Como é possível ultrapassar nos boxes com os Pirelli

Outra maneira é a velha tática de parar junto e ver quem trabalha mais rápido

Os pneus Pirelli não só mudaram a cara das corridas em si neste ano, propiciando muitas disputas, como também alteraram as estratégias.

O primeiro fator é o início das corridas já no sábado, obrigando os times a encontrarem o equilíbrio entre fazer a melhor classificação possível enquanto buscam guardar pneus para o domingo.

O segundo é resolver o dilema entre a chamada track position, ou seja, o posicionamento do piloto em relação a seus rivais na pista, e o desgaste de pneus.

Claramente, com os Pirelli quem faz a parada primeiro se dá melhor. Isso porque a degradação é tão grande que, mesmo um pneu sem a temperatura ideal rende mais.

No entanto, se a parada for muito antecipada, inicia-se um efeito cascata: o piloto sempre vai parar antes do rival, inclusive no último stint, o que o deixará vulnerável a um ataque final.

Portanto, quando se está grudado num carro, mas não se consegue ultrapassar, muito provavelmente porque a janela em que o pneu permite melhor rendimento, nas primeiras 3 ou 4 voltas, já passou, as equipes têm um grande problema pela frente: parar uma volta antes e ganhar a posição, ou seja, ter track position, ou estender os stints o máximo possível para ter pneus mais novos no final da prova?

A McLaren tem escolhido a segunda opção. Sempre busca deixar seus pilotos na pista o máximo possível com os pneus mais rápidos. Parece o melhor a fazer, contando que o carro tenha ritmo para perseguir o rival de perto – estamos falando de cerca de 1s ou menos que podem ser ganhos com a parada.

Num ano em que se ultrapassa aos montes, não deveria ser problema, mas vimos vários pilotos com dificuldades, especialmente na Austrália e na Espanha, circuitos em que tradicionalmente as manobras são mais raras. E esse cenário certamente se repetirá em lugares como Valência ou Hungria. E aí entra essa nova maneira dos pneus interferirem na prova.

Aprofundando nesta questão, aquele primeiro quesito, de guardar pneus para a corrida, torna-se ainda mais importante quando a ultrapassagem não sai. É que o pneu macio novo dura entre 3 e 4 voltas a mais. Assim, o piloto consegue manter-se na pista por mais tempo no stint que considerar ideal para conseguir o chamado undercut, que é justamente antecipar a parada para obter a  vantagem necessária para parar e voltar na frente do rival.

Em determinados casos, esse pneu macio pode fazer com que parar uma vez a menos que os rivais seja interessante. Não é coincidência que, até agora, a estratégia preferida pela Ferrari tenha sempre sido a de maior número de paradas em todas as corridas. Afinal, é o único carro que tenta lutar com os ponteiros sempre tendo usado todos os pneus macios na classificação. Ou seja, já entra na corrida tendo que fazer essas 3 ou 4 voltas a mais no pneu duro, pois seus macios não aguentariam. E ainda há quem diga que a classificação perdeu a importância.

3 comentários sobre “Como é possível ultrapassar nos boxes com os Pirelli

  1. Ju,

    Na última corrida, a Ferrari de Alonso marcou o tempo todo a Red Bull de Webber para evitar o undercut, tanto que surgiu a história de que a Ferrari estivesse espionando a comunicação da RBR ou a movimentação dos mecânicos.

    Mas na última parada de Alonso, a Ferrari se deu mal ( ou por causa das bolhas nos pneus de Alonso que o obrigou a antecipar a parada ou porque a RBR percebeu que estavam tendo a estratégia copiada pela Ferrari e fingiu uma parada antecipada de Webber).

    A verdade é que Alonso teve que se arrastar por 2 últimos stints com os pneus duros porque não tinha mais nenhum jogo disponível de macios e acabou tomando 1 volta dos lideres depois de liderar a parte inicial da corrida.

    Infelizmente, com um carro ruim, não tem estratégia que salve uma corrida.

    Curtir

    1. Sim. De certa forma, esses pneus “ruins” privilegiam os melhores carros, mais equilibrados e que, ou gastam menos, ou geram mais carga aerodinâmica, algo que escrevi logo depois da corrida da Espanha.
      E o undercut me parece mais “perigoso” do que permanecer na tática que os dados coletados mostram que é a mais rápida para chegar ao final. Por isso acredito que a abordagem da McLaren de privilegiar o último stint seja fundamental para diminuir a diferença em relação à Red Bull em corrida.

      Curtir

  2. Me parece que essa tática da Mclaren só funciona por possuir um carro equilibrado, possibilitando otimizar o pneu. Um ponto interessante que fico imaginando, é o quanto a falta do difusor soprado influenciará no down force desses carros, consequentemente nos pneus, e o quanto poderá aproximar as equipes.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s