Guias dos circuitos

Guia do GP da Arábia Saudita

O palco do GP da Arábia Saudita é a segunda pista mais longa do campeonato (perdendo apenas para Spa-Francorchamps) e a segunda mais veloz (a média de velocidade fica atrás apenas de Monza).

São 27 curvas, algumas cegas, muitas feitas em pé embaixo, com uma configuração interessante de DRS: são três, praticamente em sequência, sendo que o ponto de detecção da segunda fica no final da primeira zona, e o mesmo ocorre entre as zonas 2 e 3. Ou seja, pode valer a pena só emparelhar, permanecer atrás nas zonas de detecção e só ultrapassar na terceira.

É bem hardcore. De pé embaixo com os muros próximos e alta velocidade. É disso que nós gostamos, é o que dá adrenalina.”

Valtteri Bottas

O traçado tem alguns pontos interessantes: as primeiras curvas são bem estreitas, então os pilotos vêm de uma reta de 500m e, de repente, o espaço diminui, o que gera uma largada potencialmente complicada.

O restante do primeiro setor é técnico e o foco dos pilotos será maximizar o ângulo nas entradas das curvas a fim de não perder tempo na sequência que começa na 4 e só vai terminar na 12. Eles não vão ter muita chance de respirar no primeiro setor, e a temperatura e umidade locais não ajudam.

O segundo setor começa com a curva a 13, de 180°, em inclinação (ainda que não tão dramática quanto a de Zandvoort), seguida por curvas de pé embaixo pelo menos na classificação, iniciando a sequência de três zonas de DRS, entre o fim do segundo setor e todo o terceiro, culminando com a curva 27, ufa, a última!

Como acertar o carro para o GP da Arábia Saudita

Pode ser complicado encontrar o melhor acerto para o circuito de Jeddah, com as poucas informações que os times têm sobre a pista e apenas uma sessão de treinos livres acontecendo à noite, ou seja, com as temperaturas de pista mais próximas do que os pilotos vão encontrar na classificação e na corrida.

Em termos de configuração de carro, equipamentos que naturalmente gerem menos arrasto são favorecidos. Em uma escala de 1 a 5, o nível de downforce desejado é de apenas dois, então algo mais próximo de Monza.

2021 Saudi Arabian Grand Prix, Sunday – LAT Images

Ultrapassagens no GP da Arábia Saudita

É uma pista bastante estreita e com muros muito próximos, além de ter muitas curvas. Ok, muitas delas exigem só uma pequena correção no volante, mas também são cegas, então não são lugares de ultrapassagem.

Então o que vimos por aqui foram algumas manobras na curva 27 se o rendimento entre os carros é mais diferente, ou tentativas na primeira chicane, com uma boa possibilidade de ter de sair da pista ou para completar a manobra, ou para não bater.

Notas de estratégia

A grande surpresa da estreia de Jeddah no calendário foi a qualidade do asfalto, bem mais aderente do que se esperava. Isso fez com que os pneus funcionassem bem e a escolha de C2, C3 e C4 por parte da Pirelli se tornasse até um pouco conservadora.

Foi por isso, por exemplo, que a Mercedes decidiu parar seus dois pilotos no primeiro Safety Car, logo na volta 9. Eles sabiam que daria para ir até o final com pneu duro, mesmo parando tão cedo.

Entretanto, a loucura em que a prova se transformou acabou diminuindo o volume de informações das equipes.

Historicamente, pistas mais novas tendem a ter mais bandeiras vermelhas nos treinos livres (o que pode atrapalhar as simulações de classificação e de corrida) e também mais períodos de SC na corrida. Isso foi mais do que comprovado no primeiro ano no GP e está na mente dos estrategistas.

A pista ficou pronta em cima da hora em 2021

Como foi em 2021

Qualquer tentativa de explicar o GP da Arábia Saudita em poucas palavras é um tanto sem sentido. Max Verstappen bateu na classificação e Lewis Hamilton ficou com a pole, controlando a corrida da frente até que Mick Schumacher bateu na volta 9. Imaginando que isso geraria apenas um período de SC, a Mercedes parou os dois pilotos. A Red Bull fez a aposta contrária, e seguiu na pista, tomando a liderança.

Foi dada uma bandeira vermelha, o que deixou Verstappen na pole com pneu novo. Ele perderia a liderança em uma manobra de defesa agressiva, mas recuperaria após outra bandeira vermelha. Para isso, ele teve que colocar pneus médios, enquanto Hamilton tinha os duros.

Na parte final da prova, Hamilton tentou passar, Verstappen fechou a porta, e foi instruído a devolver a posição. Os dois se estranharam na hora da devolução, e se tocaram, mas depois Hamilton finalmente passou o rival para vencer.

Resumindo, ficou claro que não há muito espaço para passar. E, além de seus rivais, o muro está bem próximo esperando quem exagerar.

3 comentários em “Guia do GP da Arábia Saudita”

  1. Sem entender quase nada de automobilismo, me foi sugerido este blog pelo café com velocidade. E gostei demais da forma clara que vc aborda o assusto. Fica de fácil entendimento pra leigos como eu. Parabéns pelo trabalho.

Deixe uma resposta