Corridas e análises, Guias dos circuitos

Guia do GP do Bahrein

A Fórmula 1 abre a temporada no mesmo circuito em que as equipes testaram, ainda que apenas por três dias. Ao palco do GP do Bahrein é famoso pela alta abrasividade do asfalto, que pune especialmente os pneus dianteiros. É um circuito de tração, ou seja, em que, para ser rápido, é preciso sair bem das curvas e aproveitar as longas retas dos setores 1 e 2.

GP do Bahrein Horários Band

Os ventos costumam trazer areia para a pista, comprometendo a evolução do asfalto e também gerando um desafio para os pneus, pois os grãos comprometem ainda mais a aderência.

A pista do Bahrein também é front-limited, ou seja, em que geralmente os pneus dianteiros acabam antes que os traseiros, o que é incomum ao longo da temporada. E esse é um dos motivos que fazem com que o resultado da primeira prova não seja tão representativo para determinar o que vai acontecer no restante da temporada quanto gostaríamos.

Ainda mais em 2022, com o enorme escopo para desenvolvimento dos novos carros.

Como é o melhor acerto para o GP do Bahrein

A pista é formada por retas longas e freadas fortes seguidas de curvas de baixa e média velocidades. Então, as equipes buscam um meio termo para o acerto: se colocarem muita asa, são lentos na reta, e se colocarem pouca asa, o carro fica nervoso nas freadas.

O trecho mais complicado é a curva 10, onde costumamos ver os pilotos fritando os pneus. Isso acontece porque é uma curva com trajetória fechada, em uma descida e uma inclinação para o lado de fora. Para piorar, a entrada da curva é cega.

Outro ponto importante é o fato de apenas o segundo treino livre ser disputado à noite. Ou seja, com a temperatura da pista mais próxima à que será encontrada na classificação e na corrida. E entender o melhor caminho da interação entre os pneus e o acerto com o asfalto menos quente à noite é ainda mais fundamental em 2022, já que as equipes ainda sabem pouco sobre os pneus.

Ultrapassagens no GP do Bahrein

É relativamente fácil ultrapassar no Bahrein, o que abre as opções de estratégia. A pista é a quinta com maior média de ultrapassagens do campeonato. Com isso, será particularmente interessante entender como as novas regras vão interagir com o circuito e com as zonas de DRS. É possível que seja até fácil demais ultrapassar no primeiro GP do ano.

Os melhores pontos de ultrapassagem são a curva 1 e a curva 4, depois de longas retas. Mas é preciso respeitar os limites de pista, como Max Verstappen descobriu em 2021. O Bahrein é daquelas pistas em que a área de escape não pune os pilotos. Por isso, cabe à FIA policiar eletronicamente os limites de pista.

Notas de estratégia do GP do Bahrein

O Bahrein é uma das pistas em que mais vemos estratégias diferentes terem resultados parecidos. Isso porque quem opta por fazer mais paradas tem menos chance do que em outros circuitos de ficar preso atrás de carros mais lentos. E quem tenta fazer só uma parada tem de cuidar muito dos pneus.

Também é comum vermos dois pilotos fazendo o mesmo número de paradas, mas usando compostos diferentes ao longo da prova, deixando a briga para a pista nos momentos finais. Então não é incomum termos ao mesmo tempo um GP tático e com ultrapassagens.

1,120: É o número de palmeiras plantadas ao redor do circuito do Bahrein

Claro que a referência que temos é de outro pneu completamente diferente e outro carro completamente diferente também. Mas o que sabemos é que as áreas de escape generosas fazem com que o número de Safety Cars seja relativamente baixo, então isso não está no centro da preocupação dos estrategistas. E, como vimos em outros anos, muitos pilotos começam o GP sem uma tática fechada, esperando o ritmo e degradação do primeiro stint. Até porque o tempo de treino livre que eles têm com as condições de pista da corrida é curto.

Como foi em 2021

A temporada que terminou com uma polêmica envolvendo o diretor de prova também começou com uma polêmica envolvendo o diretor de prova. A Mercedes foi agressiva na estratégia e parou Hamilton bem cedo em duas oportunidades, deixando à Red Bull a opção de fazer o overcut e contar com Verstappen para que ele passasse Hamilton no final. O holandês chegou no inglês a quatro voltas da bandeirada, com pneus 11 voltas mais novos. Mas saiu da pista ao ultrapassar e teve de devolver a posição.

Então Hamilton ganhou, Verstappen foi segundo e Valtteri Bottas completou o pódio com a Mercedes. Quem vê o resultado imagina que o time alemão começou o campeonato melhor, mas foi uma vitória mais tática do que na base do ritmo. E Sergio Perez largando do pitlane para ser quinto também evidenciou a vantagem da Red Bull, superaquecendo menos seus pneus traseiros e tendo de comprometer menos seu acerto.

3 comentários em “Guia do GP do Bahrein”

  1. Ótimas informações, como sempre! Você até botou no texto que o macio é o C4, mas se puder põe as classes de compostos no Raio-X técnico. Bom trabalho nesta temporada!

  2. “[…]GP do Bahrein é famoso pela alta abrasividade do asfalto, que pune especialmente os pneus traseiros.”
    “A pista do Bahrein também é front-limited, ou seja, em que geralmente os pneus dianteiros acabam antes que os traseiros”
    ??????

Deixe uma resposta