Viajando para o GP

GP da Espanha ao vivo: Turistando na F1

A primeira coisa que você vai descobrir quando começar a planejar uma viagem para ver o GP da Espanha ao vivo é que ele não é exatamente em Barcelona. Mas dá para ver a corrida e ainda curtir uma das cidades mais autênticas da Europa. E de quebra ver alguns dos maiores craques do mundo em ação.

Compre ingresso para: setor G ou L

A exemplo do que acontece em Interlagos, várias arquibancadas no Circuito da Catalunha oferecem uma visão bastante boa dos carros, especialmente aquelas localizadas no miolo da pista, como a G e a L. Nelas, dependendo da altura em que se senta, dá para ver cerca de 30s de cada volta, muito mais que o normal. O único porém é a falta de cobertura, pois o sol costuma ser forte mesmo não estando no Verão. A L é mais cara, por volta de 450 dólares para os três dias, e a G sai por menos de 320 dólares.

Hospede-se em: Barcelona

Pode parecer uma obviedade, mas não é bem assim: o GP da Espanha é disputado em Montmeló, a 40min da capital catalã. Mas o acesso à pista é fácil e vale a pena ficar na cidade e poder curtir as atrações de Barcelona. Para facilitar, pesquise acomodações próximas às paradas do trem para Montmeló, como Sants e Arc de Triomf.

Vá de: trem ou carro

Ir de trem é fácil, mas também gera a necessidade de uma caminhada de pelo menos 25 minutos até a pista. Dá para pegar um táxi na estação de Montemeló, mas eles nem sempre estão à disposição. Então o mais cômodo é alugar um carro, mas sairá bem mais caro.

ver o GP da Espanha ao vivo
No miolo dá para ficar bem perto da pista. Foto: Julianne Cerasoli

Não perca: Sagrada Família

Sim, é batido e Barcelona tem outros vários encantos. Outras construções de Gaudí (recomendo ir em todas!). A noite vibrante e longa, a praia e o futebol. Inclusive, já consegui ver semifinal de Champions League em semana de GP! Mas poucas construções no mundo vão impressionar tanto quanto a Sagrada Família.

Combine com: Andaluzia

Uma região encantadora, com forte influência árabe e uma cultura bem diferente de outras partes da Espanha, mas ainda assim mais espanhola impossível. Vai entender. Sevilha pulsa de dia e de noite e Córdoba tem na Mesquita-Catedral uma das construções mais impressionantes e carregadas de significado que já vi. E o bom dessa combinação é a época do ano: em maio a Andaluzia já está quente. No verão, é insuportável.

Quanto fica ver o GP da Espanha ao vivo?

A passagem sai por pouco mais de 450 dólares. O hotel sai por cerca de 250 para o GP (e há boas opções de Airbnb) e o ingresso por cerca de 1000. A cidade em si não é cara e, como toda cidade grande, tem opções para todos os gostos. É possível encontrar menus (refeições completas) por menos de 20 dólares.

Vale a pena ver o GP da Espanha ao vivo?

Se for uma desculpa para conhecer Barcelona e curtir a cidade, vale. E também está longe de ser uma das corridas mais caras ou complicadas do pontos de vista da logística. Como clima para um torcedor de F1, a prova acaba deixando a desejar.

2 comentários em “GP da Espanha ao vivo: Turistando na F1”

  1. Juliane, é verdade ou você percebe nos comentários das pessoas mais antigas que Barcelona ficou mais cara após a olimpíada de 1992?

Deixe uma resposta