Um campeonato brigado na pista e nos bastidores

Na pista, Hamilton teve uma vitória tranquila no Catar, fazendo valer a vantagem que já tinha ficado clara na classificação, na qual obteve a maior vantagem de um piloto em definições do grid de largada disputadas neste ano. O inglês manteve a ponta na largada e depois só copiou a estratégia de Verstappen, de suas paradas, enquanto o holandês não conseguia se aproximar o suficiente para ameaçar a vitória. Assim, ele viu sua vantagem na liderança do campeonato cair de 14 para oito pontos, com 52 ainda em jogo nas duas últimas corridas da temporada.

Vídeo: Ju Responde do GP de SP sobre o motor da Mercedes e a asa da discórdia

Julianne Cerasoli responde às perguntas sober o GP de São Paulo: de onde vem a velocidade de reta de Hamilton, por que a Red Bull está de olho na asa da Mercedes (e por que o time não rendeu o esperado em Interlagos), o que rolou com o motor de Ricciardo, o que faz de Interlagos um lugar especial e por que Vettel anda cabisbaixo. As perguntas foram enviadas no instagram @myf1life no domingo e na segunda após a prova.

Raio-X do GP de São Paulo – e como Hamilton passou 24 carros em 95 voltas

O primeiro GP São Paulo ficará sempre marcado na história da Fórmula 1 como o palco de uma das maiores performances de Lewis Hamilton na carreira. E, para os brasileiros, como a corrida em que o inglês supreendeu com o gesto de carregar a bandeira no carro e no pódio, mostrando que eles também tinham uma participação em tudo o que aconteceu no sábado, quando ele, desclassificado do qualy, passou 15 carros em 24 voltas e, no domingo, mais nove, incluindo o rival Max Verstappen. Foi uma vitória que valeu muito mais do que os sete pontos que ele descontou de sua desvantagem no campeonato.

Drops dos bastidores do GP de SP e a bronca da Mercedes

Teve um pouco de tudo no GP de São Paulo, de uma história política e técnica mirabolante, a muita ação na pista – inclusive, com 15 ultrapassagens em 24 voltas de Lewis Hamilton na sprint. E outro show na corrida. Foi mais um fim de semana que terminamos dizendo que “só em Interlagos mesmo”. E nem precisou chover.

Um GP diferente para Hamilton

Foi um final de semana realmente diferente para Lewis Hamilton. Vaiado por grande parte da torcida, de volta às arquibancadas, tantas vezes neste ano, o inglês demonstrou sentir o apoio especial no GP de São Paulo, em que teve pelo menos o apoio de metade das 200 mil pessoas que estiveram em Interlagos ao longo do final de semana, já que a torcida estava bem dividida entre ele e o líder do campeonato, Max Verstappen. E, na pista, ele foi mais agressivo do que em qualquer outro momento nesta temporada, superando duas punições, que lhe tiraram 25 posições, para vencer o GP de São Paulo.

Uma sprint animada e a bronca da Mercedes

O sábado eletrizante em Interlagos deu alguns indícios do que se pode esperar para a corrida que tem largada às 14h deste domingo. Indo de último a quinto na minicorrida que definiu o grid e que tem apenas um terço da distância de um GP, Lewis Hamilton mostrou que pode lutar pelas primeiras posições mesmo largando em décimo devido a uma punição. E Max Verstappen deu indícios de que já está correndo com a cabeça no campeonato.

Memórias de 10 anos de F1 e todos os lados de Interlagos

Dali em diante, as coisas só podiam melhorar. E foi em São Paulo que tive acesso pela primeira vez ao grid (o que sempre é uma experiência especial em Interlagos e onde vivi momentos incríveis, literalmente falando com as arquibancadas por meio da rádio