A vaga de Kubica na Renault nunca foi de Bruno Senna

Ao contrário da onda que se criou, especialmente na imprensa brasileira, Bruno Senna nunca esteve em posição de ocupar a vaga de Robert Kubica na Renault. Usando uma declaração do chefe da equipe, Eric Boullier, no lançamento do carro, de que o brasileiro seria o piloto reserva, muita gente se esqueceu – ou fingiu esquecer – de que o acidente de Kubica criava uma circunstância extraordinária: alguém teria que assumir a liderança da equipe desde o 1º GP até, provavelmente, o fim do campeonato.

E, assim, as declarações de Boullier de que o time precisava de um piloto experiente e que Bruno só andaria para testar o carro eram ignoradas, na tentativa de inventar uma notícia que não existiu. No final das contas, mais um episódio de afobação e falta de discernimento, que acabou marcando a cobertura do acidente do polonês desde o início – mais alguém notou a tom do “Kubica volta à UTI”, nas manchetes do final de semana, como se isso não fosse um procedimento normal após a cirurgia?

E Bruno não pode ser responsabilizado por esse carnaval feito em cima de seu nome. Esperou alguns dias para se pronunciar e, quando o fez, pelo twitter, se limitou a desejar melhoras a Kubica. “Desejando ao Robert recuperação completa e rápida, para que ele possa continuar mostrando o grande talento naquilo que ele mais gosta! Correr”. Enquanto Heidfeld estava no carro, salientou que não havia uma luta pela vaga. “Animado para o teste de amanhã e espero ajudar a equipe no desenvolvimento do carro.” Mas isso não vende, claro.

Bruno não caiu na onda do "vestibular"

Chegado o “dia do vestibular”, Bruno andou, assim como Paffett na McLaren e Hulkenberg na Force India, para citar alguns exemplos, para dar informações ao time e manter-se um pouco na ativa, numa categoria em que as oportunidades de se treinar são escassas e o termo “piloto de testes” não faz muito sentido.

No final das contas, a tabela dos melhores tempos pode mostrar que Bruno foi 1s mais lento que Heidfeld – como também 1s mais rápido que Vitaly Petrov, o outro piloto titular da equipe – mas não haveria valor algum em colocá-los frente a frente, exatamente nas mesmas condições. Afinal, já que não há uma disputa pela vaga, o que importa à Renault neste momento é desenvolver o carro, testar seus componentes e avaliar o rendimento dos diferentes compostos dos pneus Pirelli combinados aos distintos níveis de combustível com os quais terão que andar nas corridas.

De acordo com os engenheiros da equipe, o brasileiro ficou a 0.2s do tempo de Heidfeld andando sob circunstâncias similares e só perdeu um pouco no quesito consistência, em que, diga-se de passagem, o alemão foi excelente. Depois de 2 saídas de checagem de sistemas, mandou ver 1:21.933, 1:21.849 e 1:21.898, em sequência, logo de cara, e em vários outros momentos mostrou lidar muito bem com o desgaste dos pneus (veja os tempos na íntegra aqui). É isso que a Renault espera dele.

Enquanto isso, Bruno fez o papel de um piloto reserva, o que o brasileiro nunca deixou de ser na equipe. Esse, aliás, foi apenas seu 2º teste na F1 (o outro havia sido com a Honda, uma vez que a Hispania não treinou). Sua verdadeira ambição não tem nada a ver com o lugar de Kubica, mas sim em mostrar em cada chance que tiver de entrar no carro que pode fazer um trabalho melhor que o inconstante Petrov para, apostando numa maior independência financeira da equipe, lutar por uma vaga como titular em 2012.

O próprio piloto adotou o tom político e apoiou a decisão de não lhe dar um cockpit agora. “Só tive um dia no carro e foi bom, mas para se preparar você precisa muito mais que isso – eles precisam de um piloto que esteja pronto”, reconheceu. E é nisso que ele tem que trabalhar.

7 comentários sobre “A vaga de Kubica na Renault nunca foi de Bruno Senna

  1. Vamos ser sinceros, essa imprensa brasileira é mesmo engraçada, afinal colocando pilha na galera, acaba jogando Bruno na fogueira. Inconscientemente, acaba sugerindo o piloto como “incapaz”, por criar uma expectativa que parecia não existir, ao menos por agora. É como passar o carro na frente dos bois. Nesse caso, o sensacionalismo acaba criando falsas expectativas sobre um piloto que precisa se firmar, perante torcida e patrocinadores. Falta objetividade.

    Curtir

  2. Pode-se dizer que foi seu primeiro contato com um F1 contemporâneo de verdade. Antes ele havia penado no Honda de 2008 e na Hispania. E me surpreendeu se saindo muito bem.

    Curtir

  3. E essa percepção que vai, vai, vai… é uma coisa ao meu ver muito direcionada ao espectador médio, aquele que apenas assiste as corridas aos domingos, e faz julgamentos superficiais.

    O Bruno está sendo inteligente, apenas agindo da maneira que se espera que faça, nada de colocar a carroça na frente do jumento, pilotos ” trabalhadores ” também conseguem ser campeões, vide Damon Hill, e na minha opinião Bruno Senna se enquadra nesta categoria.

    Curtir

  4. Neste caso em particular, o culpado assobia para o ar, como quem não quer a coisa. Desresponsabilizou-se, digamos assim. O silêncio do Bruno ao longo dos dias disse tudo: ele nunca foi considerado para primeiro piloto da equipa, pois não tem aquilo que tem Nick Heidfeld. E claro, certa imprensa tentou “corrigir o tiro” – cada vez pior, diga-se – dizendo que era um “jogo de cartas marcadas”. Não era um jogo ou um “vestibular” porque tal coisa nunca existiu.

    E mesmo que o Heidfeld não mostrasse nada do que mostrou, muito provavelmente o Boullier iria pensar no Pedro de la Rosa, pois sei que ele chegou a falar com ele. quem sabe em Barcelona, ele pode ter uma chance de rolar no carro. Em suma, a unica coisa que o Bruno fez foi marcar uma posição ao Vitaly Petrov. E espero que o Boullier lhe dê mais tempo de testes, para pressionar mais o russo.

    Curtir

  5. Você é realmente muito educada na sua avaliação de quanto é baixa a qualidade das coberturas jornalísticas em geral no Brasil.
    Obviamente, pela sua delicadeza e pela ética que deve manter como profissional você não disse isso, explicitamente…
    Não é só na F1 que imperam os “jornalistas torcedores” e ” jornalistas juízes”, com veredictos, sentenças e verdades absolutas.
    Sobre a escolha da Renault permita-me reproduzir um comentário que fiz, dias atrás.

    – Creio que as ponderações da jornalista procedem, entretanto, a escolha por Bruno(se houver)deve ser por Bruno e não por Bruno Senna, o que seria apenas alimentar os delírios das já conhecidas ” viúvas”.
    Em relação ao conjunto dos pilotos da F1 de hoje e do passado, não tem nenhum “fraco” ali. Os fracos sequer conseguem a super licença. Nenhum fraco entra numa curva na velocidade que entram, nenhum fraco consegue patrocinio para pagar para correr.
    Fraqueza definitivamente não combina om F1. Isso é conceito de torcedor…

    Curtir

  6. Bruno andou bem, o carro é bom, equilibrado e responde às mudanças. Isso torna as coisas mais fáceis pro piloto. Mesmo pra alguém sem tanta experiência.

    O problema é que Senna já não é tão novo a ponto de poder esperar demais por uma vaga decente na F1.

    Contar com a inconstância de Vitaly Petrov ou com a saúde financeira da equipe é um cenário muito incerto.

    Mas é com o que Bruno Senna pode contar nesse momento.

    O importante é que ele aproveitou bem sua chance de mostrar que é um bom profissional e sobretudo me pareceu ter tido uma postura digna em relação ao acidente de Kubica.

    ——————————————————————–

    Haverá sempre um jornalista sórdido, capaz dos atos mais abjetos, apenas para vender mais jornais.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s