Guias dos circuitos

Guia do GP da Austrália

Por quantas vezes não esperamos ansiosamente pelo GP da Austrália, primeira corrida de tantas temporadas da F1 desde que a corrida mudou para Melbourne em 1996, só para ficarmos decepcionados depois de uma corrida sem graça?

No que depender da confiança dos organizadores a respeito das mudanças feitas no circuito, nossos problemas acabaram.

As mudanças foram pensadas para casar com o carro de 2022, então será um bom termômetro para vermos se as regras funcionam. Ao invés de uma sequência de áreas de aceleração e chicanes, agora há uma zona mais de alta velocidade no segundo setor.

Há também a questão do asfalto, totalmente refeito. Como vimos na Arábia Saudita, se ele gerar menos desgaste de pneus, a tendência é que a corrida seja mais movimentada.

Uma das duas corridas do ano disputadas em um parque, o circuito é semi-permanente, mas com cara de pista de rua, e não é muito usado ao longo do ano. Outra particularidade é a quantidade de árvores, famosas por atrapalharem a comunicação das equipes com os pilotos.

Na programação está classificação a partir das 2h30 mas pode ligar a TV às 2h que já estaremos ao vivo!

Qual é o melhor acerto para a pista de Albert Park

Mesmo antes das mudanças feitas para 2022, Albert Park já era uma das pistas em que os pilotos ficavam mais tempo com o pé embaixo, superando 70% da volta. É algo na linha de Arábia Saudita, mas com curvas mais lentas, indo mais para o lado do Red Bull Ring em termos de acerto.

Ou seja, a pressão aerodinâmica ainda é importante e a configuração de asa é média, embora as mudanças tenham tirado uma das chicanes da pista, favorecendo mais acertos de média para baixa pressão aerodinâmica.

Mas a grande característica de Albert Park é ser uma pista de tração, em que a retomada de velocidade após as curvas lentas é a chave para ter bom tempo de volta.

O asfalto novo pode mexer com o setup das suspensões, pois o antigo era bastante ondulado. Caso ele se mantenha com essa característica, seria uma péssima notícia para os carros que sofrem com porpoising. As zebras também eram altas e, se esse ainda for o caso, isso significa que é melhor os pilotos ficarem longe delas, pois os novos carros não gostam muito de zebras.

Outro fator importante para o acerto é a escolha de pneus da Pirelli, com o C2, C3 e C5. Ou seja, tudo indica que será mais difícil encontrar o equilíbrio entre ter um carro bom para a corrida e para a classificação.

Ultrapassagens no GP da Austrália

As corridas na Austrália não costumam ser movimentadas. Porém, as mudanças feitas visam tornar a curva 11 uma zona de ultrapassagem.

Além do novo traçado na 9 e 10, outras seis curvas foram alargadas. Com isso, a tentativa é resolver um problema comum no Albert Park: o piloto até conseguia emparelhar, mas faltava pista para completar a ultrapassagem.

Notas de estratégia do GP da Austrália

Além das mudanças nas curvas 9 e 10, que se tornaram mais rápidas, a pista ganhou um asfalto completamente novo, sobre o qual as equipes não têm muitas informações. O antigo era pouco aderente, então carros que escorregavam mais tinham dificuldade em preservar os pneus, mas não era uma pista de alto desgaste. No entanto, o aumento da velocidade média pode mudar isso.

O pitlane de Albert Park é o mais curto da temporada, mas o limite de velocidade é de 60km/h (normalmente, o limite é 80). Ou seja, uma coisa acaba equilibrando a outra.

Além disso, em 2022, a F1 irá para a Austrália em abril. Com isso, as temperaturas podem estar mais baixas, no outono de Melbourne. Isso, lembrando que a cidade fica mais ao sul que Buenos Aires, para efeito de comparação.

Como foi em 2019 (!)

Hamilton perdeu a liderança para Bottas nos primeiros metros. Depois, forçou demais nas zebras, danificou o assoalho, e passou a fazer uma corrida defensiva para chegar em segundo. Bottas venceu com tranquilidade.

Na época, a maior ameaça à Mercedes vinha da Ferrari, mas naquele GP de abertura de 2019 Vettel levou um undercut de Verstappen. Aliás, nos anos anteriores, o undercut funcionou em Albert Park para quem conseguiu se manter perto o bastante para não sofrer muito com a turbulência.

Veremos o quanto desta lógica segue a mesma agora que tanta coisa mudou.

Um comentário em “Guia do GP da Austrália”

Deixe uma resposta