Um GP diferente para Hamilton

Foi um final de semana realmente diferente para Lewis Hamilton. Vaiado por grande parte da torcida, de volta às arquibancadas, tantas vezes neste ano, o inglês demonstrou sentir o apoio especial no GP de São Paulo, em que teve pelo menos o apoio de metade das 200 mil pessoas que estiveram em Interlagos ao longo do final de semana, já que a torcida estava bem dividida entre ele e o líder do campeonato, Max Verstappen. E, na pista, ele foi mais agressivo do que em qualquer outro momento nesta temporada, superando duas punições, que lhe tiraram 25 posições, para vencer o GP de São Paulo.

Uma sprint animada e a bronca da Mercedes

O sábado eletrizante em Interlagos deu alguns indícios do que se pode esperar para a corrida que tem largada às 14h deste domingo. Indo de último a quinto na minicorrida que definiu o grid e que tem apenas um terço da distância de um GP, Lewis Hamilton mostrou que pode lutar pelas primeiras posições mesmo largando em décimo devido a uma punição. E Max Verstappen deu indícios de que já está correndo com a cabeça no campeonato.

Memórias de 10 anos de F1 e todos os lados de Interlagos

Dali em diante, as coisas só podiam melhorar. E foi em São Paulo que tive acesso pela primeira vez ao grid (o que sempre é uma experiência especial em Interlagos e onde vivi momentos incríveis, literalmente falando com as arquibancadas por meio da rádio

Horários, características da pista e tudo sobre o GP de São Paulo

A Mercedes pode usar sua velocidade de reta superior no primeiro e último setores, e a Red Bull deve ser melhor no segundo. Agora que os alemães conseguiram (e isso até mesmo Christian Horner atesta) melhorar o desempenho de seu motor na altitude (o que já seria um fator menos importante se a previsão de que não faça calor se confirme, já que a perda deles está relacionada à maior necessidade de refrigeramento), o duelo será mais apertado do que se esperava inicialmente.

Raio-X do GP da Cidade do México e o ‘lapso’ que a Red Bull superou

Houve um momento em que parecia que a temporada teria uma outra reviravolta quando os mecânicos da Red Bull trabalhavam freneticamente nas asas traseiras de seus dois carros mesmo durante a classificação, enquanto seus pilotos sofriam com um carro nervoso, sem conseguir preparar bem seus pneus. Afinal, o fim de semana até ali tinha sido um passeio de Max Verstappen e Sergio Perez e o carro parecia estar sob trilhos, ao contrário da Mercedes.

Voltando ao script

Max Verstappen sabia que teria vida difícil no GP da Cidade do México se não saísse das primeiras curvas na frente, já que a Mercedes, que tinha fechado a primeira fila, tinha mais velocidade de reta e o circuito Hermanos Rodriguez não oferece muitas chances de ultrapassagem. E saiu bem, emparelhou com Valtteri Bottas e Lewis Hamilton na reta, freou mais tarde que os dois, e desapareceu na frente para vencer pela nona vez em 2021 e aumentou sua vantagem na ponta do campeonato para 19 pontos.