: para vencer o GP da Holanda: escapar logo do DRS, pois a velocidade no final da reta da Mercedes era superior, evitar ficar exposto a um undercut (o que em Zandvoort significava algo em torno dos 2s5) e, ao mesmo tempo, cuidar dos pneus, já que as interrupções nos treinos livres significaram que os times foram no escuro em termos de simulações de corrida.

Raio-X do GP da Hungria e a ajuda dupla de Alonso

É quando algo pega os pilotos e equipes de surpresa que a Fórmula 1 conta suas melhores histórias. E ela veio em dose dupla em Budapeste: primeiro com uma chuva fina e constante que caiu por uma meia hora, tornando a pista um sabão, e depois com uma bandeira vermelha longa o suficiente para que o asfalto secasse.

Raio-X do GP da Grã-Bretanha e o líder supresa (por 49 voltas)

Depois que Hamilton fez sua parada, na volta 27, a vantagem em relação ao ritmo da Ferrari ficou clara: era de pelo menos 0s7 por volta, ou seja, mesmo tendo Lando Norris e Valtteri Bottas pelo caminho antes de chegar de novo em Leclerc, os 10s da punição seriam tirados certamente em menos de 20 voltas, e havia 22 para o fim

Raio-X do GP da Estíria e o brilho da nova geração

Desta vez, a Red Bull não derreteu seus pneus como em Barcelona e Max Verstappen ainda deu um banho de ritmo em Lewis Hamilton que, como o rival seis semanas antes, saiu da corrida admitindo que não tinha armas suficientes para contra-atacar

Raio-X do GP da França: riscos que a Red Bull tomou, e a Mercedes não

O que escapou às contas da Mercedes foi o quanto que Verstappen ainda tinha em seus pneus velhos (0s6 na inlap), os ganhos no pitlane, com entrada, saída e a parada em si (0s46) e, principalmente, o quão rápido ele conseguiria aquecer o composto duro – algo que surpreendeu o próprio Max: 1s8

Raio-X do GP do Azerbaijão e a vitória do piloto mais rápido do dia

Foi um pódio inédito na F1, com Sergio Perez se encontrando com a Red Bull justamente quando disse que o faria, após cinco provas, Sebastian Vettel se entendendo com os pneus e com sua Aston Martin e um Pierre Gasly que, finalmente, aproveitou uma ótima classificação com a AlphaTauri.

Raio-X do GP de Mônaco e as duas jogadas certeiras da Red Bull

Como já aconteceu em Mônaco em outras oportunidades, logo que percebeu que Bottas não tinha ritmo para ameaçá-lo, coube a Verstappen controlar o ritmo de maneira que não fosse aberta uma brecha para a Mercedes arriscar alguma tática diferente

O papel da asa da Red Bull na estratégia do GP da Espanha

Sabe-se algumas coisas sobre o Circuito da Catalunha: é preciso uma diferença de pelo menos 1s2 entre dois carros para haver uma ultrapassagem – mais do que o normal – e é muito difícil seguir um rival de perto sem perder rendimento. Então, se o piloto permanece, volta após volta, a menos de 3s de você, é indicativo de que ele tem mais ritmo